Relações entre adição ao trabalho e a satisfação com a vida em docentes de nível superior / Relations between job addiction and life satisfaction among college professors

Luciana Karine Araújo de Oliveira, Regina Heloísa Mattei de Oliveira Maciel, Thalita Natasha Ferreira Damasceno

Abstract


O produtivismo acadêmico tem demandado do professor flexibilização no trabalho e sua intensificação, gerando sobrecarga, competições, individualismo, sofrimento psíquico e adoecimento. O presente trabalho tem como objetivo compreender as relações entre a adição ao trabalho e o nível de satisfação com a vida em docentes de nível superior, bem como com suas características sócio laborais. A pesquisa foi realizada em uma amostra por conveniência de docentes que atuavam em Instituições de Ensino Superior do Ceará, com experiência de pelo menos três anos em ensino superior e nível de titulação de pós-graduados. A amostra total foi composta por 270 docentes e o instrumento aplicado foi composto por três questionários: questões socio laborais; a escala Dutch Work Addiction Scale (DUWAS-10) e a Escala de Satisfação com a Vida (ESV). Os resultados mostraram que, com relação à adição ao trabalho, 30,4% dos docentes estudados apresenta TC e TE acima do ponto de corte nos dois fatores, indicando a existência de adição ao trabalho. Em relação à satisfação com a vida, a amostra apresentou um nível relativamente alto e essas duas variáveis se associam negativamente. Tais resultados apontam para um grupo com maior tendência a apresentar realidades em que trabalham muito, porém, não de forma compulsiva, o que permite o investimento em outras áreas da vida, favorecendo assim a satisfação com a vida.


Keywords


adição ao trabalho, docência, satisfação com a vida, saúde do trabalhador.

References


Andrade, R. S., Fernandes, R. S. P., & Bastos, A. V. B. (2013). Bem-estar subjetivo e comprometimento com a carreira: Examinando suas relações entre professores de ensino superior. Revista de Psicologia, 4(2), 47-60.

Azevedo, W. F., & Mathias, L. A. S. T. (2017). Adição ao trabalho e qualidade de vida: Um estudo com médicos. Einstein, 15(2), 130-135.

Balducci, C., Avanzi, L., Consiglio, C., Fraccaroli, F., & Schaufeli, W. (2015). A cross-national study on the psychometric quality of the Italian version of the Dutch Work Addiction Scale (DUWAS). European Journal of Psychological Assessment. DOI: http://10.1027/1015-5759/a000300

Bernardo, M. H. (2014). Produtivismo e precariedade subjetiva na universidade pública: O desgaste mental dos docentes. Revista Psicologia & Sociedade, 26 (spe.), 129-139.

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: Saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de Ensino Superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 81-100.

Borsoi, I. C. F., & Pereira, F. S. (2013). Professores do ensino público superior: Produtividade, produtivismo e adoecimento. Universitas Psychologica, 12(4), 1213-1235.

Carlotto, M. S. (2011). Adição ao trabalho e relação com fatores de riscos sociodemográficos, laborais e psicossociais. Psico USF, 16(1), 87-95.

Carlotto, M. S., & Miralles, M. D. L. (2010). Tradução, adaptação e exploração de propriedades psicométricas da Escala de Adição ao Trabalho - Dutch Work Addiction Scale (DUWAS). Contextos Clínicos, 3(2), 141-150.

Chaves, S. S. S., & Fonseca, P. N. (2006). Trabalho docente: Que aspectos sociodemográficos e ocupacionais predizem o bem-estar subjetivo? Psico, 37(1), 75-81.

Del Líbano, M., Salanova, M., & Schaufeli, W. (2010). Validity of a brief workaholism scale. Psicothema-Revista de Psicologia, 22(1), 143-150.

Diener, E. D., Emmons, R. A., Larsen, R. J., & Griffin, S. (1985). The satisfaction with life scale. Journal of personality assessment, 49(1), 71-75. http://dx.doi.org/10.1207/s15327752jpa4901_13

Hutz, C. S., & Giacomoni, C. H. (1997). A mensuração do Bem-Estar Subjetivo: Escala de Afeto Positivo e Negativo e Escala de Satisfação de Vida [Resumo]. In Trabalho apresentado na XXVI Congresso Interamericano de Psicologia, São Paulo: SP.

Gomes, A. P. R., & Quintão, S. D. R. (2011). Burnout, satisfação com a vida, depressão e carga horária em professores. Análise Psicológica, 29(2), 335-344.

Gouveia, V. V., Barbosa, G. A., Andrade, E. D. O., & Carneiro, M. B. (2005). Medindo a satisfação com a vida dos médicos no Brasil. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 54(4), 298-305.

Lima, M. D. F. E. M., & Lima-Filho, D. O. (2009). Condições de trabalho e saúde do/a professor/a universitário/a. Ciências & Cognição, 14(3), 62-82.

Lopes, A. L. S. (2012). Adaptação e validação da escala de dependência de trabalho à população portuguesa. Dissertação de Mestrado, Universidade do Algarve. Recuperado de https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/7809/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20de%20mestrado2012.pdf

Lopes, M., & Cavaignac, M. (2013). O trabalho docente no contexto da reestruturação produtiva: Peculiaridades do âmbito privado. In IV Seminário CETROS. Fortaleza: UECE. Recuperado de http://www.uece.br/eventos/seminariocetros/anais/trabalhos_completos/69-12783-08072013-174408.pdf

Mendonça, H., & Sousa, I. F. (2009). Burnout em professores universitários: Impacto de percepções de justiça e comprometimento afetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25(4), 499-508.

Oliveira, G. F., Barbosa, G. A., Souza, L. E. C., Costa, C. L. P., Araújo, R. D. C. R., & Gouveia, V. V. (2009). Satisfação com a vida entre profissionais da saúde: Correlatos demográficos e laborais. Revista Bioética, 17(2), 319-334.

Oliveira, M. G. M., & Cardoso, C. L. (2011). Stress e trabalho docente na área de saúde. Estudos de Psicologia, 28(2), 135-141.

Pinheiro, L. R. S., & Carlotto, M. S. (2016). Relações entre a satisfação com a vida e adição ao trabalho. Quadernos de Psicologia, 18(2), 97-105.

Santos, A. A., & Sobrinho, C. L. N. (2011). Revisão sistemática da prevalência da síndrome de burnout em professores do ensino fundamental e médio. Revista Baiana de Saúde Pública, 35(2), 299-319.

Santos, S. D. M. (2012). A precarização do trabalho docente no Ensino Superior: dos impasses às possibilidades de mudanças. Educar em Revista, 28(46), 229-244.

Sousa, L. B., Mónico, L. D. S. M., & Castro, F. V. (2012). Workaholic ou worklover? A importância da inteligência emocional. INFAD Revista de Psicologia, 1(4), 157-166.

Stefaniczen, J., Stefano, S. R., & Machado, R. D. O. (2013). Workaholic: Um novo modelo de comportamento nas organizações. Revista Ciências Sociais em Perspectiva, 12(13), 1-15.

Vazquez, A. C. S., De Freitas, C. P. P., Cyrre, A., Hutz, C. S., & Schaufeli, W. B. (2018). Evidências de Validade da Versão Brasileira da Escala de Workaholism (DUWAS-16) e sua versão breve (DUWAS-10). Avaliação Psicológica, 17(1), 69-78.

Zandoná, C., Cabral, F. B., & Sulzbach, C. C. (2014). Produtivismo acadêmico, prazer e sofrimento: Um estudo bibliográfico. Perpectiva, Erechim,144(38), 121-130. Recuperado de http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/144_457.pdf




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-028