Avaliação microbiológica de carne de frango comercializadas no município de Castanhal, Pará / Microbiological evaluation of chicken meat sold in the municipality of Castanhal, Pará

Camila Nayara Monteiro Pimentel, Talita Mayara da Costa Godot, Elaine Lopes Figueiredo

Abstract


Nos últimos anos a carne de frango vem assumindo um papel relevante na alimentação humana, pois além de ser um alimento com grande riqueza nutricional, ainda é de baixo custo. Dessa forma, torna-se importante a investigação de sua qualidade microbiológica. Objetivou-se no presente estudo avaliar a situação microbiológica da carne de frango comercializada em Castanhal, Pará. Para a realização deste trabalho, foram coletadas amostras de carne de frangos “in natura” adquiridas em três estabelecimentos (codificados como A, B e C) localizados em feiras livres do município de Castanhal-PA. De cada estabelecimento, foram coletadas 2 amostras, totalizando assim 6 amostras. Estas foram analisadas seguindo metodologias descritas no Compendium of Methods fot the Microbiological Examination of Foods. As análises realizadas foram: Coliformes Totais, Coliformes Termotolerantes, e pesquisa de Salmonella spp. De acordo com os resultados microbiológicos, pode-se verificar que todas as seis amostras apresentaram contaminação por Coliformes Totais, com níveis que variaram de 150 NMP/g a > 1.100 NMP/g. Embora a legislação não determine limites máximos e mínimos para este grupo microbiano, sua detecção se faz necessário, uma vez que o mesmo está relacionado à qualidade higiênico-sanitária dos alimentos. No que se refere às análises de Coliformes Termotolerantes, 4 amostras (66,66 %) dos estabelecimentos A e C apresentaram contaminação por este grupo microbiano, com níveis variando de 150 a 1.100 NMP/g, dentro dos padrões estabelecidos pela resolução vigente, a qual determina que carnes resfriadas ou congeladas, "in natura", de aves (carcaças inteiras, fracionadas ou cortes) deve apresentar níveis de até 104 NMP/g. Não foi detectada contaminação por Salmonella ssp. em nenhuma amostra avaliada. Com base nos resultados obtidos e com­parando-os com os parâmetros estabelecidos na resolução brasileira pode-se constatar que apesar da contaminação por Coliformes Totais e Coliformes Termotolerantes em 4 amostras, todas as amostras encontravam-se em conformidade com a resolução vigente, se encontrando apta para consumo.

 

 

 


Keywords


ave, qualidade, micro-organismos.

References


MIELE, M.; GIROTTO, A. F. Análise da situação atual e perspectivas da avicultura de corte. Rev Ave World. 2005 Mar; 14(3):18-22.

Pereira AS, Carmo Filho JR, Tognim MCB, Sader HS. Avaliação da aucácia de testes laboratoriais para detecção de amostras de Klebsiella pneumoniae produtora de betalactamase de espectro estendido. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 2003 Mai; 39(4):301-308.

Wiersbitzki TS. Frango de corte: uma análise do mercado brasileiro de 2006 a 2015 [trabalho de conclusão de curso] Ijuí (RS): Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul; 2017. 11 p.

Velho ALMCS, Abrantes MR, Medeiros JMS, Aguiar KCS, Sousa ÊS, Soares KMP, Silva JBA. Avaliação qualitativa da carne bovina in natura comercializado em Mossoró-RN. Rev Acta Veterinaria Brasílica. 2015; 9(3):212-217.

Oliveira AVB; Silva RA, Araújo AS; Brandão PA; Silva FB. Padrões microbiológicos da carne de frango de corte- referencial teórico. Revista Verde; 2011 Set; 6(3):01-16.

Bíscola, V. Interações entre bactérias láticas produtoras de bacteriocinas e a microbiota autóctone de charque [tese]. São Paulo (SP): Faculdade de Ciências Farmacêuticas; 2011. 91 p.

