Autoavaliação na aprendizagem de programação introdutória: uma revisão sistemática da literatura / Self-assessment in introductory programming learning: a systematic literature review

Bárbara Gabriela Sousa da Silva, Laysa Mabel de Oliveira Fontes, Brígido Conrado de Brito Freitas

Abstract


O processo de aprendizagem de programação em cursos introdutórios é desafiador para alunos, professores e instituições de ensino, já que, devido a diversas dificuldades, os alunos tendem a evadir dos cursos por não se acharem capazes de aprender os conceitos de programação ou sentirem dificuldades durante seu aprendizado que não são supridas pelos professores. Diante desse contexto, este artigo busca, por meio de uma revisão sistemática da literatura, fazer um levantamento sobre o estado atual e as principais características da autoavaliação na aprendizagem de programação introdutória, para que os resultados levantados possam ser utilizados em contextos reais de sala de aula, com a finalidade de prover uma melhoria no processo de ensino e aprendizagem. O protocolo seguido, permitiu a busca de artigos em bases conhecidas na área de informática para educação, onde foram aplicados os critérios de inclusão e exclusão para posterior análise de qualidade e seleção final para leitura na íntegra desses estudos, para que assim, pudesse ser feita a extração dos dados que responderam às questões de pesquisa da obra. Os resultados apontam que nos últimos 5 anos: (i) a principal abordagem de autoavaliação utilizada foi o uso de feedback personalizado; (ii) a principal técnica utilizada foi o feedback; (iii) as principais limitações reportadas pelos autores foram limitações relacionadas à abordagem utilizada; (iv) dentre os benefícios, o que obteve mais relevância foi a melhoria na compreensão do conteúdo; (v) a abordagem de medição mais adotada foi a análise de performance; e (vi) as tecnologias que mais auxiliam no processo de autoavaliação, foram as ferramentas.


Keywords


aprendizagem, autoavaliação, programação introdutória.

References


Aureliano, V. C O. & Tedesco, P. C. A. R. (2012). Ensino-aprendizagem de Programação para Iniciantes: uma Revisão Sistemática da Literatura focada no SBIE e WIE. Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE), [S.l.]. ISSN 2316-6533. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2021. doi:http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2012.%p.

Azevedo, P. & Ferreira, M. J., (2014). "The use of response systems in the learning-teaching process", IX Iberian Conference on Information Systems and Technologies (CISTI). pp. 1-6, doi:10.1109/CISTI.2014.6877017.

Batista, S. S. D. S. & Freire, E.; Delgado, D. M. (2020). Cursos Superiores de Tecnologia no contexto da internacionalização e da expansão da Educação Profissional e Tecnológica. Série-Estudos, Campo Grande, v. 25, n. 54, p. 193-221. Disponível em: https://serieucdb.emnuvens.com.br/serie-estudos/article/view/1381/1105. Acesso em: 20 jul. 2021.

Bertelli, Y. & Gambarato, V. T. S. (2020). Importância Da Tecnologia Da Informação No Repensar Dos Negócios. In: Jornada Científica E Tecnológica Da Fatec De Botucatu, 9. São Paulo. Anais da 9ª Jornada Científica e Tecnológica da Fatec de Botucatu. São Paulo: Fatec de Botucatu. Disponível em: http://www.jornacitec.fatecbt.edu.br/index.php/IXJTC/IXJTC/paper/viewFile/2342/2879. Acesso em: 20 jul. 2021.

Brizola, J. & Fantin, N. (2016). Revisão da Literatura e Revisão Sistemática da Literatura. Revista de Educação do Vale do Arinos, Juara, v. 3, n. 2, p. 23-29. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/relva/article/download/1738/1630. Acesso em: 28 mai. 2021.

Capellato, P. & Vasconcelos, L. V. B., Ranieri, M. G. A., Sachs, D. (2020). Peer and self-evaluation using active teaching method. Research, Society and Development, v. 9, n. 7. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.3495. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/3495. Acesso em: 25 jul. 2021

Dermeval, D., Coelho, J. A. P. de M. & Bittencourt, Ig I. (2020). Mapeamento Sistemático e Revisão Sistemática da Literatura em Informática na Educação. In: JAQUES, Patrícia Augustin; SIQUEIRA; Sean; BITTENCOURT, Ig; PIMENTEL, Mariano. (Org.) Metodologia de Pesquisa Científica em Informática na Educação: Abordagem Quantitativa. Porto Alegre: SBC, 2020. (Série Metodologia de Pesquisa em Informática na Educação, v. 2) Disponível em: https://metodologia.ceie-br.org/livro-2.

