Perfil clínico de neonatos internados em uma Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal / Título abreviado: Perfil clínico de neonatos internados em uma UTIN

João Pedro V Dias, Marcela C Costa, Dirlene da S Sette, Luciana N Nobre

Abstract


Objetivo: Descrever o perfil de recém-nascidos internados em uma Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN) de um hospital público no interior de Minas Gerais. Métodos: Trata-se de um estudo transversal inédito realizado em uma cidade mineira na região do Vale do Jequitinhonha com neonatos retidos na UTIN e suas mães. Período de realização do estudo de outubro de 2016 a dezembro de 2018. Resultados: A amostra foi composta por 44 neonatos, com distribuição similar em relação ao sexo (46% do sexo feminino x 48% masculino). A maioria nasceu pré-termo (n=37; 84,1%) e com peso adequado para idade gestacional (n=35; 78,7%), grande parte, de parto normal (n=26; 59,1%), com valor de Apgar superior a 7 no 5º minuto de vida (n=36; 81,8%), e alimentados exclusivamente com leite materno (n=38; 86,4%) e por sonda (n=33; 75%). A principal causa de sua retenção na UTIN foi a síndrome respiratória (n=16; 36,4%) e o óbito ocorreu em (n=3; 6,8%) dos neonatos. Em relação às características gestacionais de suas mães, estas têm em média dois filhos, grande parte planejou a gestação atual (n=22; 52,5%), a maioria realizou mais de 6 consultas pré-natal (n=40, 50%), pelo Sistema Único de Saúde (n=33; 78,6%) e com clínico geral (n=16; 38,1%). Nenhuma relatou utilizar cigarro e drogas ilícitas na gestação. Conclusão: Observou-se que a prematuridade foi a principal causa de retenção dos neonatos na UTI sendo esta inversamente proporcional ao peso de nascimento dos bebês estudados.

 

 


Keywords


Prematuridade. Recém-Nascido de Baixo Peso. UTI Neonatal.

References


- Mucha F, Franco SC, Silva GAG. Frequência e características maternas e do recém-nascido associadas à internação de neonatos em UTI no município de Joinville, Santa Catarina - 2012. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. 2015, 15(2):201-208.

- Rodrigue VBM, Belham A. Perfil dos recém-nascidos admitidos na UTI neonatal do hospital Santo Antônio, Blumenau/SC, entre 2014-2016. ACM arq. catarin. Med. 2017; 46(4):43-49.

- World Health Organization [homepage da internet]. Preterm birt [acesso em 12 jul 2019]. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/preterm-birth

- Salge AKM, Vieira AVC, Aguiar AKA, Lobo SF, Xavier RM, Zatta LT, et al. Fatores maternos e neonatais associados à prematuridade. Rev. eletrônica enferm. 2009; 11(3):642-6.

- Howson CP, Kinney MV, McDougall L, Lawn JE. Born too soon: The global action report on preterm birth. Geneva: World Health Organization; 2012.

- Sistema Nacional de Nascidos Vivos [base de dados online]. Brasília: Departamento de Informática do SUS. 2017 [acessado em 20 março 2019].

- Oliveira CS, Casagrande GA, Greco LC, Golin MO. Perfil de recém-nascidos pré-termo internados na unidade de terapia intensiva de hospital de alta complexidade. Arq. bras. ciênc. Saúde. 2015; 40(1):28-32.

- Muniz EB, Vasconcelos BB, Pereira NA, Frota RG, Moraes CEB, Oliveira MAS. Análise do boletim de Apgar em dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos registrados em um hospital do interior do estado do Ceará, Brasil. Rev Med Saude Brasilia 2016; 5(2):182-91.

- Damian A, Waterkemper R, Paludo CA. Perfil de neonatos internados em unidade de tratamento intensivo neonatal: estudo transversal. Arq. Ciênc. Saúde. 2016; 2(23):100-105.

