Um estudo sobre infidelidade entre homens e mulheres que estejam namorando ou em união estável / A study on infidelity between men and women who are dating or in stable marriage

Késia Constantino de Oliviera, Aline Arruda da Fonseca

Abstract


A presente pesquisa teve como objetivo principal mensurar o nível de infidelidade entre homens e mulheres, casais heteroafetivos, como também, identificar qual a forma mais recorrente de infidelidade entre ambos os sexos, compreendendo quais as causas e avaliando diferenças nas percepções da exclusividade sexual. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de campo, de natureza quantitativa do tipo descritiva e correlacional. Participaram da pesquisa 50 indivíduos, sendo 25 homens e 25 mulheres, em situação de namoro ou união estável, com idade a partir de 18 anos. O instrumento utilizado foi através de uma escala de Exclusividade Sexual, construída por Mendes (2010). Os dados coletados pela escala foram analisados por meio do pacote estatístico SPSS. A análise dos resultados evidenciou que o nível de infidelidade do gênero masculino é maior quando comparado ao gênero feminino, um resultado socialmente esperado, uma vez que o comportamento infiel do sexo masculino é cultural. De acordo com os resultados desta pesquisa o tipo mais recorrente de infidelidade masculina é à física, na qual os motivos expostos se devem a curiosidade, em não conseguir controlar seus impulsos e por diversão, no entanto a traição por parte da mulher se deve ao emocional, demonstrando ser mais sentimental, principalmente em uma relação a dois. Então, se no casamento não existir afeto e amor, ficará a margem de uma possível infidelidade. Contudo, é importante mencionar que a pesquisa provou as expectativas existentes nos dias atuais. Sendo assim, conclui-se que, o índice de infidelidade é maior entre o gênero masculino.


Keywords


Infidelidade, Homem, Mulher.

References


ALMEIDA, T. Ciúme romântico e infidelidade amorosa entre Paulistanos: Incidências e relações. Dissertação de mestrado, Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. 2007.

ALMEIDA, T. Ciúmes e suas consequências para os relacionamentos amorosos. Curitiba: Certa Editora. 2007.

ALMEIDA, T; R., K. R. B; SILVA, A.A. O ciúme romântico e os relacionamentos amorosos heterossexuais contemporâneos. Estudos de Psicologia (UFRN), 13, 83-90. 2008. Disponível em: dehttp://www.thiagodealmeida.com.br/site/files/pdf/Vivencias_da_infidelidade_conjugal_feminina2.pdf.

ALVAREZ, M. J, NOGUEIRA, J. Definições sexuais de estudantes universitários. Psicologia (Lisboa), 23, 59-76. 2008.

AMÂNCIO, L. Masculino e feminino. A construção social da diferença. Porto: Afrontamento. Disponível em: http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR492ed538a123f_1.pdf. 1994.

ARENT, M. Gênero e erotismo: etnografia de um Clube de Mulheres no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado, Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 2007.

ARRUDA, A. Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cadernos de Pesquisas, (117), 127-147. Disponível em: http://php.iesb.br/ojs/index.php/psicologiaiesb/article/view/7/7. 2001.

BÉJIM, A O casamento extraconjugal dos dias atuais de hoje. 1987.

BÉJIM. (Orgs.). Sexualidades ocidentais. pp 183-193. São Paulo, SP: Brasiliense. 1985.

BOZOM, M. A nova normatividade das condutas sexuais ou a dificuldade de dar coerência as experiências íntimas. In: M. L. Heilborn, (orgs.) Família e Sexualidade, Rio de Janeiro, RJ: FGV. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/cienciassociais/monografias/2004.2/monografia%20de%20araceli%202004.2.pdf. 2004.

CAMPOS, L.F.L. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Psicologia. São Paulo, SP: Alínea. 2008.

CASTRO. R; Bronfman M. N. Algunos problemas no resueltosenlaintegración de métodos cualitativos y cuantitativosenlainvestigación social ensalud. Anais do IV Congresso Latinoamericano de Ciências Sociais e Medicina, (Mimeo),Cocoyoc, México. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232000000100016&script=sci_arttext. 1997.

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários.(3ª ed.) São Paulo, SP: McGraw-Hill do Brasil, Disponível em: dehttp://www.ergonomia.ufpr.br/Tipos%20de%20Pesquisa.pdf. 1983.

CALL, V. R. A; HEATON, T. B. Religious influence on marital stability. Journal for the Scientific Study of Religion, 36(3), 382-392. 1997.

DRIGOTAS, S, BARTA, W. O coração fazendo batoteiro: exploratório cientifica da infidelidade. Sentidos atuais na ciência psicológica desempenhem, 177-180, São Paulo, SP. Disponível em: http://www.thiagodealmeida.com.br/site/files/pdf/Vivencias_da_infidelidade_conjugal_feminina2.pdf. 1991.

