Análise da ansiedade e medo em odontopediatria / Analysis of anxiety and fear in pediatric dentistry

Micheli Oliveira Gomes Camacho, Maria da Glória Almeida Martins, Grace Sampaio Teles da Rocha, Paula Borges Jacques

Abstract


O objetivo do estudo foi analisar, por meio de instrumento simplificado (IS), a ansiedade e o medo da criança antes e após atendimento Odontopediátrico. Trata-se de um estudo observacional realizado em 2018 em uma Universidade privada em Fortaleza, no qual se aplicou o teste Venham Picture Test Modificado (IS) em 30 crianças de 5 a 10 anos, na sala de espera para avaliar sua ansiedade e após o atendimento odontopediátrico para avaliar seu medo. As crianças analisaram 5 desenhos com emoções do personagem Cookie (IS) e escolheram o que os representassem naquele momento. Aos responsáveis se aplicou questionário sociodemográfico e o teste Dental Anxiety Scale para avaliar o grau de ansiedade. Analisaram-se os dados por meio dos testes qui-quadrado de Pearson e exato de Fisher, com p≤0,05. O sexo feminino (26,3%; n= 5) apresentou maior ansiedade do que o masculino (p=0,082). 16 crianças apresentaram algum grau de ansiedade quando suas mães estavam ansiosas (p=0,283). 76,7% (n=23) das crianças estavam felizes antes do atendimento clínico e 70% (n=21) mantiveram-se felizes. 22,7% das crianças apresentaram-se ansiosas quando a renda era menor que 1 salário-mínimo. Das 5 crianças que se apresentaram ansiosas nenhuma teve medo, quando se relacionou a ansiedade com o medo (p=0,286). Apesar de não haver relação entre a ansiedade e o medo das crianças avaliadas, observou-se tendência de a criança apresentar ansiedade e medo quando seus pais ou responsáveis estavam ansiosos ou família com renda inferior a um salário-mínimo.


References


Melo RB, Lima FC, Moura GM, Silva PGB, Gondim JO, Moreira-Neto JJS. Avaliação da relação entre procedimentos odontológicos e comportamento infantil. Revista Odontológica Brasil Central. 2015;24(68):20-25.

Felix LF, Brum SC, Barbosa CCN, Barbosa O. Aspectos que influenciam nas reações comportamentais de crianças em consultórios odontológicos. Revista PróUniverSUS. 2016; 07(2):13-16.

Abanto J, Vidigal E, Carvalho TS, Sá SNC, Bönecker M. Factors for determining dental anxiety in preschool children with severe dental caries. Brazilian Oral Research. 2017;31:e13.

Oliveira MF, Moraes MVM, Cardoso DD. Avaliação da ansiedade infantil prévia ao tratamento odontológico. Publicatio UEPG Ciências Biológicas Saúde. 2012;8(1):31-37.

Corah NL. Development of a dental anxiety scale. Journal of Dental Research. 1969.48(4):596-596.

Carvalho RWF, Falcão PGCB, Campos GJL, Bastos AS, Pereira JC, Pereira MAS, et al. Ansiedade frente ao tratamento odontológico: prevalência e fatores predictores em brasileiros. 2012;17(7):1915-22.

Pereira V, Barreto RC, Pereira GAS, Cavalcanti HRBB. Avaliação dos Níveis de Ansiedade em Pacientes Submetidos ao Tratamento Odontológico. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2013;17(1):55-64.

Ramos-Jorge ML, Pordeus IA. Por que e como medir a ansiedade infantil no ambiente odontológico. Apresentação do teste VPT modificado. JBP Revista Ibero-Americana de Odontopediatria & Odontologia do Bebê. 2004;37(7):282-290.

Questionário socioeconômico ENCCEJA. 2013. [acesso em 2017 maio] Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/encceja/questionario_socioeconomico/2013/questionario_soci oeconomico_encceja_2013.pdf

Vencato CS, Férrer DKP, Martins MGA, Teles da Rocha GS, Jacques PB. Ansiedade de pacientes infantis e seus em sala de espera de clínica odontológica. Brazilian Journal of Development. 2021;7(2):14053-65.

Morgan AG, Rodd HD, Porritt JM, Baker SR, Creswell C, Newton T, Williams C, Marshman, Z. Children’s experience of dental anxiety. International Journal of Paediatric Dentistry. 2017;27(2):87-97.

