Investigação da saúde do trabalhador do Pantanal por meio de publicações via eletrônica / Research on worker health in the Pantanal through electronic publications

Rayssa Ana Alves Bacanelo, Eduardo Espíndola Fontoura Junior

Abstract


INTRODUÇÃO: O Pantanal é a maior planicie alagável do mundo, portanto, trabalhar nesse ambiente é considerado um desafio, em especial pela distância das cidades, terreno acidentado e região considerada selvagem. Esses aspectos despertaram uma preocupação com a saúde dos trabalhadores do pantanal e justificam a realização deste estudo. OBJETIVO: Teve como objetivo geral verificar ocorrências relacionadas à saúde do trabalhador do pantanal por meio de publicações em meios eletrônicos (jornais e revistas da web). METODOLOGIA: Tratou-se de um estudo documental, exploratório, de corte transversal, realizado por meio da busca de publicações em meios eletrônicos (sites), como jornais e revistas que apresentaram matérias a respeito desses trabalhadores. Os participantes foram homens e mulheres, trabalhadores da região do pantanal. RESULTADOS: Foram encontradas 39 publicações, sendo 8 excluídas por não atenderem aos critérios estabelecidos. Todas entre os anos de 2012 a 2021. O número de ocorrências foi superior em trabalhadores sexo masculino (83,87%) quando comparado ao sexo feminino (16,13%). Quanto a faixa etária, os trabalhadores mais afetados tinham entre 18 a 30 anos, entre os acidentes mais frequentes destaca-se o ataque por animais selvagens (38,70%). Foram constatados o total 13 óbitos. Quanto ao atendimento e socorro prestado, 35,48% relataram dificuldade de acesso, 45,16% necessitaram de transporte aéreo e 12,90% dos casos precisaram  do auxílio de barco para possibilitar o atendimento. CONCLUSÃO: Ao investigar a saúde dessa população pode-se afirmar que realmente esses trabalhadores, os pantaneiros, necessitam de mais atenção dos gestores de saúde e dos atuais governantes.


Keywords


saúde do trabalhador do pantanal, saúde do trabalhador rural, pantanal, homem pantaneiro, enfermagem.

References


ALARCON, A. C. R. S.; GUIMARÃES, L A. M. PREVALÊNCIA DE TRANSTORNOS MENTAIS EM TRABALHADORES DE UMA UNIVERSIDADE. Revista Sul Americana de Psicologia, v. 4, n. 1, p. 46, 2016.

APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo, Atlas, 2009.

BARROS, M. (2003). Livro de pré-coisas: Roteiro para uma excursão poética no pantanal (4a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Record.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: Princípios e diretrizes. Brasília: DF: Ministério da Saúde. Disponível em http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2014/maio/21/CNSH-DOC- -PNAISH---Principios-e-Diretrizes.pdf

CABRITA, D. A. P. Viagem a bordo das Comitivas Pantaneiras. Campo Grande: Life, 2014.

CUNHA, M. B. Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia. Brasília: Briquet de Lemos/Livros, 2001.

DA SILVA, J. S. V.; MOURA ABDON, M. Delimitação do Pantanal brasileiro e suas sub- regiões. Pesquisa agropecuária brasileira, v. 33, n. 13, p. 1703-1711, 1998.

DE CAMPOS NETO, M. F.; STOLF, H. O.; HADDAD JR, V. Ataque de jacare a pescador no Pantanal de Mato Grasso (Brasil): relato de caso. Diagn Tratamento, v. 18, n. 1, p. 21-23, 2013.

DE MATOS RAMOS, Kátia; DA SILVA NUNES, Paula Alexandra Soares; DA SILVA NUNES, Josué Ribeiro. O JACARÉ-DO-PANTANAL (Caiman crocodilus yacare) da natureza a criação em cativeiro, objeto de estudo em escolas.

ESPINDOLA, D. J. et al. O Peão Pantaneiro (seu meio, suas lidas, suas crenças: sua historia). Revista Universo, 2010.

FERNANDES, Julio Francisco Alves; DE ARAÚJO, Ana Paula Correia; RIBEIRO, Mara Aline. O Pantanal por elas: o trabalho da mulher pantaneira no turismo. Caderno Virtual de Turismo, v. 21, n. 1, 2021.

FERRO, O. M. R. et al. Aspectos da cultura do homem rural pantaneiro. Educação e cultura: lições históricas do universo pantaneiro, v. 1, p. 169-184, 2013.

