Pré-natal masculino: Atuação do enfermeiro frente a Síndrome de La Couvade / Male prenatal: Nurse's performance against La Couvade Syndrome

Helena Paiva Valério, Rosana Maria Faria Vador, Leandra Ruzene Carlúcio

Abstract


As alterações emocionais negativas vêm aumentando com o passar das décadas, chegando a atingir respectivamente 4,4% e 1,6% da população mundial, sendo as mulheres da ordem de 70%, estando mais expostas no período gestacional devido a mudanças hormonais. O pré-natal é o momento oportuno para estabelecer um relacionamento de confiança com a gestante, possibilitando a identificação de fatores de riscoao binômio,como alterações patológicas ou psicológicas, ao qual atualmente, deve-se incluir o homem nesse processo. Revisão: Perante gestação há maior destaque para mudanças morfológicas, psicológicas e funcionais. Durante gestação destaca-se mudanças morfológicas, psicológicas e funcionais. Algumas futuras mães podem apresentar episódios de ansiedade e de tristeza, ao invés da típica e esperada alegria, demandando necessidade de maior avaliação, pois, as mulheres podem ser mais suscetíveis ao estresse físico e metal. Já quanto ao Couvade, os sintomas contam com a perca de apetite, náusea, vômitos, desejos, aumento de peso corporal, dores dentários, insônia, dor de cabeça, entre outros. Há indicação também para que esta condição seja definida como uma expressão somática de ansiedade, toda oriunda do processo transitório para a paternidade. Objetivos: Relacionar as condições sociodemográficas das gestantes pré-dispostas a alterações emocionais possibilitando o aparecimento das psicoses, bem como, de seus parceiros, apontando os sinais e sintomas psicossomáticos de depressão ou psicose, discorrer sobre a atuação específica do enfermeiro na consulta de pré-natal para detecção precoce dos sinais e sintomas psicossomáticos de depressão ou psicose da gestante e seu companheiro e elaborar um protocolo de consulta de pré-natal masculino, para identificar e prevenir a síndrome de La Couvade. Método: Utilizou-se revisão integrativa da literatura, com estudo descritivo, de abordagem qualiquantitativa. Discussão: Embora a etiologia da Couvade seja desconhecida, inúmeros pesquisadores relacionam a condição com características emocionais, ansiedade, fatores hormonais e fisiológicos concomitantes, fatores sociais, idade, aspectos inconscientes, entre outros. Para tanto, um protocolo foi desenvolvido a fim de, sendo utilizado no pré-natal masculino, possa facilitar a identificação da síndrome. Conclusão: Concluindo, com o uso do protocolo de consulta (Quadro 2), se espera poder avaliar adequadamente os sinais e sintomas da Síndrome de La Couvade, para que, caso necessário, o companheiro participante do pré-natal seja encaminhado ao psicólogo da unidade, com o intuído de que seu bem estar seja restaurado o quanto antes.


Keywords


Pré-Natal masculino, Síndrome de Couvade, Atuação do Enfermeiro, Psicose puerperal.

References


Alves TV, Bezerra MMM. Principais alterações fisiológicas e psicológicas durante o Período Gestacional. Revista Multidisciplinar e de Psicologia. 2020. V.14, N. 49 p. 114-126.

Amorim Neto RC, True M. The development and treatment of impulsivity. Revista de Psicologia, 2011, 42(1), 134-141.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco [internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 [cited 2019 Nov 14]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_ atencao_basica_32_prenatal.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação Nacional de Saúde do Homem. Guia do pré-natal do parceiro para profissionais de saúde. Rio de Janeiro; Ministério da Saúde; 2016. 55 p.

Batista HHV, Noronha APP. Instrumentos de Autorregulação Emocional: Uma Revisão de Literatura. Avaliação Psicológica, 2018, 17(3), pp. 389-398.

Costa PCP. Depressão Perinatal: Das Relações Familiares ao Desenvolvimento da Criança [tese de mestrado]. Estratégias de Prevenção. FMUC: Faculdade de Medicina; 2015.

Coutinho EC, Silva CB, Chaves CMB, Nelas PB, Parreira VBC, Amaral MO, Duarte JC. Gravidez e parto: O que muda no estilo de vida das mulheres que se tornam mães? Revista da Escola de Enfermagem da USP, (2014) 48(2), 17-24.

Ferreira AD, Martendal MLN, Santos CMS, Birolo IVB, Lopes R. Participação do pai no nascimento: sentimentos revelados. Revista Inova Saúde, 2014, vol. 3, nº2, 16-36.