Falbo, R. A. Mapeamento sistemático. (2015). 25 p. Disponível em: http://claudiaboeres.pbworks.com/w/file/fetch/133747116/Mapeamento%20Sistem%C3%A1tico%20-%20v1.0.pdf. Acesso em: 28 mai. 2021.

França, R. S. D. & Tedesco, P. C. D. A. R. (2014). Um modelo colaborativo para a aprendizagem do pensamento computacional aliado à autorregulação. In: III Congresso Brasileiro De Informática Na Educação (CBIE 2014), 2014, Dourados. Anais do XXV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2014). Dourados: Sociedade Brasileira de Computação, 2014. p. 1133-1142, Disponível em: https://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/3059. Acesso em: 19 jun. 2021.

França, R. & Tedesco, P. Caracterizando a pesquisa sobre autoavaliação na aprendizagem de programação para iniciantes. Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE), [S.l.], p. 549, out. 2015. ISSN 2316-6533. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2021. doi:http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2015.549.

Francisco, J. G. G. & Moraes, D. A. F. D. (2013). A Autoavaliação Como Ferramenta De Avaliação Formativa No Processo De Ensino e Aprendizagem. In: IV Seminário Internacional Sobre Profissionalização Docente, 2013, Curitiba. Anais do XI Congresso Nacional de Educação. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, 2013. p. 14969-14983, Disponível em: https://educere.bruc.com.br/CD2013/pdf/7225_4132.pdf. Acesso em: 20 jun. 2021.

Francisco, R., Ambrósio, A., Junior, C., & Fernandes, M. (2018). Juiz Online no ensino de CS1 - lições aprendidas e proposta de uma ferramenta. Revista Brasileira de Informática na Educação, 26(03), 163. doi:http://dx.doi.org/10.5753/rbie.2018.26.03.163

Giraffa, L. M. M & Moura, M. C. (2013) Evasão na Disciplina de Algoritmo e Programação: Um Estudo a Partir dos Fatores Intervenientes na Perspectiva do Aluno. In: III Conferencia Sobre El Abandono En La Educación Superior. 2013, Espanha, 2013. Disponível em: https://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/8684/2/EVASAO_NA_DISCIPLINA_DE_ALGORITMO_E_PROGRAMACAO_UM_ESTUDO_A_PARTIR_DOS_FATORES_INTERVENIENTES_NA_PERSPECTIVA_DO_ALUNO.pdf. Acesso em: 13 jun. 2021.

Holanda, W. D. D., Freire, L. D. P. & Coutinho, J. C. D. S. (2019). Estratégias de ensino-aprendizagem de programação introdutória no ensino superior: uma Revisão Sistemática da Literatura. Renote, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 527-536, jul. 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/95905/53908. Acesso em: 15 ago. 2021.

Kitchenham, B. & Charters, S. (2007) Guidelines for performing Systematic Literature Reviews in Software Engineering. EBSE Technical Report , Keele, p. 53, 9 Julho 2007. Disponível em: https://www.elsevier.com/__data/promis_misc/525444systematicreviewsguide.pdf. Acesso em: 26 mai. 2021.

Lopes, I. N. F. (2018). A Prática da Autoavaliação no Ensino Superior. Id on Line Rev. Mult. Psic, Juazeiro do Norte, v. 12, n. 39, 2018. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1033/0. Acesso em: 25 jul. 2021.

Marxreiter, V. L. F., Bresolin, G. G. & Freire, P. de S. (2021). Autoavaliação: um olhar de inovação para a avaliação da aprendizagem das novas gerações. P2P e Inovação, v. 7, n. 2, p. 46–62, 2021. DOI: 10.21721/p2p.2021v7n2.p46-62. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/5633. Acesso em: 28 jul. 2021.

Medeiros, R. P., Falcão, T. P. & Ramalho, G. L. (2020). Ensino e Aprendizagem de Introdução à Programação no Ensino Superior Brasileiro: Revisão Sistemática da Literatura. In: Workshop Sobre Educação Em Computação (WEI), 28. , 2020, Cuiabá. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020. p. 186-190. ISSN 2595-6175. DOI: https://doi.org/10.5753/wei.2020.11155.

Nunziati, G. (1990). Pour construire un dispositif d’évaluation formatrice. Cahiers Pédagogiques, 280. (pp. 47-62).

Ngai, G. et al. (2010). On the implementation of self-assessment in an introductory programming course. In: SIGCSE BULL, 2010, New York. Proceedings of the ACM SIGCSE Bulletin. New York: Association for Computing Machinery, 2010. v. 41, p. 85-89, Disponível em: https://dl.acm.org/doi/10.1145/1709424.1709453. Acesso em: 20 jun. 2021.

