Avaliação do efeito espacial na produção do milho no sertão sergipano/Spatial Effect Assessment on Maize Production in the Sergipe’s Backwoods

Damaris Santos da Silva, Fábio Rodrigues de Moura, Marcos Aurélio Santos da Silva, Ana Alexandrina Gama da Silva

Abstract


O presente estudo verifica a formação de processos de influência espacial no Território Rural do Sertão Ocidental (TRSO) sergipano gerados pela produção do milho, por meio de uma análise econométrica espacial para dados em painel entre 1999 e 2015. A estratégia de pesquisa consiste na investigação de transbordamentos espaciais mediante a estimação do efeito de fatores de influência (precipitação pluviométrica, crédito agrícola de custeio e investimento, tipo solo) sobre a produtividade do grão, incluindo-se o efeito do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC), uma política agrícola executada pela Embrapa. Os resultados apontam o SAR como modelo espacial de melhor ajuste, revelando que a produtividade do milho é impactada positivamente pela precipitação pluviométrica, pelo crédito agrícola de custeio e pela política agrícola ZARC; no entanto, tal política exerceu um efeito superior na produtividade do milho no TRSO em comparação aos municípios vizinhos.


Keywords


Território Rural do Sertão Ocidental Sergipano; Milho; Econometria Espacial; Zoneamento Agrícola de Risco Climático.

References


ALMEIDA, E. S. Econometria Espacial Aplicada. 1. ed. Campinas: Editora Alínea, 2012.

ANSELIN, L.; BERA, A. Spatial dependence in linear regression models with an introduction to spatial econometrics. In: ULAH A.; GILES D. E. (Eds.). Handbook of Applied Economic Statistics.Marcel Dekker: New York, p.237-89, 1998.

ARAÚJO, H. M. et al. O agronegócio do milho e a modernização agrícola nasub-bacia do rio Salgado. REGNE, v. 2, n. Especial, p. 585-594, 2016.

ASSAD, et al. Zoneamento agrícola de riscos climáticos do Brasil: base teórica, pesquisa e desenvolvimento. Informe Agropecuário, v.29, n.246, p.47-60, 2008b.

BARROS, I. de et al. Efeito de sistemas de plantio de milho nas perdas de solo e água no agreste sergipano. In: XIX Reunião Brasileira de Manejo e Conservação do Solo e da Água, 07, 2012, Lages. Anais... Lages: XIX RBMCSA, 2012. p. 1-4.

BERGAMASCHI, H; MATZENAUER, R. Milho. In: MONTEIRO, J. E. B. de A. (Org.).

Agrometeorologia dos Cultivos: o fator meteorológico na produção agrícola. Brasília: INPE, 2009, p. 239-260.

BRASIL. Territórios da Cidadania: integração de políticas públicas para reduzir desigualdades, 2009.

CARVALHO, H. W. L. et al. Recomendação de Cultivares de Milho para o Nordeste Brasileiro: Ensaios Realizados no Ano Agrícola de 2003-2004. Aracaju: Embrapa, 2005a.

CARVALHO, H. W. L. et al. Recomendação de Variedades de Milho para o Nordeste Brasileiro. Aracaju: Embrapa, 2005b.

CHASCO, C. Econometria espacial aplicada a lapredicción-extrapolación de datosmicroterritoriables. Madri: Consejería de Economía e Innovación Tecnológica, 2003.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Observatório agrícola: acompanhamento da safra brasileira de grãos safra 2018/2019, v. 6, n.3, 2018.

CUENCA, M. A. G.; DOMPIERI, M. H. G.; SANTOS, F. R. dos. Expansão da Produção do Milho e Substituição de Cultivos na Região do Sertão Ocidental, no Estado de Sergipe. Aracaju: Embrapa, 2016.

CUNHA, G. R. da; ASSAD, E. D. Uma visão geral do número especial da RBA sobre zoneamento agrícola no Brasil. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 9, n. 3, p. 377- 385, 2001.

DOU. Diário Oficial da União. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Política Agrícola. Portaria n. 129, 11 de Julho de 2018.

GALINA, M. H.; CARVALHO. S. S.; NUNES, V. V.; NOGUEIRA JUNIOR, L. R. Análise

Espaço-Temporal do cultivo de milho em Sergipe, com Auxílio de NDVI/EVI - Sensor MODIS, no Período de 2003-2012. In: SIMPÓSIO REGIONAL DE GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO, 11, 2014, Aracaju. Anais... Aracaju: GEONORDESTE, 2014. p. 103-107.

