Atividades experienciais: uma metodologia de ensino utilizada no curso de graduação em administração em uma universidade comunitária / Experiential activities: a teaching methodology used in the undergraduate course in administration at a community university

James Antonio Antonini, Odilon Luiz Poli

Abstract


O objetivo deste estudo foi analisar as características de uma metodologia utilizada no curso de Administração de uma universidade comunitária, conhecida como educação experiencial e seus impactos na formação de competências. A educação experiencial, inicialmente desenvolvida como atividade de extensão universitária, a partir de 2002, passou a fazer parte do currículo do curso, sendo oferecida a todos os estudantes. Trata-se de uma pesquisa descritiva, com enfoque qualitativo, que teve como instrumento de coleta de dados entrevistas estruturadas para uma amostra intencional envolvendo a atual coordenadora do curso de Administração, uma ex-coordenadora, três professores e cinco egressos. O estudo traz dados da percepção dos estudantes e professores acerca de diversos quesitos relacionados à educação experiencial, aprendizados, benefícios e realização profissional e pessoal. O estudo revelou que a percepção dos professores e estudantes sobre a importância e a eficácia da metodologia em tela é bastante satisfatória. As atividades desenvolvidas despertaram nos participantes sensações únicas, bem como o desejo de desenvolver habilidades comportamentais para liderar processos, trabalhar em equipe e tomar decisões com mais segurança, mesmo que, por vezes, experimentem a sensação de medo ao desenvolver as tarefas. As atividades foram desenvolvidas fora da sala de aula, integrando corpo e natureza, criando sinergia e aproximando os participantes. Diversos participantes afirmaram que o comportamento da turma se modificou, sensivelmente, após as atividades, com destaque para o maior comprometimento com o curso e com a turma, melhoria da comunicação, crescimento das relações de amizade e melhoria do clima no interior da turma.


Keywords


educação experiencial, liderança, trabalho em equipe, formação de competências, curso de administração.

References


BAKER, A.; JENSEN, P.; KOLB, D. Conversational Learning: An Approach to Knowledge Creation. Wesport: Quorum, 2002.

BEHRENS, M. A. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes, 2013.

BEUREN, Ilse Maria. Como elaborar trabalhos monográficos em Contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

BRAGA, A.; GENRO, M. E.; LEITE, D. Universidade futurante: inovações entre as certezas do passado e incertezas do futuro. In: LEITE, D.; MOROSINI, M. (Org.). Universidade futurante. Campinas: Papirus, 1997.

BRESOLIN, G. G. et al. Metodologias ativas para desenvolvimento de competências na formação do engenheiro de produção. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 8., 2018, Ponta Grossa. Anais... Ponta Grossa: UTFPR, 2018. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2021.

CARDOSO, Ana Paula. Educação e Inovação. Millenium, Viseu, ano 2, n. 6, p. 1-9, 1997. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2021.

CAVALCANTI, R. A. Andragogia: a aprendizagem nos adultos. Revista de Clínica Cirúrgica da Paraíba, ano 4, n. 6, p. 1-9, jul. 1999. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2021.

CORBUCCI, P. R. Desafios da educação superior e desenvolvimento no Brasil. Brasília: IPEA, 2007. (Texto para Discussão, n. 1287). Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2021.

DEWEY, J. Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

DINSMORE, P. C. (Org.). TEAL, Treinamento Experiencial ao Ar Livre: uma revolução em educação empresarial – dicas de treinamento experiencial para revolucionar os negócios, cases de mudanças nas empresas, atividades experienciais ao ar livre, depoimentos marcantes. Rio de Janeiro: Editora SENAC Rio, 2004.

RINK, B. O espírito moderno do outdoor training. In: DINSMORE, P. C. (Org.). TEAL, Treinamento Experiencial ao Ar Livre: uma revolução em educação empresarial – dicas de treinamento experiencial para revolucionar os negócios, cases de mudanças nas empresas, atividades experienciais ao ar livre, depoimentos marcantes. Rio de Janeiro: Editora SENAC Rio, 2004.

