(Sobre)Vivências em estágio supervisionado de língua portuguesa no ensino remoto / Survivals in supervised internship of portuguese language in remote teaching

Juliany Correia Gomes, Williany Miranda da Silva

Abstract


Este artigo questiona que percepções são decorrentes do Estágio Supervisionado por licenciandos em situação de Ensino Remoto Emergencial. O objetivo, que subsidia uma provável resposta, busca explicitar vivências de duas professoras em formação inicial decorrentes da intervenção em contexto de Ensino Remoto Emergencial (ERE). Para tanto, os fundamentos teóricos foram organizados de forma que contemplem a relação da LA com as pesquisas voltadas para a formação de professores; o diálogo com a teoria das competências e habilidades e considerações a respeito do Ensino Remoto Emergencial. A metodologia consiste em uma abordagem qualitativa, alinhando-se ao paradigma interpretativista, utilizando-se do instrumento entrevista semiestruturada e documento para a geração de dados. Por fim, a análise dos dados apresentou situações específicas do contexto de Ensino Remoto Emergencial e outras que não necessariamente foram desencadeadas dentro dessa modalidade. As experiências, provenientes do Estágio Supervisionado no contexto em destaque, apontam que os sujeitos, para sobreviverem a esse período, realizaram movimentos de colaboração, adaptação, redução e (in)validação como estratégias de assentamento destes estágios.


Keywords


ensino remoto, estágio supervisionado, formação docente.

References


BESSA, Valéria da Hora. Teorias da Aprendizagem. Curitiba: IESDE Brasil S.A., 2008.

BORGES, Cecília Maria Ferreira. Os saberes, a formação e os trabalhos dos docentes. In: O Professor da Educação Básica e seus Saberes Profissionais. Araraquara: JM Editora, 2004. p. 19-61.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 188, de 03 de fevereiro de 2020. Declara Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infecção Humana pelo Novo Coronavírus (2019-nCoV). Diário Oficial da União, ed. 24-A, seção 1, Brasília, DF, p. 1, 04 fev. 2020a.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição de aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Diário Oficial da União, ed. 53, seção 1, Brasília, DF, p. 39, 18 mar. 2020b.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro . Portaria nº 345, de 19 de março de 2020. Altera a Portaria MEC nº 343, de 17 de março de 2020. Diário Oficial da União, ed. 54 - D, seção 1, Brasília, DF, p. 1, 19 mar. 2020c.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria nº 356, de 20 de março de 2020. Dispõe sobre a atuação dos alunos dos cursos da área de saúde no combate à pandemia do COVID-19 (coronavírus). Diário Oficial da União, ed. 55 - B, seção 1, Brasília, DF, p. 1, 20 mar. 2020d.

BRASIL. Atos do Poder Executivo Medida Provisória nº 934, de 1 de abril de 2020. Estabelece normas excepcionais sobre o ano letivo da educação básica e do ensino superior decorrentes das medidas para enfrentamento da situação de emergência de saúde pública de que trata a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Diário Oficial da União, ed. 63 – A, seção 1, Brasília – DF, p. 1, 1 abr. 2020e.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Secretaria Executiva. Súmula do Parecer CNE/CP Nº 5/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de computo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Diário Oficial da União, ed. 83, seção 1, Brasília, DF, p. 63, 04 mai. 2020f.

BRASIL. Ministério da Educação. Gabinete do Ministro. Portaria nº 544, de 16 de junho de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais, enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19, e revoga as Portarias MEC nº 343, de 17 de março de 2020, nº 345, de 19 de março de 2020, e nº 473, de 12 de maio de 2020. Diário Oficial da União, ed. 114, seção 1, Brasília, DF, p. 62, 1 jun. 2020g.

DOLZ, J. OLLAGNIER, E. O enigma da Competência em Educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

GONÇALVES, Natália Kneipp Ribeiro; AVELINO, Wagner Feitosa. Estágio Supervisionado em educação no contexto da pandemia da COVID-19. Revista UFRR: Boletim de Conjuntura, Boa Vista, v. 4, n. 10, p. 41-53, 2020. Disponível em: https://revista.ufrr.br/boca/article/view/AvelinoGoncalves. Acesso em: 22 nov. 2020.