Gaspar T, Tomé GQ, Simões C, Matos MG. Estratégias de auto-regulação em pré-adolescentes e adolescentes: Versão portuguesa do TESQ-E. Psicologia: Reflexão e Crítica, 2015, 28(4), 649-658. doi: 10.1590/1678-7153.201528402

Gonçalves LS, Bottoli C. Paternidade: a construção do desejo paterno. Barbarói, 2016. nº.48, 185-204.

Lissaraça PT. As atribuições da enfermeira na assistência pré-natal à gestante de baixo risco. Campo Grande: Universidade Federal De Mato Grosso Do Sul; 2012.

Martini TAD, Piccini CA, Gonçalves TR. Indicadores de síndrome de couvade em pais primíparos durante a gestação. 2010. Aletheia 31, p.121-136.

Mendes SC, Santos KCB. Pré-natal masculino: a importância da participação do pai nas consultas de pré-natal. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer – 2019. v.16 n.29; p. 2120.

Matos MG, Magalhães AS, Carneiro TF, Machado RN. Gestação paterna: uma experiência subjetiva. Barbarói, Santa Cruz do Sul, 2017, n.49, p., jan./jun.

Primo CC, Trevizani CC, Tedesso JC, Leite FMC, Almeida MVS, Lima EFA. Classificação Internacional para Prática de Enfermagem na Assistência Pré-Natal. Revista Oficial do Conselho Federal de Enfermagem, 2015.v.6, n.1/5.

Pousa O. Saberes e competências do pai, com preparação para o parto, durante o trabalho de parto e parto: contributos para a prática de enfermagem [Dissertação]. Portugal: Escola Superior de Enfermagem do Porto; 2012.

Ramos ASMB, Rocha FCG, Muniz FFS, Nunes SFL. Assistência de enfermagem no pré-natal de baixo risco na atenção Primária. Jornal Manag Prim Health Care, 2018; 9:e 3.

Redação. Homens também sofrem de depressão pós-parto [online]. In: Veja.Abril – Saúde. 10 ago 2018. Disponível em: https://veja.abril.com.br/saude/acredite-homens-tambem-sofrem-de-depressao-pos-parto/

Samrsla CA, Soares MS, Simon ARL, Bernick RM. Síndrome de Couvade: a gestação psicológica do homem. XXVII Seminário de Iniciação Científica – Salão do Conhecimento. Inijuí. 21 a 24 de outubro de 2019.

Secretaria Do Estado De Saúde Do Governo Do Estado De Goiás. Pré-natal [online]. In: Portal Expresso da Secretaria Do Estado De Saúde Do Governo. 2019. Disponível em:https://www.saude.go.gov.br/biblioteca/7637-pr%C3%A9-natal

Silva LS, Pessoa FB, Pessoa DTC, Cunha VCM, Cunha CRM, Fernandes KF. Análise das mudanças fisiológicas durante a gestação: desvendando mitos. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), 2015, v. 8, n° 1, p (1-16).

Silva F, Brito R, Carvalho J, Lopes T. Uso da acupressão para minimizar desconfortos na gestação. Revista Gaúcha De Enfermagem, (2016) 37(2).

Teixeira AIB. Relatório de Estágio de Natureza Profissional: Transição para a Paternidade: contributos da intervenção do Enfermeiro Especialista. Viana do Castelo: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro; 2018.

Tharp AA, Schumacher, JA, McLeish AC, Samper RE, Coffey SF. Relative importance of emotional dysregulation, hostility, and impulsiveness in predicting intimate partner violence perpetrated by men in alcohol treatment. Psychology of Women Quarterly, 2012. 37(1), 51-60. doi: 10.1177/0361684312461138

Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Filha MMT, Costa JV, Bastos MH, Leal MC. Assistência pré-natal no Brasil. Caderno de Saúde Pública, 2014. Sup: S1-S15

Vieira GT, Nascimento ARA. Aspectos psicossociais da construção da identidade paterna. Revista Psicologia: Teoria e Prática, 2014. vol. 16, nº1, 57-68.

Vieira BD, Parizotto APAV. Alterações Psicológicas decorrentes do período gravídico. Unoesc & Ciência - ACBS, 2013, v. 4, n. 1, p. 79-90.

Varela PLR, Oliveira RR, Melo EC, Mathias TAF. Intercorrências na gravidez em puérperas brasileiras atendidas nos sistemas público e privado de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2017. 25:e2949.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-330

Refbacks

  • There are currently no refbacks.