Welker CAD, Both JMC, Longara SM, Haas S, Soeir 0MLT, Ramos RC. Análise microbiológica dos alimentos envolvidos em surtos de doenças transmitidas por alimentos (DTA) ocorridos no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociências; 2010 Mar; 8(1):44-48.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Diário Oficial da União. 02 jan 2001

Cardoso ALSP, Castro AG M, Tessari ENC, Baldassi L, Pineiro ES. Pesquisa de Salmonella spp coliformes totais, coliformes fecais, mesófilos, em carcaças e cortes de frango. Higiene Alimentar; 2005; 19(128):144-150.

Carvalho ACFB, Cortez ALL. Salmonella sp. em carcaças, carne mecanicamente separada, lingüiças e cortes comerciais de frango. Ciência Rural. 2005; 35(6):1465-1468.

Jay JM. Microbiologia de Alimentos. 6 ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

Ross T, Nichols D. Ecology of bacteria and fungi in foods. Influence of tem-perature. Encyclopedia of food microbiology. Bath: Academic Press. 1. pp.2000

Koneman EW, Allen SD, Janda WM, Schreckenberger PC, Winn Júnior HC. Diagnóstico Microbiológico. Rio de Janeiro: Medsi. 2001. 1465 p.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001. Regulamento técnico sobre os padrões microbiológicos para alimentos.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 20, de 21 de outubro de 2016. Estabelece o controle e o monitoramento de Salmonella spp. nos estabelecimentos avícolas comerciais de frangos e perus de corte e nos estabelecimentos de abate de frangos, galinhas, perus de corte e reprodução, registrados no Serviço de Inspeção Federal (SIF), com objetivo de reduzir a prevalência desse agente e estabelecer um nível adequado de proteção ao consumidor. Diário Oficial da União. Brasília de 25 out. 2016. Seção 1, p.13.

BONI, H. F. K.; CARRIJO, A. S.; FASCINA, V. B. Ocorrência de Salmonella spp. em aviários e abatedouro de frangos de corte na região central de Mato Grosso do Sul. Rev. Bras. Saúde Prod. An., Salvador, v.12, n.1, p. 84-95. 2011. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2019.

CARDOSO, A. L. S. P.; CANASHIRO, A. M. I.; STOPPA G. F. Z.; CASTRO, A. G. M.; LUCIANO, R. L.; TESSARI, E. N. C. Ocorrência de salmonella spp. em carcaças de frango provenientes de abatedouros do estado de São Paulo, Brasil, no período de 2000 a 2010. Revista Científica De Medicina Veterinária. Ano 13, n. 24, Jan. 2015. ISSN: 1679-7353.

MENEZES, D. M.; LIMA, A. L.; PENA, E. C.; SILVA, G. R.; KLEIN, R.W.T; SILVA, C. A.; ASSIS, D. C. S.; FIGUEIREDO, T. C.; CANÇADO, S. V. Caracterização microbiológica de carcaças de frangos de corte produzidas no estado de Minas Gerais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária. Zootec., v.70, n.2, p.623-627, 2018.

MOURA FILHO L.G.M.; BEZERRA S.S.; BARROS G.C.; MELO H.G.M.; MENDES E.S. Perfil microbiológico da carne de frangos abatidos artesanalmente e na indústria, comercializados na grande Recife-PE. Medicina Veterinária. Mar. 2010; 4(1):12-17. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2019.

PACHECO, Denise Oliveira. Qualidade microbiológica da cadeia de carne de aves da região Sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Dissertação (Pós-Graduação em Nutrição e Alimentos) – Universidade Federal de Pelotas. Rio Grande do Sul, p. 113. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2019.

PENTEADO, Fernanda Rogenski; ESMERINO, Luís Antônio. Avaliação da qualidade microbiológica da carne de frango comercializada no município de Ponta Grossa – Paraná. UEPG Biol. Health Sci., Ponta Grossa, v.17, n.1, p. 37-45, jan./jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2019.

Referências devem ser de acordo com a NBR 6023 da ABNT, seguindo modelos abaixo:

SILVA, Ives Gandra da. Pena de morte para o nascituro. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 set. 1998. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 1998.

IBICT. Manual de normas de editoração do IBICT. 2. ed. Brasília, DF, 1993. 41 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-325