Desempenho visual e motor de lactentes acompanhados em um programa de seguimento de risco / Visual and motor performance of infants accompanied in a risk follow-up program

Mara Marusia Martins Sampaio Campos, Rebeca Alves de Souza, Kellen Yamille dos Santos Chaves, Karla Pimentel de Araújo, Adelina Braga Batista, Carina Santana de Freitas, Inês Cristina Pereira Potrichi, Lila Maria Mendonça Aguiar

Abstract


A prematuridade é reconhecida como um dos maiores determinantes de morbimortalidade neonatal global, de forma que o lactente prematuro necessita ser acompanhado após a alta hospitalar por uma unidade de seguimento ambulatorial de risco, a fim de prevenir ou tratar qualquer alteração em seu desenvolvimento neuropsicomotor. Avaliar o desempenho visual e motor de lactentes acompanhados em um programa de Follow up/seguimento de risco. Este estudo tratou-se de uma série de casos, realizada com 10 lactentes selecionados no ambulatório de Follow up/seguimento de risco da Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC), no período de janeiro de 2019 à janeiro de 2020. Os instrumentos utilizados foram: avaliação do desempenho visual e motor por meio do Roteiro de Avaliação da Conduta Visual em Lactentes e a Escala Motora Infantil de Alberta.  Na avaliação de desempenho visual, uma criança, no primeiro mês de vida, não pontuou apenas na prova de seguimento visual vertical. Todas apresentaram um desempenho motor normal. No segundo mês, o estudo condiz com o que é esperado para seu desenvolvimento visual normal. Uma não pontuou em três testes em razão de apresentar um pouco mais de uma semana de diferença do grupo do primeiro para o segundo mês. Uma criança não apresentou uma boa pontuação em seu desempenho visual, sendo isso informado a equipe da unidade de atendimento. A maioria apresentou desempenho motor normal; apenas uma com desempenho suspeito, o que é bastante esperado do prematuro. Presume-se que os bons níveis de desenvolvimento, se devam aos estímulos oriundos do programa e aos cuidados neuroprotetores durante a internação hospitalar. No entanto, necessita-se de estudos com amostra mais volumosa a fim de apresentar fielmente a relevância aqui encontrada.


Keywords


prematuro, fisioterapia, follow-up studies, visão desenvolvimento infantil.

References


ARAÚJO, M.C. Comportamento visual e o desenvolvimento motor de crianças prematuras, 2018.52f. Trabalho de Conclusão de Curso-Curso de Bacharelado em Terapia Ocupacional da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018.

BEZERRA, R.B. Avaliação da Função Visual de Recém-Nascidos Prematuros, 2021.58f. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL, Resolução CNS n° 466, 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n° 12, seção 1, p. 59, 13 jun. 2013.

CAMPOS, J. de O. et al. Avaliação do estado nutricional de recém-nascidos pré-termo em unidade de terapia intensiva neonatal. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 10, p.80007-80028, oct. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL - Exame de Resolução COFFITO-10. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, p. 5.265-8, 22 set. 1978, Seção 1, parte 2.

FERREIRA. A. P. A.; et al. Comportamento visual e desenvolvimento motor de recém-nascidos prematuros no primeiro mês de vida. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, 2011.

FREIRE, L. M. et al. Fatores associados à não adesão ao seguimento ambulatorial de egressos de terapia intensiva neonatal. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 52, 2018 .

FUCHS, F. et al. Effect of maternal age on the risk of preterm birth: A large cohort study. PloS one, v. 13, n. 1, 2018.

GAGLIARDO. H.G.R.G.; GONÇALVES. V. M. G.; LIMA. M. C. M. P. Método para avaliação da conduta visual de lactentes. Arquivos de Neuro-Psiquiatria São Paulo, 2004.

MENDONÇA JUNIOR, et al. A influência do método canguru no estado de humor e autoestima das mães de recém-nascidos prematuros. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.9, p. 88651-88666 sep. 2021

NUNES, T.T.G. et al. A implementação do ambulatório de risco de prematuros: as vivências do fisioterapeuta. Revista Experiência, Santa Maria, UFSM, v. 6, n.1, 2020.

OLIVEIRA. N. D. Prematuridade e crescimento fetal restrito. In: BORGES. W. G.; et al. Tratado de pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria. v.2, 4. ed, São Paulo: Manole, Cap. 1, p. 1209-1214, 2017.

PRÉ-NATAL, Secretaria de Estado de Saúde do Governo do Estado de Goiás, 2019. Disponível em < https://www.saude.go.gov.br/biblioteca/7637-pr%C3%A9-natal> Acesso em:06/04/2022.

RIBEIRO, J.F. et al. O prematuro em unidade de terapia intensiva neonatal: a assistência do enfermeiro. Revista de enfermagem UFPE on line, Recife, v.10, n.10,p:3833-41, out., 2016.

SÁ. F. E. et al. Intervenção parental melhora o desenvolvimento motor de lactentes de risco: série de casos. Fisioterapia e Pesquisa. V. 24, p.15-21. 2017.

SACCANI, R.; VALENTINI, N.C. Análise do desenvolvimento motor de crianças de zero a 18 meses de idade: representatividade dos ítens da Alberta Infant Motor Scale por faixa etária e postura. Revista Brasileira de Crescimento Desenvolvimento Humano. São Paulo, v.20, n.3, p. 12-21, 2010.

SADOVSKY, A. D. I. de et al. Iniquidades socioeconômicas em nascimentos prematuros em quatro estudos brasileiros de coortes de nascimento. Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v. 94, n. 1, p. 15-22, Feb. 2018.

SANTOS, M. N dos et al. Atuação da fisioterapia no follow-up e unidade de terapia intensiva neonatal: um relato de experiência. In: Anais do I Meeting de Fisioterapia: fisioterapia e sua evolução baseada em evidências. Anais.Imperatriz (MA) FACIMP WYDEN, 2019. Disponível em: . Acesso em: 19/04/2022 15:32

SOARES, L.G. et al. Efeitos da oxigenoterapia em neonatologia: revisão integrativa de literatura. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 87, n. 25, 2019.

SOUZA. N. C. M. D. et al. Comportamento visual e perfil socioeconômico e demográfico de recém-nascidos prematuros da Maternidade do Hospital das Clínicas de Pernambuco – UFPE. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia São Paulo: v. 74, n. 1, p. 33-36, jan./fev. 2011

UNIFESP. Escola Paulista de Medicina. 17/11 – Dia da Prematuridade. Disponível em< https://sp.unifesp.br/epm/ultimas-noticias/prematuridade-novembro-roxo>. Acesso em: 19/04/2022.

VARGAS, M. C. et al. Avaliação de crianças atendidas em follow-up: perfil epidemiológico e motor. Conscientia e Saúde, [S.L.], v. 17, n. 4, p. 378-385, 26 dez. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-114