Efeito residual do pó de basalto e enxofre elementar e resposta a doses de nitrogênio em cobertura na cultura da canola / Residual effect of basalt powder and elementary sulfur and response to nitrogen doses in coverage in canola culture

Natália Cardoso dos Santos, Maria do Carmo Lana, José Barbosa Duarte Junior, Rafael Felipe Weizenmann, Willian dos Reis

Abstract


Por ser uma espécie produtora de óleo e proteína, a canola é exigente em nutrientes como o nitrogênio e o enxofre. Assim, como o enfoque mais comum da fertilização do solo privilegia o uso de fertilizantes solúveis, faz-se necessária a busca por fontes alternativas de fornecimento de nutrientes que possam complementar a adubação desta cultura. Neste sentido, a rochagem é uma das opções disponíveis. Diante disto, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito residual do enxofre elementar e do pó de basalto, e definir a melhor dose da adubação nitrogenada em cobertura na cultura da canola. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados (DBC) com quatro repetições em esquema de parcelas subsubdivididas. As parcelas foram constituídas por três doses de N (80; 100 e 120 kg ha-1); as subparcelas pela presença ou ausência do efeito residual do pó de basalto (12 t ha-1) e as subsubparcelas pela presença ou ausência do efeito residual do S elementar (60 kg ha-1). As variáveis analisadas foram os teores de Ca, Mg, K, N e S no tecido foliar; a caracterização química do solo e os componentes de produção da cultura: grãos por síliqua, síliquas por planta, massa de mil grãos e produtividade. A utilização do pó de basalto apresentou efeito residual logo após um ano de aplicação com melhoria das características químicas do solo por meio do aumento do pH do solo, dos teores de K e P, do V% e da redução da acidez potencial do solo. A dose de 100 kg ha-1 de N proporcionou aumento do teor de N nas plantas de canola, enquanto as doses de 80 kg ha-1 e de 100 kg ha-1 proporcionaram aumento no número de grãos por síliqua das plantas de canola. A produtividade da cultura não foi afetada por nenhum dos fatores testados.


Keywords


remineralização do solo, adubação nitrogenada, adubação sulfatada, Brassica napus L. var. oleifera.

References


AGUILERA, J. G. et al. Influencia de dosis de polvo de basalto sobre cultivares de soya. Research Society and Development, v. 9, n. 7, 2020.

ALMEIDA, L. H. C. et al. Silício e disponibilidade e de fósforo no crescimento e desenvolvimento de mudas de café. Cultura Agronômica, v. 26, n. 2, p. 123-131, 2017.

ANDRADE, R. P. et al. Fontes, modo de aplicação e translocação de enxofre no desenvolvimento inicial do milho. Brazilian Journal of Development, v. 5, n. 12, p. 32019-32032, 2019.

ANGELOTTI-MENDONÇA, J. et al. Canola (Brassica napus L.). Piracicaba, São Paulo, Brasil: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – Divisão de Biblioteca, 2016. 35p.

AVICE, J. C.; ETIENNE, P. Leaf senescence and nitrogen remobilization efficiency in oilseed rape (Brassica napus L.). Journal of Experimental Botany, v. 65, n. 14, p. 3813-3824, 2014.

ASSOCIAÇÃO DOS MISTURADORES DE ADUBOS DO BRASIL (AMA BRASIL). Produção e Importação de Fertilizantes. 2019. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2020.

BERRY, P. M.; SPINK, J. H. A physiological analysis of oilseed rape yields: Past and future. Journal of Agricultural Science, v. 144, n. 5, p. 381-392, 2006.

ComexStat. Adubos ou fertilizantes químicos (exceto fertilizantes brutos). 2022. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2022.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO – CONAB. Acompanhamento da safra brasileira – grãos (Quarto levantamento – Safra 2018/19). n. 4, v. 6, 2019. Disponível em: . Acesso em: 21 mai. 2020.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO – CONAB. Acompanhamento da safra brasileira – grãos (Oitavo levantamento – Safra 2019/20). n. 8, v. 7, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2020.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO – CONAB. Acompanhamento da safra brasileira – grãos (Décimo segundo levantamento – Safra 2020/21). v. 8, n. 12, 2021. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2021.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO – CONAB. Acompanhamento da safra brasileira – grãos (Quarto levantamento – Safra 2021/22). v. 9, n. 4, 2022. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2022.

CORDEIRO, L. A.; REIS, M. S.; ALVARENGA, E. M. A cultura da canola. Viçosa, Minas Gerais, Brasil: Universidade Federal de Viçosa, 1999. 50p.

COSTA, A. C. T. et al. Comportamento de dois híbridos de canola cultivados em diferentes épocas na região oeste do Paraná. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 9, p. 72498-72510, 2020.

CUNHA, G. O. M.; ALMEIDA, J. A.; COELHO, C. M. M. Chemical compositon of soybean seeds subjetec to fertilization with rock dusts. Acta Scientiarum, v. 44, p. 1-17, 2020.

DOGAN, E. et al. Supplemental irrigation effect on canola yield componentes under semiarid climatic conditions. Agricultural Water Management, v. 98, n. 9, p. 1403-1408, 2011.

DUARTE, J. R. M. et al. Produtividade e qualidade de sementes de feijão em resposta a fertilizante mineral, biofertilizantes e pó de rocha. Revista Cultura Agronômica, v. 30, n. 1, p. 73-92, 2021.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

HOROWITZ, N.; MEURER, E. J. Oxidação do enxofre elementar em solos tropicais. Ciência Rural, v. 36, p. 822-828, 2006.

