Oficinas de matemática elementar: resgatando e estruturando o conhecimento / Basic mathematics workshops: rescuing and structuring knowledge

Daniela Trentin Nava, Regiane Slongo Fagundes, Robson Willians Vinciguerra, Adriano Gomes de Santana, Régis Varão

Abstract


Os altos índices de reprovação e desistência em disciplinas de exatas no ensino superior tem sido o principal assunto discutido no Fórum das Disciplinas do Núcleo Básico dos Bacharelados (ForBas) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Um ponto em comum, levantado pelos professores dos diversos Campi da UTFPR, está relacionado à defasagem na aprendizagem de conteúdos básicos da Matemática. Portanto, se torna imprescindível buscar alternativas pedagógicas para atenuar este problema. O projeto oficinas de matemática elementar propõe ofertar conteúdos básicos ou pertinentes ao ensino superior para alunos ingressantes pela estratégia de ensino híbrido por meio de oficinas presenciais e o uso de Ambientes Virtuais de Aprendizagem. As oficinas presenciais são planejadas e desenvolvidas voluntariamente pelos discentes veteranos do curso de Licenciatura em Matemática e Engenharias, com supervisão dos professores proponentes do projeto.  Desta maneira, busca-se propiciar aos acadêmicos da Licenciatura desenvolvimento da prática pedagógica; aos acadêmicos das Engenharias a troca de experiência e a interação “calouro” e “veterano”. Já no ambiente virtual, por meio da plataforma Moodle, os alunos retomam conteúdos de matemática elementar utilizando um sistema de trilha de aprendizagem. Neste ambiente o aluno encontra notas de aulas, exemplos resolvidos, exercícios, vídeos aulas e avaliação, que pode ser acessado sempre que surgirem dúvidas. Essa modalidade exige dos alunos uma postura ativa, desenvolvendo a autonomia no processo de estudo. Os resultados têm mostrado que os alunos participantes do projeto apresentam maior interação nas aulas de Cálculo Diferencial e Integral, desenvolveram rotinas de estudos e melhoraram o desempenho nas avaliações.

 

 


Keywords


Ambientes virtuais de aprendizagem. Autonomia. Ensino aprendizagem.

References


ALVARENGA, C. F.; SALES, A. P.; COSTA, A. D. da; COSTA, M. D. da; VERONEZE, R. B.; SANTOS, T. L. B. Desafios do ensino superior para estudantes de escola pública: um estudo na UFLA. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, Niterói, v. 6, n. 1, p. 55-71, 2012.

ALVES, M.F.S.; MANTOVANI, K.L. Identificação do perfil dos acadêmicos de engenharia como uma medida de combate à evasão. Revista de Ensino de Engenharia, v. 35, n.2, p. 26-36, 2016.

ANASTASIOU, L. G. C; ALVES, L. P. Estratégias de ensinagem. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula, v. 3, p. 67-100, 2004.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 ago. 2012. Seção 1, p. 1-2.

COLVARA, Jonas dos Santos. SANTO, Eniel Espírito. Aprendizagem Ativa: Autonomia ao Aprender e Autonomia ao Ensinar e Aprender, Anais III Congresso Internacional de Ensino a Distância, realizado em Rio Grande/ RS, de 17 a 20 de outubro de 2017 b.

COSTA, J. A. S.; ALVARENGA, K. B. Experiências da monitoria que conduzem a reflexões sobre o Cálculo Diferencial e Integral na UFS-SE.In: IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade, São Cristóvão, 2010.

FRANCISCATO, F. L. et al. Avaliação dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem Moodle, TelEduc e Tidia - Ae: um estudo comparativo. Revista Novas Tecnologias na Educação UFSM, V. 6 Nº 2, Dezembro, 2008.

LOPEZ, I. F.; SEGADAS, C. A disciplina cálculo i nos cursos de engenharia da UFRJ: sua relação com o acesso à universidade e sua importância para a conclusão do curso. REUCP, Petrópolis, v. 8, n. 2, p. 92-107, 2014.

MACAMBIRA, I. Q.; ATHAYDE, L. S. Reprovação na disciplina cálculo nos cursos de engenharia: análise de dados e métodos minimizadores. In: Anais do XLII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia – COBENGE. Juiz de Fora/MG, 2014

MARCONDES, M. E. R. Proposições metodológicas para o ensino de Química: oficinas temáticas para a aprendizagem em Ciência e o desenvolvimento da cidadania. EM EXTENSÃO, v. 7, p. 67-77, 2008.

MARTINS, D. O.; TIZIOTTO, S. A.; CAZARINI, E.W. Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) como ferramentas de apoio em Ambientes Complexos de Aprendizagem (ACAs). Associação Brasileira de Educação a Distância, Volume 15 – 2016, 116-131.

MORAES, U.C. et al. Projeto pré-cálculo: reforço matemático para os cursos de engenharia em trilhas de aprendizagem do ensino híbrido.In: XLVI Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia, 2018, Bahia. Anais. Salvador, 2018.

RIGON, M. C. Prazer em Aprender: O novo jeito da Escola. Ed.Kairós. Curitiba, 2010.

SANTOS, M. R.; RUBIO, J. A. S. Autonomia e a Educação Infantil. Revista Saberes da Educação. v. 5, n.1, p. 1-20, Jul. 2014. Disponível em: Acesso em: Acesso em: 07 Set. 2014.

SILVA FILHO, R. L. L.; MOTEJUNAS, P. R.; HIPOLITO, O.; LOBO, MBCM. A evasão no ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 641-659, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-309

Refbacks

  • There are currently no refbacks.