FONTOURA JUNIOR, E. E.; GUIMARÃES, L. A. M. Saúde, trabalho e doença do peão pantaneiro: uma revisão integrativa. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v. 17, n. 3, p. 402-414, 2019.

GIL, A. C. Como classificar as pesquisas. Como elaborar projetos de pesquisa, v. 4, p. 44- 45, 2002.

GUIMARÃES, L. A. M. (2013). Fatores psicossociais de risco no trabalho. In: J. J. Ferreira, & L. O. Penido (orgs), Saúde mental no trabalho: Coletânea do fórum de saúde e segurança no trabalho do Estado de Goiás (pp. 273-282). Goiânia, GO: Cir Gráfica.

GUIMARÃES, L. A. M. et al. Qualidade de vida e aspectos de saúde em trabalhadores pantaneiros. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 70, n. 2, p. 141-157, 2018.

HERRERA, Carlos Alexandre. OS TRABALHADORES DA PECUÁRIA PANTANEIRA EM AÇÃO: A TRAJETÓRIA DOS MENINOS-PEÕES NA JUSTIÇA DO TRABALHO (1978-1984). 2015. p.65. Disponível em: https://www.ppghufgd.com/wpcontent/uploads/2017/03/Disserta%C3%A7%C3%A3o-Carlos-Alexandre-Herreira.pdf. Acesso em: 14 de outubro de 2021.

Herrmann, A., Sampaio, C. A. B., Chakora, E. S., Moraes, É. M. R., Silva, F. N. M., & Coutinho, J. G. D. (2016). Guia de saúde do homem para Agente Comunitário de Saúde (ACS). Brasília, DF: Ministério da Saúde. Disponível em http://www.sgas. saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/sites/105/2016/08/ guiaACS.pdf

Leite, M. O. F. (2010). Comitiva de boiadeiros no pantanal sul-mato-grossense: modo de vida e leitura da paisagem. 2010. 232 f. Tese (Mestrado em Ciência Ambiental) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

LIMA, J. A. F., SOUZA, J. C. (2012). Pantanal: Desenvolvimento territorial com identidade cultural. IN: Souza, J. C. Pantanal, produzindo com sustentabilidade. Campo Grande, MS: Ed. UFMS.

MARQUES, Marcela Silva. Estudo comportamental de Caiman yacare (Jacaré-do-Pantanal) in situ e ex situ. Rev. Cient. Faminas, v. 3, p. 11-20, 2007.

MENEGHEL, VANUSA. QUALIDADE DE VIDA E ENGAJAMENTO NO TRABALHO DO PANTANEIRO DA REGIÃO DE AQUIDAUANA, MATO GROSSO DO SUL, BRASIL.

Nogueira, A. X. (2009). O que é pantanal. São Paulo: Brasiliense.

Nogueira, A. X. (2009). Pantanal: entre o apego às antigas tradições e o apelo às mudanças. Albuquerque: Revista de História, 1(1), 145-164.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. MORADORES DE AREAS RURAIS NÃO TÊM ACESSO A SERVIÇOS DE SAÚDE. ONU News, 2015, disponível em: https://news.un.org/pt/story/2015/04/1509941-oit-56-dos-moradores-de-areas-rurais-nao-tem- acesso-servicos-de-saude. Acesso em 05 de março de 2020.

PIGNATTI, Marta Gislene; CASTRO, Sueli Pereira. A fragilidade/resistência da vida humana em comunidades rurais do Pantanal Mato-Grossense (MT, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, p. 3221-3232, 2010.

PINTO, L. M. (2006). Discurso e cotidiano: Histórias de vida em depoimentos de pantaneiros (Tese de doutorado em Letras, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil).

REIS, A.T.; et. Al. Ocuidado à mulher na contemporaneidade: reflexões teóricas para o exercício da enfermagem transcultural. REME. Minas Gerais, v. 16:1. [np]. Janeiro de 2012. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/510. Acesso em: 14 de outubro de 2021.

Ribeiro, M. A. dos S. (2014). Entre os ciclos de cheias e vazantes a gente do Pantanal produz e revela geografias. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências. Campinas, SP, 2014.

ZANATA, P. R. B. (2015). Memórias de trabalhadores em fazendas de gado no Pantanal. Monções: Revista do Curso de Históira da UFMS/CPCX, 3(3), 152-74.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-121