INSTITUTO NACIONAL DE METEREOLOGIA (INMET). Dados históricos anuais. 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2021.

KAEFER, J. E. et al. Produtividade de grãos e componentes de produção da canola de acordo com fontes e doses de nitrogênio. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 49, n. 4, p. 273-280, 2014.

KÄMPF, N.; CURI, N.; MARQUES, J. J. V – Intemperismo e ocorrência de minerais no ambiente do solo. In: MELHOR, V. F.; ALLEONI, L. R. F. Química e mineralogia do solo. Minas Gerais, Brasil: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, p. 336-379, 2009.

KORCHAGIN, J. et al. Atributos químicos de solos agrícolas submetidos à aplicação de pó de basalto hidrotermalizado e efeitos na produção vegetal. In: DONATO, M.; DUARTE, L. C. Gemas, joias e mineração: pesquisas aplicadas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: IGEO/UFRGS, p. 98-107, 2016.

KRUGER, C. A. M. B. et al. Arranjo de plantas na expressão dos componentes da produtividade de grãos de canola. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 46, n. 11, p. 1448-1453, 2011.

LANA, M. C. et al. Análise química de solo e tecido vegetal: metodologias analíticas. 2ed. Cascavel, Paraná, Brasil: Edunioeste, 2016. 153p.

LOPES, O. M. M.; COSTA, L. G.; LOPES-ASSAD, M. L. Solubilização de pó de basalto por meio de vinhaça: variação de pH e nutrientes disponíveis. Engenharia Ambiental, v. 10, n. 2, p. 175-188, 2013.

LUCAS, F.T. et al. Produtividade e qualidade de grãos de canola em função da adubação nitrogenada e sulfatada. Semina: Ciências Agrárias, v. 34, n. 6, p. 3205-3218, 2013.

MA, B. L. et al. Uptake and nutrient balance of nitrogen, sulfur, and boron for optimal canola production in eastern Canada. Journal of Plant Nutrition and Soil Science, v. 182, p. 252-264, 2019.

MARTINS, E. S. et al. Materiais silicáticos como fontes regionais de nutrientes e condicionadores de solos. In: FERNANDES, F. R.; LUZ, A. B.; CASTILHOS, Z. C. Agrominerais para o Brasil. Rio de Janeiro, Brasil: CETEM/MCT, p. 89-104, 2010.

MARTINS, J. C.; MARTINS, E. S.; REATTO, A. Revisão de intemperismo de micas. Planaltina, Distrito Federal, Brasil: Embrapa Cerrados, 2004. 48p.

MELGAREJO, M. A. et al. Características agronômicas e teor de canola em função da época de semeadura. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola, v. 18, n. 9, p. 934-938, 2014.

MELO, V. F. et al. Doses de basalto moído nas propriedades químicas de um Latossolo Amarelo distrófico da savana de Roraima. Acta Amazônica, v. 42, n. 2, p. 471-476, 2012.

NITSCHE, P. R. et al. Atlas Climático do Estado do Paraná. Londrina, Paraná, Brasil: IAPAR, 2019. 216p.

NUNES, J. M. G.; KAUTZMANN, R. M.; OLIVEIRA, C. Evaluation of the natural fertilizing potential of basalt dust wastes from the mining district of Nova Prata (Brazil). Journal of Cleaner Production, v. 84, n. 1, p. 649-656, 2014.

OLIVEIRA, R. J. et al. Oxidação de enxofre elementar e diferentes fontes e doses de fertilizantes. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 5, p. 27735-27745, 2020.

POZZA, A. A. A. et al. Competitive retention and desorption of inorganic anions on natural soil gibbsite. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, p. 1627-1633, 2007.

PUHL, R. W.; RASCHE-ALVAREZ, J. W. Manejo da adubação nitrogenada na cultura da canola. Revista de Agricultura Neotropical, v. 2, n. 1, p. 41-52, 2015.

SANTOS, H. G. et al. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5ed. Brasília, Distrito Federal, Brasil: Embrapa, 2018. 376p.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIÊNCIA DO SOLO. NÚCLEO ESTADUAL DO PARANÁ. Manual de Adubação e Calagem para o estado do Paraná. Curitiba, Paraná, Brasil: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo – Núcleo Estadual Paraná, 2017. 482p.

SOUZA, M. D. B.; FONTANETTI, A.; LOPES-ASSAD, M. L. R. C. Efeito de remineralizador, vinhaça e plantas de cobertura nos atributos químicos do solo. Revista Ciência, Tecnologia e Ambiente, v. 5, n. 1, p. 1-7, 2017.

THEODORO, S. H. et al. Rochas basálticas para rejuvenescer solos intemperizados. Revista Liberato, v. 22, n. 37, p. 1-120, 2021.

TILMAN, D. et al. Forecasting agriculturally driven global environmental change. Science, v. 292, p. 281-284, 2001.

TOMM, G. O., et al. Tecnologia para produção de canola no Rio Grande do Sul. 2009. Embrapa Trigo: Documentos online 113. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2021.

VALLE, L. A. R. et al. Beneficial use of a by-produt from the phosphate fertilizer industry in tropical soils: effects on soil properties and maize and soybean growth. Journal of Cleaner Production, v. 112, n. 1, p. 113-120, 2016.

VITTI, G. C.; OTTO, R.; SAVIETTO, J. Manejo do enxofre na agricultura. Informações Agronômicas. Piracicaba, São Paulo, Brasil: International Plant Nutrition Institute, 2015. 28p.

WRITZL, T. C. et al. Produção de milho pipoca com uso de pó de rocha de basalto associado à cama de frango em Latossolo. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável, v. 9, n. 2, p. 101-109, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-007