HODGES, C.; MOORE, S.; LOCKEE, B.; TRUST, T.; BOND, A. The difference between emergency remote teaching and online learning. EDUCAUSE Review. 2020. Disponível em: https://er.educause.edu/articles/2020/3/the-difference-between-emergency-remoteteaching-and-online-learning.Acesso em 22 de novembro de 2020.

KLEIMAN, A. B. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente: Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013, p. 39-58.

KLEIMAN, Angela; VIANNA, Carolina Assis Dias; GRANDE, Paula Baracat de. A Linguística Aplicada na contemporaneidade: uma narrativa de continuidades na transformação.. Calidoscópio, [S.L.], v. 17, n. 4, p. 724-742, 9 dez. 2019. UNISINOS - Universidade do Vale do Rio Dos Sinos. http://dx.doi.org/10.4013/cld.2019.174.04. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/cld.2019.174.04/60747423. Acesso em: 02 jun. 2021.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LÜDCKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MENDONÇA, Márcia. Aula de língua(s) no ensino emergencial remoto: práticas e percepções iniciais de professores. In: MENDONÇA, Márcia; ANDREATTA, Elaine; SCHLUDE, Victor (org.). Docência pandêmica: práticas de professores de língua(s) no ensino emergencial remoto. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. p. 40-76.

MILLER, I. K. Formação de professores de línguas: da eficiência a reflexão crítica e ética. In: MOITA LOPES, L. P (Org.) Linguística aplicada e modernidade recente. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 99-122.

MOITA LOPES, L. P. Introdução. Fotografias da Linguística Aplicada brasileira na modernidade recente: contextos escolares. In: ______. (Org.). Linguística Aplicada na Modernidade Recente: Festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013, p. 15-37.

MOREIRA, Herivelto; CALEFFE, Luiz Gonzaga. Metodologia da pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. Manual de pesquisa em estudos linguísticos. São Paulo: Parábola, 2019.

PERRENOUD, Phillipe et al. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

PEREIRA, Marcelo Almeida de Camargo. O ensino de competências e a graduação superior tecnológica: conceitos e associações. Educ.&Tecnol., Belo Horizonte, v. 8, n. 2, p. 9-23, maio/ago. 2013. Disponível em: https://periodicos.cefetmg.br/index.php/revista-et/article/download/578/491. Acesso em: 01 ago. 2021.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. – 8 ed. rev., atual. e ampl. - São Paulo: Cortez, 2017.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e docência: diferentes concepções. Poíesis, v. 3, n. 34, p.5-24, 2005.

REINALDO, Maria Augusta G. de Macedo. A orientação para produção de texto. In: DIONISIO, Angela Paiva; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Livro didático de português: múltiplos olhares [livro digital]. Campina Grande: Edufcg, 2020. p. 244.

REINALDO, Maria Augusta; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Do conceito de sequência didática ao de projeto didático de gênero no âmbito do ensino de português - língua materna. Letras, Santa Maria, v. 29, n. 58, p. 37-62, jan./jun. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/34773/pdf_1. Acesso em: 05 maio 2021.

RIBEIRO, Ana Elisa. Frestas e fissuras na relação educação, escola e TDIC. In: MENDONÇA, Márcia; ANDREATTA, Elaine; SCHLUDE, Victor (org.). Docência pandêmica: práticas de professores de língua(s) no ensino emergencial remoto. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021a. p. 26-39.

RIBEIRO, Ana Elisa. “Por que gosto da experiência do ensino remoto”, em Revista Ponte, v.1, n. 6, ago. 2021b. Disponível em: https://www.revistaponte.org/post/por-que-gosto-experiensino-remoto

SANT'ANA, Tatiana Fernandes. A (re)construção da identidade docente no percurso estagiária → professora iniciante de língua portuguesa. 2016. 304 f. Tese (Doutorado) - Linguística Aplicada, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa - PB, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/15536/1/Arquivototal.pdf. Acesso em: 12 out. 2020.

SILVA, G. B.; FELICETTI, V. L. Habilidades e competências na prática docente: perspectivas a partir de situações-problema. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 17-29, jan./jun. 2014

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 4. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-093