A relação entre o patrimônio moderno e a arquitetura de memórias: um estudo de caso sobre a arquitetura memorial presente no mausoléu castelo branco em Fortaleza / The relationship between modern heritage and the architecture of memories: a case study on the memorial architecture present in the castelo branco mausoleum in Fortaleza

Lucas Guimarães, Mario Fundarò

Abstract


A questão patrimonial, após quase dois séculos de discussão, ainda se encontra repleta de mitos e incongruências no condizente à teoria e prática da salvaguarda de bens e à acessibilidade temática. Sabe-se também que o patrimônio demarca os alicerces memoriais da coletividade devendo servir à população a partir de sua capacidade socioeducativa, mas, na prática, isso muitas vezes não ocorre, acarretando na destituição da função sociocultural do bem. A questão do patrimônio moderno deixa ainda mais ambígua a discussão, promovendo debates polêmicos, desvinculando o objeto do valor histórico ou enquadrando o seu valor estético como equivocado. Nessa perspectiva, a escolha do objeto de estudo se deu a partir da análise do conjunto do Palácio da Abolição e do Mausoléu Castelo Branco em Fortaleza (CE), por ser um significativo marco para a cidade sob aspecto funcional e formal, abrigando a sede do governo estadual e compondo um ousado conjunto arquitetônico em um importante bairro fortalezense. No entanto, enxergando-a na perspectiva semiológica de sua arquitetura, apura-se que o Mausoléu homenageia o primeiro presidente do período ditatorial brasileiro, fazendo-se necessária, portanto, a suscitação de uma problematização relacionada ao patrimônio moderno e a sua função, sob a perspectiva da arquitetura de memórias.


Keywords


patrimônio cultural moderno, ditadura militar brasileira, arquitetura de memórias, mausoléu castelo branco.

References


BARDESCHI, Marco Dezzi. Oltre la conservazione: il progetto del nuovo per il costruito (Conservazione e cultura del progetto), ANANKE, n. 42, giugno 2004, pp. 82-85.

BENJAMIN, W. A obra de arte na época da sua reprodução mecanizada. Escola Superior de Teatro e Cinema, 2010.

CARSALADE, Flavio de Lemos. Patrimônio como construção cultural. In ZARCHETTI Silvio, et all (Org.), A Conservação do Patrimônio no Brasil - Teoria e Prática, Olinda: CECI, 2012, p 5-25.

CASTRO, Juliana. Inaugurado com pompa, Mausoléu Castello Branco recebe poucos visitantes. Disponível em: < https://oglobo.globo.com/brasil/inaugurado-com-pompa-mausoleu-castello-branco-recebe-poucos- visitantes-12056438>. Acesso em 20 maio 2021.

CEARÁ, Anuário do. BIG DATA Fortaleza. Disponível em: . Acesso em 21 maio 2021.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. UNESP, 2001.

CONCEIÇÃO, Flávio. A DITADURA CIVIL-MILITAR:CONDESCENDENCIAS, PERSEGUIÇÕES E INQUERITOS NO

ESTADO DO CEARA (1960-1970). História e Culturas, Ceará, v. 4, n.8, jul. –dez. 2016. Disponível em:. Acesso em 21 maio 2021.

FICO, Carlos. O Golpe de 1964: momentos decisivos. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014

FORTALEZA. Lei Complementar nº 0190, de 22 de dezembro de 2014. Dispõe sobre a proteção do patrimônio histórico-cultural e natural do município de fortaleza, por meio do tombamento ou registro, cria o Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio histórico-cultural (COMPHIC) e dá outras providências. Diário Oficial do Município: Fortaleza, Ceará, ano 2014, n º 13.787, anexo LXI, de 22/12/2014. Disponível em:

. Acesso em 02 abril 2021.

FRACALOSSI, Igor. Clássicos da Arquitetura: Palácio da Abolição / Sérgio Bernardes. Disponível em: . Acesso em 22 maio 2021

FUNDARO, Mario; SILVA, Rubens Alves.; RODRIGUES, Vanilza. Patrimônio cultural e a imaterialidade do material, Anais do Congresso Internacional ABA, 2015.

FUNDARO, Mario. Entre Veneza e Penedo: a imaterialidade do material, no livro Patrimônio, Informação e Mediações culturais, UFMG Editora, Belo Horizonte, 2020, pp 783-828

FUNDARO, Mario. Nada mais inútil que uma intervenção de restauro inútil, in Arquimemoria V, IAB.BA, 2017

HERCULANO, Daniel. Palácio da Abolição celebra cinquentenário. Disponível em:

. Acesso em 21 maio 2021.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Carta de Fortaleza. Fortaleza: 14 de novembro de 1997. Disponível em: . Acesso em 31 mar. 2021.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Patrimônio Cultural. Disponível em:

. Acesso em 31 mar. 2021. LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. O que é patrimônio histórico. Brasiliense, 2017.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Pensar grande o patrimônio cultural. Lua Nova, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 62-67, dez. 1986. Disponível em Disponível em:

. Acesso em 29 mar. 2021.

MARTINEZ, Vinício Carrilho. 1964: Tempos de Terror. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/26445/1964- tempos-de-terror#ixzz3qlDa9uaQ. Acesso em 27 maio 2021.

NOBRE, Leila. Bairro Meireles. Disponível em:

. Acesso em 22 maio 2021.

NOBRE, Leila. Humberto de Alencar Castello Branco - Primeiro Presidente do Regime Militar. Disponível em: . Acesso em 22 maio 2021.

PIRES, Maria Coeli Simões. A proteção do Patrimônio Cultural. Direito & Justiça. Disponível em:

. Acesso em 29 mar. 2021.

SECULT. Conjunto Palácio da Abolição e Mausoléu Castelo Branco. Disponível em:

%C3%A7%C3%A3o%20oficiais.>. Acesso em 21 maio 2021.

VIÑAS, S.Munoz., Teoria contemporânea da Restauração, UFMG Editora, Belo Horizonte 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-099