Intubação orotraqueal e a técnica de sequência rápida - abordagem prática no manejo das vias aéreas / Orotracheal intubation and the rapid sequence technique - practical approach in airway management

Vitória Rabello Nolli Granato, André Lucas Sousa de Araújo, Bruno Loser Hemerly, Camilla Beatriz Vieira Ribeiro Teixeira, Fernanda Lopes de Carvalho, João Vítor Xavier Assunção, Laís Rayane Fernandes Maciel, Pedro Henrique Delabrida do Carmo, Renata Costa Senra de Oliveira, Vitoria Bouchardet Carvalho Pinto Coelho

Abstract


A Sequência Rápida de Intubação (SRI) surgiu com o objetivo de evitar a aspiração de conteúdo gástrico, por meio da pressão na cartilagem cricóidea e da indução através do uso de barbitúricos e da succinilcolina, ocorrência frequente nos processos de intubação de emergência. Hoje, a condução da SRI na emergência é muito distinta daquilo que era em seus primórdios. Todavia, seus objetivos ainda são os mesmos e revolvem, principalmente,  no estabelecimento e na manutenção de uma via aérea pérvia definitiva e na prevenção da aspiração de conteúdos nasogástricos. Levando-se em consideração tais aspectos, deve-se discorrer sobre os constantes desenvolvimentos da SRI, no preparo, na pré-oxigenação, na indução da paralisia e no manejo do paciente durante o posicionamento, da passagem do tubo e do período pós intubação, evidenciando alguns dos avanços e discussões mais pertinentes em cada um desses tópicos. A indicação do procedimento é bem definida para o paciente com insuficiência respiratória aguda, seja hipoxêmica (por distúrbios das trocas dos gases) ou hipercápnica (por insuficiência ventilatória) e, também, para o paciente que, devido a uma alteração do estado mental, fica incapaz de proteger a própria vias aérea. A técnica de SRI deve contar com algumas precauções e preparos antecipados para minimizar o risco de complicações e ser eficaz. Além do preparo, o monitoramento do paciente durante todo o procedimento da intubação é fundamental.


Keywords


anestesiologia, intubação orotraqueal, propofol, sequência rápida de intubação.

References


AHMED, A.; AZIM, A. Difficult tracheal intubation in critically ill. Journal of Intensive Care, v. 6, n. 1, 13 ago. 2018.

AVERY, P. et al. Rapid sequence induction: where did the consensus go? Scandinavian Journal of Trauma, Resuscitation and Emergency Medicine, v. 29, n. 1, 13 maio 2021.

BIRENBAUM, A. et al. Effect of Cricoid Pressure Compared With a Sham Procedure in the Rapid Sequence Induction of Anesthesia. JAMA Surgery, v. 154, n. 1, p. 9, 1 jan. 2019.

CZARNETZKI, C. et al. Rapid Sequence Induction With a Standard Intubation Dose of Rocuronium After Magnesium Pretreatment Compared With Succinylcholine: A Randomized Clinical Trial. Anesthesia & Analgesia, v. 133, n. 6, p. 1540–1549, 17 dez. 2020.

DRIVER, B. E. et al. Drug Order in Rapid Sequence Intubation. Academic Emergency Medicine, v. 26, n. 9, p. 1014–1021, 19 mar. 2019.

HIGGS, A. et al. Guidelines for the management of tracheal intubation in critically ill adults. British Journal of Anaesthesia, v. 120, n. 2, p. 323–352, fev. 2018.

KNAPP, J.; VENETZ, P.; PIETSCH, U. "In cabin rapid sequence induction“. Der Anaesthesist, 8 mar. 2021.

KRAMER, N. et al. Rapid Sequence Intubation in Traumatic Brain-injured Adults. Cureus, 25 abr. 2018.

MERELMAN, A.; PERLMUTTER, M.; STRAYER, R. Alternatives to Rapid Sequence Intubation: Contemporary Airway Management with Ketamine. Western Journal of Emergency Medicine, v. 20, n. 3, p. 466–471, 26 abr. 2019.

PUTZU, A. et al. The optimal dose of succinylcholine for rapid sequence induction: a systematic review and meta-analysis of randomized trials. BMC Anesthesiology, v. 20, n. 1, 2 mar. 2020.

SCHRADER, M.; URITS, I. Tracheal Rapid Sequence Intubation. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 16 out 2021.

SHARDA, S. C.; BHATIA, M. S. Etomidate Compared to Ketamine for Induction during Rapid Sequence Intubation: A Systematic Review and Meta-analysis. Indian Journal of Critical Care Medicine, v. 26, n. 1, p. 108–113, 17 jan. 2022.

SJÖBLOM, A. et al. Pre‐oxygenation using high‐flow nasal oxygen vs. tight facemask during rapid sequence induction. Anaesthesia, v. 76, n. 9, p. 1176–1183, 18 fev. 2021.

TRAN, D. T. T. et al. Rocuronium vs. succinylcholine for rapid sequence intubation: a Cochrane systematic review. Anaesthesia, v. 72, n. 6, p. 765–777, 9 maio 2017.

TRETHEWY, C. E. et al. Ideal Cricoid Pressure Is Biomechanically Impossible During Laryngoscopy. Academic Emergency Medicine, v. 25, n. 1, p. 94–98, 3 nov. 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-108