Biodiversidade mercantilizada: a objetificação industrial da natureza/ Marketing biodiversity: the industrial objectification of nature

Marcelo Fanfa Pedroso, Isabel Christine Silva De Gregori

Abstract


A industrialização mundial levou a uma precificação do próprio Globo. Hoje tudo possui seu valor ou, pelo menos, um valor esperado. Nesse sentido algumas produções intelectuais criadas em âmbito comercial como o Acordo sobre a Proteção da Propriedade Intelectual (TRIPS em inglês), cunharam verdadeiras privatizações do meio ambiente, concedendo partes da natureza a empresas privadas, sem que existam maiores cuidados. Assim, além das questões prejudiciais ao próprio ecossistema, existe também uma verdadeira evasão de capital biotecnológico em países biodiversos. Para tanto o presente artigo pretende, através do método dialético, demonstrar a necessidade em se desenvolver melhores formas de proteção ao conteúdo biológico tanto em nível nacional como internacional, ao mesmo tempo em que se busca por uma utilização consciente e sustentável das benesses naturais que o planeta tem a oferecer e das quais os avanços podem ser incontáveis.


Keywords


Acordo TRIPS; Biodiversidade; Desenvolvimento mundial.

References


BRASIL. Decreto nº 2.519, de 16 de março 1998. Promulga a Convenção sobre Diversidade Biológica, assinada no Rio de Janeiro, em 05 de junho de 1992. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2019.

ALBAGLI, Sarita. Interesse global no saber local: a geopolítica da biodiversidade. In: BELAS, Carla et al. Saber local/ interesse local: propriedade intelectual, conhecimento tradicional e biodiversidade na Amazônia. Belém: MPEG;CESUPA, 2005.

BASSO, Maristela. Os fundamentos atuais do direito internacional da propriedade intelectual. Revista CEJ, v. 21. p.16-30, 2003, Brasília.

BENETTI, E. A; SEGALA, M. M. O atual sistema de proteção dos conhecimentos tradicionais associados à biodiversidade: Um estudo crítico sobre as mudanças advindas com a Lei 13.123 de 2015. In: STURZA, Janaína Machado, DE GREGORI, Isabel Christine Silva (Orgs.). Diálogos e reflexões na perspectiva do cosmopolitismo jurídico contemporâneo. Porto Alegre: Evangraf, 2018. 224 p.

BLAYNEY, Geoffrey. Uma breve história do mundo. São Paulo: Fundamento Educacional, 2011.

CAMPOS, A. C; DENIG, E. A. Propriedade intelectual: uma análise a partir da evolução das patentes no brasil in: Faz Ciência, v. 13, n. 18 (jul./dez. 2011) Francisco Beltrão: UNIOESTE.

COSTA, Cíntia Reis. A regulação da economia da inovação: Patentes e biodiversidade no desenvolvimento dos países do trópico úmido. Dissertação de Mestrado: Universidade Federal do Pará, Bélem, 2011.

DOS REIS, P; DALLA FAVERA, R. B. Direito fundamental à saúde x direitos da propriedade intelectual: Uma análise sob a ótica do acesso a medicamentos compulsórios no Brasil por meio de licenças compulsórias. In: STURZA, Janaína Machado, DE GREGORI, Isabel Christine Silva (Orgs.). Diálogos e reflexões na perspectiva do cosmopolitismo jurídico contemporâneo. Porto Alegre: Evangraf, 2018. 224 p.

FERREIRA, S. N; SAMPAIO, M. J. A. M. (orgs.) Biodiverisdade e Conhecimentos Tradicionais Associados: Implementação da Legislação de acesso e repartição de benefícios no Brasil. São Paulo: SBPC, 2013.

ROCHA, T. G. P. O nível de proteção da propriedade intelectual definido pelo acordo TRIPS/OMC e o direito ao desenvolvimento. Dissertação de Mestrado: Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia. p.109. 2011.

LEUTZINGER, Márcia Dieguez. Populações tradicionais e conhecimentos associados aos recursos genéticos: conceitos, características e peculiaridade. In: KISHI, Sandra Akemi Shimada, KLEBA, John Bernhard (Orgs.). Dilemas do acesso à biodiversidade e aos conhecimentos tradicionais – direito, políticas e sociedade. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2009.

MAGALHÃES, V. G. Propriedade intelectual: biotecnologia e biodiversidade. São Paulo: Fiuza, 2011.

MORELLO, G. S. R; DE GREGORI, I. C. S. Propriedade intelectual e o instituto das indicações geográficas: Perspectivas de preservação dos conhecimentos tradicionais e da cultura. In: STURZA, Janaína Machado, DE GREGORI, Isabel Christine Silva (Orgs.). Interfaces da sociedade cosmopolita: os novos direitos em debate. Porto Alegre: Evangraf, 2017. 200 p.

REQUIÃO, R. Curso de Direito Comercial. 28 ed. Vol. 1. São Paulo: Saraiva, 2009.

RODRIGUEZ, J. R. Propriedade intelectual e conhecimentos tradicionais: avaliação crítica da disciplina jurídica brasileira. Relatório de Pesquisa apresentado ao Ministério da Justiça/ PNUD, no projeto “Pensando o Direito”, Referência PRODOC BRA 07/004. São Paulo, 2011. Disponível em: Acesso em: 29 set. 2018.

SANTILLI, J. Socioambientalismo e Novos Direitos: proteção jurídica diversidade biológica e cultural. São Paulo: Petrópolis, 2005. p. 131.

SOARES, I. V. P. Direito ao (do) Patrimônio Cultural Brasileiro. Belo Horizonte: Forum, 2009.

SOARES, I. J; GOMES, M. F. Propriedade Intelectual, biodiversidade e biopirataria: A preservação do patrimônio genético ambiental brasileiro requer regulação eficaz. Revista de Biodireito e Direitos dos Animais. v.3, n.2; jul/dez 2017.

SHIVA, V. Biodiversidade, Direitos de Propriedade Intelectual e Globalização. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. Semear Outras Soluções: Os Caminhos da Biodiversidade e dos Conhecimentos Rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-283