Boas práticas relacionadas à variável raça/cor na casa de parto do Rio de Janeiro / Good practices related to the variable race/color in the birth center in Rio de Janeiro

Camila Paiva Martins, Edymara Tatagiba Medina, Ricardo José Oliveira Mouta, Sandra Cristina de Souza Borges Silva

Abstract


A população não branca é mais exposta a agravos, além de possuir maior chance de sofrer violência obstétrica. O estudo tem como objetivo comparar as boas práticas prestadas à mulher no trabalho de parto relacionado à variável raça/cor em uma Casa de Parto. Se trata de um estudo transversal, analítico. Teve como população analisada puérperas com partos normais entre 2004 e 2013, na Casa de Parto. Para coleta de dados, os registros dos prontuários foram sistematizados por meio de formulário eletrônico. Realizada análise bivariada e por modelos de regressão logística multivariada para calcular as razões de chance e intervalo de confiança de 95%. Como resultados, as mulheres não brancas tiveram maior chance de receberem boas práticas como aromas, música e banho. Ademais, apresentaram menor chance de lesão perineal e parirem em posição litotômica. Os resultados neonatais evidenciaram mais chance de asfixia e aspiração de vias aéreas. Não houve distinção do cuidado relacionado à variável raça/cor. O parto assistido pela enfermagem obstétrica na Casa de Parto diminui as chances de intervenções desnecessárias.


Keywords


enfermagem obstétrica, centros de assistência à gravidez e ao parto, grupos étnicos, iniquidade social.

References


ALMEIDA, M. F. B., GUINSBRUG, R. Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/DiretrizesSBPReanimacaoRNMaior34semanas26jan2016.pdf

ALVARES, A. S. et al. Práticas obstétricas hospitalares e suas repercussões no bem-estar materno. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 54, e03606, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1980-220X2018039003606

ALVES, T. C. M. et al. Contribuições da Enfermagem Obstétrica para as boas práticas no trabalho de parto e parto vaginal. Enferm. em Foco, [S.I.], v. 10, n. 4, fev. 2020. ISSN 2357-707X. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/2210

BRASIL. Portaria nº. 985/1999 do Ministério da Saúde. Diário Oficial da União: Seção 1, 1999. Disponível em: https://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Portaria_985.pdf. 1999

BRASIL. Lei n. 11.108/2005. Diário Oficial da União, Brasília, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/lei/l11108.htm.

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_pre_natal_baixo_risco.pdf

BRASIL. Portaria nº. 11/2015 do Ministério da Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2015. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt0011_07_01_2015.html.

DINIZ, C. S. G. et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, v.30, n.1, p.S140-S153, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00127013

D'ORSI, E., et al . Qualidade da atenção ao parto em maternidades do Rio de Janeiro. Rev Saúde Pública, v.39, n.4, p. 646-54, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000400020

GUIMARÃES, J. C. N.; RODRIGUES. A.; SANTOS, A. F. “Foi medo, não foi coragem”: iniquidades raciais na assistência obstétrica. Research, Society and Development, v. 9, n.12, 2020. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/10918

GUIMARÃES, N. N. A.; SILVA, L. S. R.; MATOS, D. P.; DOUBERIN, C. A. Análise de fatores associados à prática da episiotomia. Rev Enferm UFPE Online, v.12, n. 4, p.1046-53, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i4a231010p1046-1053-2018

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População estimada. Brasília: IBGE 2019. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?view=municipio

LEAL, M. C.; GAMA, S. G. N. Nascer no Brasil: inquérito nacional sobre parto e nascimento. ENSP/Fiocruz, 2012. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/arquivos/anexos/nascerweb.pdf

LEAL, M. C.; GAMA, S. G. N.; PEREIRA, A. P. E.; PACHECO, V. E.; CARMO, C. N.; SANTOS, R. V. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cad. Saúde Pública, v.33, n.1, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00078816

LEAL, M. C. et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública, v. 30, n.1, p.17-32, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00151513

LOWY, I. A casa de parto como local de nascimento: contextualização da casa de parto do Rio de Janeiro. Hist. Cienc. Saúde-Manguinhos, v.25, n.4, p.1161-1169, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702018000500014

MASCARENHAS, V. H. A. et al. Evidências científicas sobre métodos não farmacológicos para alívio a dor do parto. Acta Paul Enferm, v.32, n.3, p.350-357, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201900048

MENDES, D. S. et al. Benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem. J. Health NPEPS , v.4, n.1, p.302-318, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.30681/252610103452

MORAES, B. A.; GONÇALVES, A. C.; STRADA, J. K. R.; GOUVEIA, H. G. Fatores associados à interrupção do aleitamento materno exclusivo em lactentes com até 30 dias. Rev. Gaúcha Enferm, v.37, n.1, p.1-10, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.esp.2016-0044

MOREIRA, M. E. L.et al. Prática de atenção hospitalar ao recém-nascido saudável no Brasil. Cad. Saúde Pública, v.30, n.1, p.128-139, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00145213

NORONHA, J. C.; LIMA, L. D.; MACHADO, C. V. (org.) O Sistema Único de Saúde – SUS. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil. 1. ed. Fiocruz, 2008. p. 435-472.