Pacheco, J. A. Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora, v. 22, 1996.

Paiva, V. M. A. D. S. Autoavaliação: uma proposta para a aprendizagem de língua inglesa no ensino médio. 2017. 174 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/bitstream/123456789/23495/1/VitoriaMariaAvelinoDaSilvaPaiva_TESE.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.

Pascoal, T. A., Brito, D. M. D. & Rêgo, T. G. D. (2015). Uma abordagem para a previsão de desempenho de alunos de Computação em disciplinas de programação. TISE, Santiago, v. 11, p. 454-458, dez. 2015. Trabalho apresentado no XX Congresso Internacional de Informática Educativa, Santiago, 2015. Disponível em: http://www.tise.cl/volumen11/TISE2015/454-458.pdf. Acesso em: 13 jun. 2021.

Petersen, K., Vakkalanka, S. & Kuzniarz, L. (2015). Guidelines for conducting systematic mapping studies in software engineering: An update. Information And Software Technology, [s.l.], v. 64, p.1-18, ago. 2015. Elsevier BV.

Pinto, N. B. (1998). O erro como estratégia didática no ensino da matemática elementar. Tese (Doutorado em Didática) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998. doi:10.11606/T.48.1998.tde-12022015-151819. Acesso em: 20 jun 2021.

Rezende, B. A. C. & Mesquita, V. D. S. (2017). O uso de gamificação no ensino: uma revisão sistemática da literatura. In: XVI Simpósio Brasileiro De Jogos e Entretenimento Digital, 2017, Curitiba. Proceedings of SBGames. Curitiba: Sociedade Brasileira de Computação, 2017. p. 1004-1007, Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2017/papers/CulturaShort/175052.pdf. Acesso em: 13 jun. 2021.

Rissi, P. S. & Luccas, S. (2019). Estudos A Respeito Das Práticas Avaliativas Formativas: Avaliação Em Fases, Avaliação Por Pares E Autoavaliação. Revista Conhecimento Online, [S. l.], v. 3, p. 115–129, 2019. DOI:10.25112/rco.v3i0.1830. Disponível em: https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistaconhecimentoonline/article/view/1830. Acesso em: 9 ago. 2021.

Santos, L. (2002) Auto-avaliação regulada: porquê, o quê e como? In: ABRANTES, P.; ARAÚJO, F. (Orgs.). Avaliação das Aprendizagens: das concepções às práticas. Lisboa: ME, 2002. p. 75-84, Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/4884. Acesso em: 20 jun 2021.

Schuster, M. E. (2008). Mercado de Trabalho de Tecnologia da Informação: O Perfil dos Profissionais Demandado. Orientador: Cinara Rosenfield. 2008. 59 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/17539/000718987.pdf?sequence. acesso em: 24 jun. 2021.

Silva, M. A. D. (2016). Autoavaliação: Uma Aliada No Processo De Construção Do Conhecimento Entre Alunos E Professores. Orientador: Dr. Marcos Jorge. 2016. 135 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Faculdade de Ciências, Programa De Pós-graduação Em Docência Para A Educação Básica, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/144616/silva_ma_me_bauru.pdf?sequence=4. Acesso em: 25 jul. 2021.

Silva, T., Medeiros, T., Medeiros, H., Lopes, R., & Aranha, E. (2015). Ensino-aprendizagem de programação: uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Informática na Educação, 23(01), 182. doi:http://dx.doi.org/10.5753/rbie.2015.23.01.182

Valadares, J. & Graça, M. (1998). Avaliando para melhorar a aprendizagem. Plátano Edições Técnicas.

Vieira, I. M. A. (2013). A autoavaliação como instrumento de regulação da aprendizagem. Orientador: Professora Doutora Lúcia Amante. 2013. 153 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Supervisão Pedagógica, Departamento de Educação e Ensino a Distância, Universidade Aberta, Lisboa, 2013. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1Y6GuVM6EeRmQ8AgJ_xAx7fTOma0I7bok/view Acesso em: 20 jun. 2021.

Vieira, D. B. M. M. (2017). Conselho de Cooperação Educativa: A Participação dos Alunos na Regulação dos Processos de Aprendizagem. Orientador: Professora Doutora Conceição Figueira . 2017. 168 f. Dissertação (Mestrado) - 1.º Ciclo do Ensino Básico e de Matemática e Ciências Naturais Escola Superior de Educação de Lisboa, Lisboa, 2017. Disponível em: https://repositorio.ipl.pt/bitstream/10400.21/8513/1/Relat%c3%b3rio%20Final_Daniela%20Vieira.pdf. Acesso em: 20 jul. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-001