- Fonseca SC, Flores PVG, Camargo PR, Pinheiro RS, Coeli CM. Escolaridade e idade materna: desigualdades no óbito neonatal. Rev. Saúde Pública. 2017; 51:94.

- Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Assistência ao Recém-Nascido. Brasília: [Ministério da Saúde], 1994.

- Ministério da Saúde (Brasil). Portaria n° 570, de 1° de Junho de 2000. Estabelece o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Diário Oficial da União 1 de junho de 2000.

- Bonellie S, Chalmers J, Gray R, Greer I, Jarvis S, Williams C. Centile charts for birthweight for gestational age for Scottish singleton births. BMC Pregnancy Childbirth. 2008; 25:8-15.

- Pachu H, Viana L. Aleitamento materno em UTI neonatal. Rev. Nova Esperança. 2018; 16(2): 58-65.

- Santos RJD. Prematuridade no brasil: um estudo epidemiológico, no período de 2007 a 2016. Monografia [Graduação em Saúde Coletiva]. Universidade Federal de Pernambuco; 2018.

- Organização Mundial de Saúde. Declaração da OMS sobre taxas de cesáreas. Grupo científico da OMS, Genebra: 2015. (OMS. Informes Técnicos).

- Sousa NMV, Debs DHSL, Tibiletti CR, Gimenes CL, Melara DF, Santos CR, et al. Perfil das puérperas e neonatos assistidos em uma maternidade pública da região do Triângulo Mineiro. Revista Master. 2018; 3:5.

- Lima SS, Silva SM, Avila PES, Nicolau MV, Neves PFM. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil.Arq. Ciênc. Saúde. 2015; 40(2):62-68.

- World Health Organization/UNICEF: The global criteria for the Baby-Friendly Initiative. WHO/UNICEF; 1992.

- Pereira CRVR, Fonseca VM, Oliveira MIC, Souza IEO, Mello RR. Avaliação de fatores que interferem na amamentação na primeira hora de vida. Rev. bras. epidemiol. 2013; 16-2.

- Varaschini GB, Molz P, Pereira CS. Perfil nutricional de recém-nascidos prematuros internados em uma UTI e UCI neonatal. Cinergis 2015;16(1):05-08.

- Embleton ND, Wood C. Metabolic outcomes in very low birthweight and preterm infants in later life. J Pediatr. 2019;95(3):260-263.

- Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da Criança: Nutrição Infantil. Brasília: [Ministério da Saúde], 2009.

- Fujinaga CI, Moraes AS, Amorim NEZ, Castral TC, Silva AA, Scochi CGS. Validação clínica do Instrumento de Avaliação da Prontidão do Prematuro para Início da Alimentação Oral. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013;21(Spec):[06 telas].

- Ministério da Saúde. Gestante de alto risco: sistema estadual de referência hospitalar à gestante de alto risco. Brasília: [Ministério da Saúde], 2001.

- Lansky S, Friche AAL, Silva AAM, Campos D, Bittencourt SDA, Carvalho ML, et al. Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cad. Saúde Pública. 2014;30(Sup):S192-S207.

- Larqué E, Molina MS, Zamora S. Biological significance of dietary polyamines. Nutrition. 2007;23:87-95.

- Groer M, Duffy A, Morse S, Kane B, Zaritt J, Roberts S, Ashmeade T. Cytokines, Chemokines, and Growth Factors in Banked Human Donor Milk for Preterm Infants. J Hum Lact. 2014;30(3):317-323.

- Silveira MF, Victora CG, Barros AJD, Santos IS, Matijasevich A, Barros FC. Determinantes de nascimento pré-termo na coorte de nascimentos de 2004, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saude Publica. 2010;26(1):185-94.

- Sociedade Brasileira de Pediatria. Prevenção da prematuridade uma intervenção da gestão e da assistência. 2 de Nov 2017. n°2.

- Silva DF, Jesus EG, Peres LC. Assistência de enfermagem na unidade básica de saúde na doença hipertensiva específica na gestação. Reface. 2018; 2(2):1-11.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-356

Refbacks

  • There are currently no refbacks.