DRIGOTAS, S. M., BARTA, WThe cheating heart: Scientific explorations of infidelity. Current Directions in Psychological Science, 10, 177-180. 2001.

FISCHER, H. Por que amamos. Rio de Janeiro, RJ: Record. 2006.

FONSECA, A. M. Erotismo sexualidade, casamento e infidelidade: sexualidade, conjugal e prevenção do HIV e da AIDS. São Paulo, SP: Agora. 2004. Disponível em: http://www.terapiafamiliar.med.br/livro.html.

FREIRE. C, J. Sem Fraude nem favor: estudos sobre o amor-romântico. Rio de Janeiro: Rocco, 1998. Disponível em: http://www2.assis.unesp.br/revpsico/index.php/revista/article/viewFile/28/51.

GLASS, S. P, WRIGHt, T.L. Sex differences in type of extramarital invovement and marital dissatisfaction. Sex Roles, (12(9-10), p, 1101-1120). 1985. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2FBF00288108.

DUARTE, L. F. D. Aonde caminha a moralidade?. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 41, p. 19–27, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645089.

JABLONSKI, B. Até que a Vida nos Separe: a Crise do Casamento Contemporâneo, 2 a edição, revista e aumentada. Rio de Janeiro: Agir Sexualidade, família e ethos religioso. Rio de Janeiro: Garamond/ CEPESC. 1998.

KELLERHALS, J. Les types d'interactionsdans la famille.L'AnnéeSociologique, 37, p. 153-179. 1987.

MACFARLANE, Alan. História do casamento e do amor. São Paulo: Companhia das letras. 1990. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/cienciassociais/monografias/2004.2/monografia%20de%20araceli%202004.2.pdf.

MATARAZZO, M. H. Amar é Preciso: os caminhos para uma vida a dois. São Paulo: Gente. 2002.

MELO NETO, M. M.; MACENA, A. M. B.; ASSIS, L. S.; MASCARO, J. D.; SILVA, C. E. M. A representação da infidelidade na literatura canônica e na canção popular Brasileira. Brazilian Journal of Development, Curitiba, 7(8), p. 76868-76895 aug. 2021. ISSN: 2525-8761. DOI:10.34117/bjdv7n8-080. 2021.

MENEZES, G. B. Infidelidade: fatores psicológicos e sociais na ocorrência da traição. Trabalho de Conclusão do Curso, Faculdade de Psicologia. Centro Universitário Luterano de Manaus – Manaus: ULBRA. 2005.

MARQUES, A. Saúde, Corpo e Sexualidade. VI Congresso Português de Sociologia – Mundos Sociais: saberes e Práticas. 2008.

MUNHOZ, M. L. P. Casamento: ruptura ou continuidade dos modelos familiares? São Paulo: Expressão & arte. 2001. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/cienciassociais/monografias/2004.2/monografia%20de%20araceli%202004.2.pdf.

PITTMAN, F. Mentiras privadas: a infidelidade e a traição na intimidade. Porto Alegre, RS: Artes Médicas. 1994. Disponível em: http://www.thiagodealmeida.com.br/site/files/pdf/Vivencias_da_infidelidade_conjugal_feminina2.pdf.

PRETTO, Z. Como tecer o mais antigo, contemporâneo trama: significações do amor segundo jovens universitários, Florianópolis. 2001.

SALEM, T. “Homem Já Viu, Né?”: Representações Sobre Sexualidade e Gênero entre Homens Da Classe Popular. In: M.L. HEILBORN. Família e sexualidade. Rio de Janeiro: FGV. p 15-61. 2004.

SCABELLO, E. H. Desvelando a dor amorosa da infidelidade: discursos de homensemulheres.(Dissertação do mestrado). USP, Ribeirão Preto. 2006.

SCHMOOKLER, T. BURSIK, K. The value of monogamy in emerging adulthood: A gendered perspective. Journal of Social and Personal Relationships. Vol.24(6): 819-835. 2007.

SILVA, E. C. B. Canto de mulher: Um estudo de representações no imaginário de mulheres populares. PPGCS/ UFRN. 2004. Disponível em: http://www.cchla.ufrn.br/cienciassociais/monografias/2004.2/monografia%20de%20araceli%202004.2.pdf.

SPINK, P. K. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicol. Soc. (vol.15, n.2). 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010271822003000200003&script=sci_abstract&tlng=pt.

TOKUMARU, R. S. et al. O efeito da infidelidade sobre a atratividade facial de homens e mulheres .Estud. psicol. Natal, RN,(vol.15, n.1, p. 103-110). 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2010000100014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-341

Refbacks

  • There are currently no refbacks.