Shahnavaz S, Rutley S, Larsson K, Dahllof G. Children and parents’ experiences of cognitive behavioral therapy for dental anxiety – a qualitative study. International Journal of Paediatric Dentistry. 2015;25:317-326.

López LAJ, Ugalde RR, López AAD. Factores de riesgo asociados con el estado de ansiedade en niños de cuatro a seis años de edad que acuden por primera vez con el odontopediatra. Revista ADM. 2014;71(1):9-15.

Moura BF, Imparato JCP, Parisotto TM, Benedetto M. Child’s anxiety preceding the dental appointment: evaluation through a playful tool as a conditioning feature. Rev Gaúch Odontol. 2015;63(4):455-460.

Souza RL, Guimarães ARD, Duarte PCT, Amaral MTR, Costa HS, Silva RLS. Necessidade de tratamento odontológico e níveis de ansiedade em adolescentes. Revista Bahiana de Odontologia. 2017; 8(2):37-42.

Kilinç G, Akay A, Eden E, Sevinç N, Ellidokuz H. Evaluation of children’s dental anxiety levels at a kindergarten and at a dental clinic. Brazilian Oral Research. 2016;30(1):e72.

Soares FC, Lima RA, Barros MVG, Colares V. Factors Associated with Dental Anxiety in Brazilian Children of 5 to 8 years. Brazilian Research in Pediatric Dentistry and Integrated Clinic. 2014;14(2):97-105.

Alshoraim MA, El-Housseiny AA, Farsi MN, Felemban OM, Alamoudi NM, Alandejani AA. Effects of child characteristics and dental history on dental fear: cross sectional study. BMC Oral Health. 2018;18(33):1-9.

Oliveira MF, Moraes MVM, Evaristo PCS. Avaliação da ansiedade dos pais e crianças frente ao tratamento odontológico. Pesquisa Brasileira Odontopediátrica Clinica Integrada. 2012;12(4):483-489.

Marques KBG, Gradvohl MPB, Maia MCG. Medo e ansiedade prévios à consulta odontológica em crianças do município de Acaraú-CE. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2010;23(4):328-367.

Marcano, AA, Figueredo AM, Orozco G. Evaluación de la ansiedad y miedo en niños escolares en la consulta odontopediátrica. Revista de Odontopediatría Latinoamericana. 2012; 2(2):65-71.

Boka V, K. Arapostathis K, Karagiannis V, Kotsanos N, Van LC, Veerkamp J. Dental fear and caries in 6-12 year old children in Greece. Determination of

dental fear cut-off points. European Journal of Paediatric Dentistry. 2017;18(1):45-50.

Oliveira MMT, Colares V. The relationship between dental anxiety and dental pain in children aged 18 to 59 months: a study in Recife, Pernambuco State, Brazil. Cadernos de Saúde Pública. 2009;25(4): 743-50.

Torriani DD, Ferro RL, Bonow ML, Santos IS, Matijasevich A, Barros AJ, et al. Dental caries is associated with dental fear in childhood: findings from a birth cohort study. Caries Research. 2014;48(4):263-70.

Leite DFBM, Muniz IAF, Farias IAP. Condução psicológica do paciente infantil em Saúde Pública. Odontologia Clínico-Científica. 2013;12(4):251-254.

Teixeira TSM. A ansiedade dentária em odontopediatria e suas implicações. Alamada (Portugal). Dissertação [Mestrado em Medicina Dentária] - Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz; 2013.

Nunes CA, Júnior RFS. O uso da contenção física como técnica de condicionamento no atendimento odontológico em Odontopediatria. Macapá. Monografia [graduação] - Faculdade de Macapá. 2017.

Lima KMA, Maia AHN, Bezerra MHO. Psicologia e odontopediatria: possibilidade de atuação em uma clínica – escola. Revista Expressão Católica (Saúde). 2016;1(1):133-137.

Patti EAMR, Meneses IC. Crianças com sintomas fóbicos e o tratamento odontológico. Investigação - Revista Científica da Universidade de Franca. 2003. 2005; 5(1/6):92-100.

Melo RB, Lima FC, Moura GM, Silva PGB, Gondim JO, Moreira-Neto JJS. Avaliação da relação entre procedimentos odontológicos e comportamento infantil. Revista Odontológica do Brasil Central. 2015;24(68):20-25.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-118