GASQUES, J. G.; BACCHI, M.; BASTOS, E. Impactos do crédito rural sobre variáveis do agronegócio. Revista de PolíticaAgrícola, ano XXVI, n.4, p. 132-140, 2017.

HOOGENBOOM, G. Contribution of agrometeorology to the simulation of crop production and its applications.Agriculturaland Forest Meteorology, 103, p. 137-157, 2000.

IBGE. Produção Agrícola Municipal. Sistema IBGE de recuperação automática, SIDRA. Disponível em: . Acesso em: 22 de jan. 2018a.

IBGE. Censo Agropecuário 2017. Sistema IBGE de recuperação automática, SIDRA. Disponível em: . Acesso em: 22 de dez. 2018b.

IBGE. Bases Cartográficas. Disponível em: . Acessoem: 22 de dez. 2018c.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em . Acessoem 13 de jan.de 2019.

KRUGMAN, P. Development, Geography, and Economic Theory.4. ed. Massachusetts: MIT Press, 1998.

LESAGE, J. P. SpatialEconometrics. Documento online disponível em . Acesso em: 15 de jun. 2018.

LEPSCH, I.F. Influência dos fatores edáficos na produção. In: CASTRO, P.R.C.; FERREIRA, S.O.; YAMADA, T. (Coord.) Ecofisiologia da produção. Piracicaba: Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato, 1987. p.83-98.

LOPES, E. S.; DELGADO, N.; GRISA, C. Desenvolvimento territorial, políticas públicas e enfrentamento da pobreza no Território Sertão Ocidental (SE). In: LEITE, S. P. (Ed.) .Políticas de Desenvolvimento Territorial e Enfrentamento da Pobreza Rural no Brasil: Estudos de Casos. 1. ed. Brasília, DF: IICA, 2013. p. 139–170.

MARQUES, L. D. Modelos dinâmicos com Dados em Painel: revisão de literatura. CEMPRE, Faculdade de Economia do Porto, Porto, Portugal.

MDA. A. Sistema de Informações Territoriais. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2016.

MITIDIERI, F. J.; MEDEIROS, J. X. de. Zoneamento Agrícola de Risco Climático Ferramenta de auxílio ao seguro rural. Revista de Política Agrícola, ano XVII, n. 4, p. 33-46, 2008.

NOGUEIRA JUNIOR, L. R.; AMORIM, J. R. A. de; DOMPIERI, M. H. G. Terraceamento:

Conservação do Solo e da Água no Polo de Produção de Milho, em Sergipe. Aracaju: Embrapa, 2016.

RAIJ, B.V. Avaliação da fertilidade do solo.2.ed. Piracicaba: Instituto da Potassa & Fosfato: Instituto Internacional da Potassa, 1983. p 142.

SANTOS, C. dos. Níveis tecnológicos dos agroecossistemas do milho no Estado de Sergipe. 2012. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão.

SEFFRIN, R.; ARAÚJO, E. C. de; BAZZI, C. L. Regression models for prediction of corn yield in the state of Paraná (Brazil) from 2012 to 2014. Acta Scientiarum.Agronomy, v. 40, 2018.

SENTELHAS, P. C.; MONTEIRO, J. E. B. de A. Agrometeorologia dos Cultivos: Informações para uma Agricultura Sustentável. In: MONTEIRO, J. E. B. de A. (Org.). Agrometeorologia dos Cultivos: o fator meteorológico na produção agrícola. Brasília: INPE, 2009.

STEINMETZ, S.; SILVA, S. C. da.Início dos Estudos sobre Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) no Brasil.Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão, 2017.

THIESSEN, A. H. Precipitationaverages for largeareas. Monthly Weather Review, v. 39, n.7, p. 1082-1089, 1911.

TOBLER, W. R. A Computer MovieSimulatingUrbanGrowth in the Detroit Region.EconomicGeography, v. 46, Supplement: Proceedings. InternationalGeographicalUnion.CommissiononQuantitativeMethods, p. 234-240, 1970.

WOLLMANN, C. A.; GALVANI, E. Zoneamento agroclimático: linhas de pesquisa e caracterização teórica-conceitual. Revista Sociedade e Natureza, v. 25, n. 1, p. 179-189, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-250

Refbacks

  • There are currently no refbacks.