Os refugiados ambientais no antropoceno: constituição de identidades e interesses / The anthropocene and the environmental refugees: the constitution of identities and interests

Rafael Anderson Lemos Ramos, Jodival Mauricio da Costa, Ágata Abenassif Santos

Abstract


O Antropoceno diz respeito a um momento em que a estabilidade ambiental está sendo progressivamente perdida por conta da ação humana na natureza, e por isso a humanidade se tornou o principal vetor de mudanças no sistema planetário. Sob essa perspectiva, os impactos das mudanças climáticas na sociedade, especificamente na contemporânea, faz emergir um debate que envolve os chamados “Refugiados Ambientais”. Desta forma o objetivo desse trabalho é analisar a construção da política de poder sobre a temática dos Refugiados Ambientais no contexto do Antropoceno. Para isso, a análise será feita a partir da teoria construtivista das Relações Internacionais em um órgão consultivo intergorvenamental – a Nansen Initiative -, onde há a mútua construção agente-estrutura, contribuindo para o entendimento comum dos interesses dos atores envolvidos no processo e levando à possível construção de uma agenda internacional sobre a temática dos Refugiados Ambientais.


Keywords


refugiados ambientais, mudanças climáticas, construtivismo, nansen initiative.

References


ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA REFUGIADOS. Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados (1951). Disponível em: . Acesso em: 13 de agosto de 2019.

BALDWIN, A.; METHMANN, C.; ROTHE, D. Securitizing ‘climate refugees’: the futurology of climate-induced migration. Critical Studies on Security, v. 2, n. 2, p. 121-130, 2014.

BARNETT, J.; MATTHEW, R. A.; O'BRIEN, K. L. Global Environmental Change and Human Security: An Introduction. In: MATTHEW, R. A. et al. (Org.). Global environmental change and human security. Massachusetts: The MIT Press Cambridge, 2010.

BERCHIN, I. I. et al. Climate change and forced migrations: an effort towards recognizing climate refugees. Geoforum, v. 84, n. 3, p. 147-150, 2017.

BUZAN, B.; HANSEN, L. A evolução dos estudos de segurança internacional. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

CHECKEL, J. T. The constructivist turn in international relations theory. World Politics, v. 50, p. 324-348, 1998.

CLARO, C. A. B. A proteção dos “Refugiados Ambientais” no Direito Internacional. 2015. 328 f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

CLARO, C. A. B. Refugiados ambientais: mudanças climáticas, migrações internacionais e governança global. 2012. 114 F. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

COSTA, J.M; CUNHA, L; LIRA, E. Ecosystem Services and Climate Change Polices in the Amazon. Modern Environmental Science and Engineering. Volume 5, No. 2, February, 2019, p. 144-154. Disponível em: http://www.academicstar.us/UploadFile/Picture/2019-9/2019927193137554.pdf

COUTINHO, L. M. M. Migrantes ambientais: quem são e como juridicamente protegê-los? In: GALINDO, G. R. B. (Org.). Migrações, deslocamentos e direitos humanos. Brasília: IBDC, 2015.

FERREIRA, A. F; ARAÚJO NERY; T. J; PETILLO, A.C; SANTOS NETO, O.F. A proteção internacional dos migrantes ambientais e a lei 13.445/2017 – nova lei de migração brasileira.

Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.7, 2021. p. 71168-71180.

FRANCHINI, M.; VIOLA, E. BARROS-PLATIAU, A. F. The challenges of the Anthropocene: from international environmental politics to global governance. Ambiente & Sociedade, v. 20, n. 3, p. 177-202, 2017.

KIBREAD, G. Climate change and human migration: a tenuous relationship symposium. Fordham Environmental Law Review, v. 20, n. 2, p. 357-401, 2017.

LATOUR, B. Onde aterrar? Como se orientar politicamente no Antropoceno. Tradução Marcela Vieira. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020a.

LATOUR, B. Diante de Gaia: oito conferências sobre a natureza no Antropoceno. Tradução Maryalua Meyer. São Paulo/Rio de Janeiro: Ubu Editora/Ateliê de Humanidades Editorial, 2020b.

MCNAMARA, K. E.; GIBSON, C. ‘We do not want to leave our land’: Pacific ambassadors at the United Nations resist the category of ‘climate refugees’. Geoforum, v. 40, n. 2, p. 475-483, 2009.

MYERS, N. Environmental Refugees: a growing phenomenon of the 21st century. Royal Society, v. 357, n. 140, p. 609-613, 2002.

PEREIRA, J. C. Environmental issues and international relations, a new global (dis)order - the role of International Relations in promoting a concerted international system. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 58, n. 1, p. 191-209, 2015.

RAIOL, I. P. C. Ultrapassando fronteiras: a proteção jurídica dos Refugiados Ambientais. 2009. 314 f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

RAMOS, E. P. Refugiados Ambientais: em busca de reconhecimento pelo Direito Internacional. 2011. 150 f. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SILVA, T.F.M; MOURA, N.S. A proteção de pessoas deslocadas transfronteiriças no contexto de desastres e mudanças climáticas. In: Direitos Humanos em um mundo em transformação/organizador, Flávio Romero Guimarães. - Campina Grande: Realize eventos, 2020. p. 133-148.

THE NANSEN INITIATIVE. Towards a protection agenda for people displaced across borders in the context of disasters and the effects of climate change. Disponível em: . Acesso em: 02 de julho de 2019.

THOMAS, A.; BENJAMIN, L. Policies and mechanisms to address climate-indiced migration and displacement in Pacific and Caribbean small island developing states. International Journal of Climate Change Strategies and Management, v. 10, n. 1, p. 86-104, 2018.

VIOLA, E.; BASSO, L. O sistema internacional no Antropoceno. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 31, n. 92, p. 1-19, 2016.

WENDT, A. Anarchy is what states make of it: the social construction of power politics. International Organization, v. 46, n. 2, p. 391-425, 1992.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-097