OLIVEIRA, T. C. M. Avaliação da assistência materna e neonatal em Casa de Parto. 2017. 92p. Dissertação de Mestrado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/11421

ONU - Organização das Nações Unidas. Negros têm maior incidência de problemas de saúde evitáveis no Brasil. ONU, 2018. Disponível em: https://nacoesunidas.org/negros-tem-maior-incidencia-de-problemas-de-saude-evitaveis-no-brasil-alerta-onu/

OMS - Organização Mundial da Saúde. Assistência ao parto normal: um guia prático. Brasília, Brasil. OMS, 1996. Disponível em:

PACHECO, V. C.; SILVA, J. C.; MARIUSSI, A. P.; LIMA, M. R.; SILVA, T. R. As influências da raça/cor nos desfechos obstétricos e neonatais desfavoráveis. Rev. Saúde Debate, v.42, n.116, p.125-137, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-1104201811610

PEREIRA, A. L. F.; NICÁCIO, M. C. A escolha pelo atendimento em casa de parto e avaliação do cuidado pré-natal. Rev. Enferm UFSM, v.4, n.3, p.546-555, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5902/2179769213268

PEREIRA, A. L. F.; AZEVEDO, L. G. F.; MEDINA, E. T.; LIMA, T. R. L.; SCHROETER, M. S. Assistência materna e neonatal na Casa de Parto David Capistrano Filho, Rio de Janeiro, Brasil. R Pesq Cuid Fundam [online], v.4, n.2, p.2905-13, 2012. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1659/pdf_512.

PEREIRA, P. S. L. et al. Tecnologias não invasivas de cuidado: percepção das puérperas. Rev. Enferm UFPE [online], v.12, n.8, p.2129-36, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i8a236584p2129-2136-2018

REIS, C. S. C.; SOUZA, D. O. M.; NOGUEIRA, M. F. H.; PROGIANTI, J. M.; VARGENS, O. M. C. Análise de partos acompanhados por enfermeiras obstétricas na perspectiva da humanização do parto e nascimento. R Pesq Cuid Fundam [online], v.8, n.4, p.4972-4979, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i4.4972-4979

ROCHA, B. D.; ZAMBERLAN, C.; PIVETTA, H. M. F.; SANTOS, B. Z.; ANTUNES, B. S. Posições verticalizadas no parto e a prevenção de lacerações perineais: revisão sistemática e metanálise. Rev. esc. enferm. USP, v.54, n.1, p.1-11, 2020. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2018027503610

SEIBERT, S. L.; GOMES, M. L.; VARGENS, O. M. C. Assistência pré-natal da Casa de Parto do Rio de Janeiro: A visão de suas usuárias. Esc. Anna Nery, v.12, n.4, p.758-764, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-81452008000400021

SILVA, C. A.; LARA, S. R. G. Uso do banho de aspersão associado à bola suíça como método de alívio da dor na fase ativa do trabalho de parto. Br JP, v.1, n.2, p.167-170, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.5935/2595-0118.20180032

SILVA, D. C.; RODRIGUES, A. R. G.; PIMENTA, C. J. L.; LEITE, E. S. Perspectiva das puérperas sobre a assistência de enfermagem humanizada no parto normal. REBES, v.5, n.2, p.50-6, 2015. Disponível em: https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/3660/3317.

SIQUEIRA, Y. M. A.; GRADIM, C. V. C. Acolhimento na assistência em centros de parto: revisão integrativa. Rev. Enferm. UFPE [online], v.11, n.3, p.1513-9, mar 2017. Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i3a13996p1513-1519-2017.

SOUSA, C. M. F.; SILVA, M. A. M.; SOUSA, A. J. C.; NOUR, G. F. A.; MOREIRA, A. C. A. Percepção dos pais sobre sua participação no parto e nascimento. Enferm. Foco, v.11, n.4, p.29-34, 2020. Disponível em: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/3378.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-030