Fisiopatologia, diagnóstico e tratamento da vaginose bacteriana/ Physiopathology, diagnosis and treatment of bacterial vaginosis

Suzane Meriely da Silva Duarte, Felipe Venancio Faria, Ricardo Matos de Souza Lima, Jessica Soares Sampaio, Tatiana Mesquita Basto Maia, Greg Resplande Guimaraes, Miqueias de Oliveira Martins, Liliane Buzzi Borghezan Depra

Abstract


As doenças que afetam o sistema reprodutor feminino, estão cada vez mais prevalentes em todo mundo, dentre elas, destaca-se a Vaginose Bacteriana, tratando-se de uma infecção causada pelo microrganismo Gardnerella  vaginalis, apresenta sintomas como corrimento vaginal, odor fétido, dentre outros. Com vistas em agregar conhecimento sobre a Vaginose Bacteriana, apresenta-se este artigo, originado em pesquisas teóricas, com abordagem na metodologia restropectiva e explicativa. Resultando em conhecer melhor a etiologia, manifestações clínicas, diagnóstico, agente etiológico, fatores de risco e tratamento da doença. Sabe-se que a saúde da mulher está cada vez mais participando de debates, envolvendo a necessidade de aplicar melhores cuidados à saúde pública como um todo. Voltando também a atenção para informações relacionadas à prevenção, diagnóstico precoce e cuidados ginecológicos. 

Keywords


Vaginose Bacteriana. Microrganismo. Mulher.

References


NETO, Guerra Silva da Gonçalves Pedro. Vaginose Bacteriana por Gadnarella Vaginalis. Trabalho de Conclusão de Curso. Especialização em Citologia Clínica. Universidade Paulista Centro de Consultoria Educacional. 2011.

CERRI, C. R. Doenças Sexualmente Transmissíveis. 2009. Disponível: http://www.dst.com.br/index.php. Acesso: 30 de janeiro de 2014.

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DE MINAS GERAIS. (CRF – MG). Infecção vaginal por Gardnerella vaginalis. Belo Horizonte, MG; 2009.

KOSS LG, GOMPEL C. Introdução à citopatologia ginecológica com correlações histológicas e clínicas. São Paulo: Roca, 2006.

SIMÕES, J. A. Sobre diagnóstico de Doenças Ginecológicas. Portal da Ginecologia. 2005.

AMARAL, Domingos Ângela do. Incidência de Gardnerella vaginalis nas Amostras de Secreção Vaginal em Mulheres Atendidas pelo Laboratório Municipal de Fraiburgo. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Paulista. São Paulo. 2010.

FIGUEIREDO, P. G. Redução da expressão da ciclo-oxigenase-2 em lesões precursoras do câncer do colo uterino em mulheres com vaginose bacteriana. . 84p. Tese (Doutorado): Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2006.

OLIVEIRA, Borges Adriana et al. Estudo da Prevalência de Vaginose Bacteriana associada a condições es Sócio – Econômico - Culturais de mulheres atendidas no Hospital Amazônia de Tomé - Açu, Pará - Brasil, através de Exame Preventivo de Câncer de Colo do Útero. 7º Congresso Virtual Hispano-americano de Anatomia a Patológica. 2005.

BROLAZO, Eliane Melo et al. Prevalência e caracterização de espécies de lactobacilos vaginais em mulheres em idade reprodutiva sem vulvovaginites. Revista Brasileira Ginecologia Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 31, n. 4, abril, 2009. Disponível:www.scielo.br. Acesso: 28 de janeiro de 2014.

DE LIMA, Elizete Andrade et al. A UTILIZAÇÃO DE PROBIÓTICOS COMO TERAPIA COMPLEMENTAR EM MULHERES COM HPV. Encontro de Extensão, Docência e Iniciação Científica (EEDIC), v. 5, n. 1, 2019.

CARVALHO, MGD. Presença de 20% ou mais de clue cells como um critério diagnóstico de vaginose bacteriana em esfregaços de Papanicolau Dissertação. São Paulo: Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade Estadual de Campinas; 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-300

Refbacks

  • There are currently no refbacks.