FONSECA, G. da; KOERNER, S. Facilitação e aprendizagem auto-responsável. In: DINSMORE, P. C. (Org.). TEAL, Treinamento Experiencial ao Ar Livre: uma revolução em educação empresarial – dicas de treinamento experiencial para revolucionar os negócios, cases de mudanças nas empresas, atividades experienciais ao ar livre, depoimentos marcantes. Rio de Janeiro: Editora SENAC Rio, 2004.

FREIRE, P. S. et al. Universidade Corporativa em Rede: considerações iniciais para um novo modelo de educação corporativa. Espacios, Caracas, v. 37, n. 23, 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2021.

FREITAS, M. E. Prefácio. In: QUARTIERO, E. M.; BIANCHETTI, L. (Org.). Educação corporativa: mundo do trabalho e do conhecimento – aproximações. São Paulo: Cortez, 2005.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

KOLB, A. Y.; KOLB, D. A. Experiential Learning Theory as a Guide for Experiential Educators in Higher Education. ELTHE: A Journal For Engaged Educators, Kaunakakai, v. 1, n. 1, p. 7-44, 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2021.

KOLB, D. A. Experiential learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice Hall, 1984.

PRIEST, S.; GASS, M. A. Effective Leadership in Adventure Programming. Champaign: Human Kinetics, 1997.

LUCKNER, J. L.; NADLER, R. S. Processing the adventure experience: Theory and practive. Dubuque, Iowa: Kendall/Hunt. Publishing Company, 1992.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MARION, J. C.; MARION, A. L. C. Metodologia de ensino na área de negócios: cursos para administração, gestão, contabilidade e MBA. São Paulo: Atlas, 2006.

MARQUES, D. L. de S. Competências docentes na relação de ensino-aprendizagem com alunos da geração Z dos cursos de graduação em Administração. 2017. 72 f. Tese (Doutorado em Administração) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2021.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes, 2001.

MONTANA, P. J.; CHARNOV, B. H. Administração. São Paulo: Saraiva, 2003.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: MASETTO, M. (Org.). Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. São Paulo: Papirus, 2013. p. 11-73.

MORAN, J. M. Mudando a educação com metodologias ativas. In: SOUZA, C. A de; MORALES, O. E. T. (Org.). Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015. v. II.

NEVES, C. E. B. Desafios da educação superior. Sociologias, Porto Alegre, ano 9, n. 17, p. 14-21, jan./jun. 2007. Disponível em: . Acesso em: 8 jul. 2021.

NUNGUNO, A.M.;CAMEJO, F.L.P. Transformando a Pedagogia e a Didáctica do Ensino Superior para a promoção do desenvolvimento humano integral no século XXI. Brazilian Journal of Development. , Curitiba, v.7, n.10, p. 95562-95580 oct. 2021.

PEIXOTO, M. do C. de L.; SOUSA, J. V. de. Dossiê: expansão e desafios da qualidade na educação superior brasileira. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 32, n. 4, p. 15-18, out./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2021.

PRADO, G. M. B. C. do et al. Os espaços de aprendizagem utilizados no método da neoaprendizagem: um estudo de caso na academia sapientia. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON KNOWLEDGE MANAGEMENT, 15.; SEMINAR OF CORPORATE UNIVERSITIES AND GOVERNMENT SCHOOLS, 2., 2019, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2019. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2021.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On The Horizon, Bingley, v. 9, n. 5, p. 1-6, out. 2001. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2021.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2014.

SEEMILLER, C.; GRACE, M. Generation Z: Educating and Engaging the Next Generation of Students. About Campus, New York, v. 22, n. 3, p. 21-26, jul./ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2021.

SILVA, T. C.; FREIRE, P. S. Universidade corporativa em rede: Diretrizes que devem ser gerenciadas para a implantação do modelo. Espacios, Caracas, v. 38, n. 10, p. 13-35, 2017. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2021.

SOBRAL, F.; PECI, A. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2008.

SOUSA SANTOS, B. de. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Desafios e perspectivas da educação superior brasileira para a próxima década: 2011-2020. Brasília: UNESCO; CNE; MEC, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2021.

VITÓRIA, M. I. C. et al. Engajamento acadêmico: desafios para a permanência do estudante na Educação Superior. Educação, Porto Alegre, v. 41, n. 2, p. 262-269, maio/ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2021.

ZABALA, A. Enfoque globalizador e pensamento complexo: uma proposta para o currículo escolar. Porto Alegre: Artmed, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-045