Dialogando sobre Resíduos Sólidos pelos Caminhos da Educação Ambiental / Dialogue About Solid Waste Along the Paths of Environmental Education

Alissony Morais Paiva, Carla Ledi Korndörfer, Luciano Silva Figueirêdo, Elenice de Abreu Oliveira

Abstract


A poluição causada pelo desenvolvimento das grandes economias mundiais tem aumentado bastante a preocupação sobre questões ambientais. Vários dispositivos legais foram criados no Brasil e no mundo, destacando-se a Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS, instituída pela lei nº 12.305/10. Através dela é regulamentada a classificação de resíduos e rejeitos a serem descartados no meio ambiente e a articulação que a PNRS faz com a Política Nacional de Educação Ambiental e a Política Nacional do Meio Ambiente. Nesse sentido, fez-se necessária uma reflexão sobre os problemas causados pelo descarte de resíduos sólidos, com enfoque no óleo de cozinha descartável, utilizando a Educação Ambiental crítica e uma abordagem interdisciplinar contextualizada. Essa concepção promove, assim, uma maior inclusão social sobre o tema. A presente pesquisa teve como objetivo geral analisar os resíduos sólidos como tema transversal à luz da Educação Ambiental e, especificamente, a verificação dos conhecimentos sobre meio ambiente e os problemas socioambientais causados pelo descarte incorreto de resíduos sólidos, em especial o óleo de cozinha. A pesquisa foi desenvolvida dentro da perspectiva da Pesquisa Ação e foi realizada em uma escola pública no município de Timon (MA), no turno vespertino e nas turmas do 2º ano do ensino médio. Foram aplicados questionários com os estudantes e entrevistas com a comunidade. A pesquisa possibilitou a constatação de mudanças na concepção de meio ambiente e no descarte dos resíduos sólidos em especial o óleo de cozinha descartável, e que a interdisciplinaridade é uma ferramenta imprescindível para retotalizar o saber fragmentado.


Keywords


Óleo de cozinha, Reciclagem, Meio Ambiente, Ensino.

References


AGUIAR, W. J. de; FARIAS, C. R. de O. Apontamentos para práticas de avaliação na educação ambiental em diálogo com saberes de professores da educação básica. Pesquisa em Educação Ambiental, v.12, n.1, p. 10-25, 2017.

BRASIL. Lei 9.795/99, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Publicada em D.O. de 28/04/1999. Disponível em: Acesso em: 01/07/2020.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Programa Nacional de Educação Ambiental- ProNEA, Educação ambiental. Por um Brasil sustentável, 4ª edição, Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente – MMA. Programa de educação ambiental e agricultura familiar. Ministério do Meio Ambiente. Departamento de Educação Ambienta: Brasília, 2015.

CARVALHO, I. C de M. Em direção ao mundo da vida: interdisciplinaridade e educação ambiental / Conceitos para se fazer educação ambiental — Brasília: IPÊ - Instituto de Pesquisas Ecológicas, 1998. 101f.: il.; 30 cm. - (Cadernos de educação ambiental; 2).

CARVALHO, I. C de M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez Editora, 2017.

DURÉ, R. C.; ANDRADE, M. J. D.; ABÍLIO, F. J. P. Ensino de Biologia e contextualização do conteúdo: quais temas o aluno de ensino médio relaciona com o seu cotidiano. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 1, p. 259-271, 2018.

GADOTTI, M. Ecopedagogia, pedagogia da terra, pedagogia da sustentabilidade, educação ambiental e educação para a cidadania Planetária, 2009. Disponível em: . Acesso em 17 set. 2018.

HEMPE, C.; NOGUERA, J. O. C. A Educação Ambiental e os Resíduos Sólidos Urbano. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 5, n. 5, p. 682 - 695, 2012.

JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade. Estudos avançados, n. 25, v. 71, 2011.

IBGE CIDADES. . Acesso em 28 de set. de 2019.

LEAL, G. C. S. de G.; FARIAS M. S. S.; ARAUJO, F. A. O Processo de Industrialização e seus Impactos no Meio Ambiente Urbano, Qualitas Revista Eletrônica, v. 7. n. 1, 2008.

LEFF, E. Complexidade, racionalidade ambiental e diálogo de saberes. Educação & Realidade, Porto Alegre, Brasil. v. 34, n. 3, p. 17-24, 2009.

LEFF, E. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de professor, v. 14, n. 2, p. 309-335, 2011.

LOPES, R.C.; BALDIN, N. Educação ambiental para a reutilização do óleo de cozinha na produção de sabão – Projeto “Ecolimpo”. IX Congresso Nacional de Educação (EDUCERE) – III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. Paraná: PUC, 26 a 29 de outubro de 2009.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental crítica: contribuições e desafios. In: MELLO, S. S. de; TRAJBER, R. (coord.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, 2007. p. 65-71.

MIRANDA, F. H. F.; MIRANDA, J. A.; RAVAGLIA, R. Abordagem Interdisciplinar em Educação Ambiental. Revista práxis, v. 2, n. 4, 2017.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 7ª edição: Rio de Janeiro, 2016.

OLIVEIRA, E. de A.; KORNDÖRFER, C. L.; FIGUEIRÊDO, L. S.; ARAGAO, J. A.; MARQUES FILHO, E. G. Educação ambiental na escola: concepções e práticas dos professores da rede pública de ensino no interior do Piauí. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 8, p. 78265-78279, 2021.

TANNOUS, S.; GARCIA, A. Histórico e evolução da educação ambiental, através dos tratados internacionais sobre o meio ambiente, Nucleus, v. 5, n. 2, p. 183-196, out. 2008.

WILDNER, L. B. A.; HILLIG, C. Reciclagem do óleo comestível e fabricação de sabão como instrumentos de educação ambiental, Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, v. 5, n. 5, p. 813 - 824, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-190

Refbacks

  • There are currently no refbacks.