O fenômeno da violência contra a mulher no assentamento Mandacaru/Sumé-PB: uma análise sobre as múltiplas expressões e a rede de proteção/ The Phenomenon of Violence Against Women in the Mandacaru / Sumé-PB Settlement: An Analysis of eultiple expressions and the Safety Net

Maria do Livramento Mamede Bezerra, Josean da Silva Lima Junior, Valdonilson Barbosa dos Santos

Abstract


Esta pesquisa tem por objetivo desvendar o fenômeno da violência contra a mulher no contexto das comunidades rurais do munícipio de Sumé-PB, em suas múltiplas expressões, e a eficácia da rede de proteção a partir da perspectiva das mulheres rurais, gestores e profissionais que atuam no referido município. A pesquisa pode ser definida como qualitativa e descritiva. Para fins de análise, foram fontes de dados os áudios transcritos dos grupos focais a serem realizados em três Agrovilas do Assentamento Mandacaru/Sumé-PB, município que tem uma carência muito grande de estudos sobre as violências de gênero. Fez uma análise sobre essas violências, explorando o que as mulheres pensam e explicam sobre as práticas violentas de gênero, como simbolizam sua posição e papel no contexto familiar. Respondendo as seguintes questões: Existe rede de apoio institucional para as mulheres que sofrem violência conjugal nas comunidades rurais do município de Sumé estudadas? Qual a rede de proteção existente para a mulher rural em situação de violência doméstica e intrafamiliar? Qual o conhecimento e acesso à Lei Maria da Penha pelas mulheres rurais? Quais as violências sofridas pelas mulheres que vivem no meio rural? Dessa forma, obtiveram-se subsídios teóricos e práticos que vieram aprofundar o conhecimento e informações sobre a problemática social da violência contra a mulher em contexto rural que se constitui dentro de um vasto leque de situações que, por sua vez, implicam em subjetividades, valores e cultura, mas também em questões mais estruturais, a exemplo das condições de pobreza e desigualdades.


Keywords


Violência contra mulher, Rural, Rede de apoio.

References


AMARAL, Célia Chaves Gurgel do. Violência em Delegacias da Mulher no Nordeste. In.: CORRÊA, Mariza... [et al]. Gênero e Cidadania. Campinas, SP, PAGU/Núcleo de Estudos de Gênero – UNICAMP, 2002.

BECKER, Howard S. Métodos de pesquisas em ciências sociais. São Paulo: Hucitec, 1999.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Presidência da República. Rede de enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 Jan. 2015.

DEMO, Pedro. Metodologia cientifica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1995.

FLEISCHER, Soraya; OLIVEIRA, Guacira César, Lei Maria da Penha: papel para a vida, Goiás: Gráfica Brasil, 2019.

GOLDENBERG, Miriam. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 4ª Ed. – Rio de Janeiro: Record, 2000.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, Ribeirão Preto, v.12, n. 24, 2002. Disponível em: . Acesso em 29 Jan. 2015.

GREGORI, Maria Filomena. Cenas e queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo: ANPOCS, 1993.

GONDIM, Sônia Maria Guedes, Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos, Paidéia , p. 149-161.

HAGUETTE, Teresa Maria Frota. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MARCONI, M. de A; Lakatos, E. M. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação dos dados. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8ª. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.

____. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: DESLANDES, Suely et al. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

OLIVEIRA, Suely de. Nem homem gosta de bater, nem mulher de apanhar: fortalecendo a rede de proteção. In: CASTILLO, Martín Márcia; OLIVEIRA, Suely de (Org.). Marcadas a ferro: violência contra a mulher - uma visão multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as mulheres, 2005.

PERLONGHER, Néstor Osvaldo. O Negócio do Michê: a prostituição viril. São Paulo:

POUPART, Jean. A entrevista de tipo qualitativo: considerações epistemológicas, teóricas e metodológicas. In.: A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004.

____. Violência contra a mulher e violência doméstica. In.: BRUSCHINI, Cristina;

UNBEHAUM, Sandra G. (orgs.). Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo: FCC: Ed. 34, 2002.

____. Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo em Perspectiva. Revista da Fundação SEADE, v. 13, n.4, p.82-91, São Paulo, 1999.

____.. O poder do macho. São Paulo: Editora Perseu Abramo,1987.

SCOTT, Joan W. História das Mulheres. In: BURKE, Peter (Org.) A escrita da história. São Paulo: UNESP, 1991.

SOARES, Barbara Musumeci. Violência entre parceiros íntimos e criminalização da vida privada: onde nos leva esse caminho? In.: MORAES, Aparecida Fonseca; SORJ, Bila (Orgs.). Gênero, violência e direitos na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

SPM-PR,MJ/SENASP e UNODC, Norma técnica de padronização: das delegacias especializadas de atendimento ás mulheres – DEAMS, Brasília: Ministério da Justiça, 2010.

WACQUANT, Loïc. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: F. Bastos, 2001, Revan, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-333

Refbacks

  • There are currently no refbacks.