Crenças de discentes do curso de pedagogia sobre o bom professor/ Pedagogy students' beliefs over the good teacher

Talita Almeida Rodrigues, Bernadete de Souza Porto, Ana Maria Iorio Dias

Abstract


Este artigo tem como objetivo compreender as crenças dos discentes do curso de Pedagogia sobre o “bom professor”, descrevendo-as e relacionando-as com a formação inicial. Neste sentido, indagamos: qual a importância das crenças para a relação teoria e prática na formação dos pedagogos? É em Hume (2004, 2009) que nos ancoramos inicialmente, para esclarecimento do conceito de crença. A concepção das crenças com origem na fala dos participantes desta investigação, se deu a partir de algumas técnicas da análise do discurso (MAINGUENEAU, 2015; BAKHTIN, 2016; MINAYO, 2008; FLICK, 2009) e da análise de conteúdo (BARDIN, 2016), sobretudo no que diz respeito a sua contribuição quanto as categorias de análise tendo por base os relatos dos participantes da investigação.  Em seguida, com Gay (2014), Soares e Bejarano (2008), Soares e Porto (2006), Gatti (1996) e Charlot (2014), entre outros, relacionamos saberes e analisamos a interseção entre crenças e docência. A pesquisa constatou que as crenças apontadas pelos alunos nada mais são do que saberes: os saberes profissionais docentes.Ao se expressarem sobre as crenças eles afirmam que o bom professor é aquele que realiza a humana docência, articula saberes, alia teoria e prática; é realizador de práxis; tem vasta metodologia; é agente político, percebe-se aprendiz e tem afeto pelo trabalho que realiza.


References


ARROYO, Miguel G. Ofício de mestre: imagens e autoimagens. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Tradução de Paulo Bezerra. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2016.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 1. ed. Trad. Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Características da Investigação Qualitativa em Educação. In: BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação Qualitativa em Educação. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. 2. ed. Portugal: Porto Editora, 1997. p. 47-51.

BRAZ, Anadja Marilda Gomes. O pensamento do professor: pressupostos e dimensões de estudo. Contrapontos, Itajaí, v. 7, n. 2, p. 365-380, mai./ago. 2007.

SOARES, Ilma Maria Fernandes.; BEJARANO, Nelson Rui Ribas. Crenças dos Professores e Formação Docente. Revista Faced, Salvador, n.14, p.55-71, jul./dez. 2008.

CANDAU, Vera Maria. A Didática em questão. 1 ed. Rio de Janeiro: Vozes,

CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2014.

FARIAS, Isabel Maria Sabino de; SALES, Josete de Oliveira Castelo Branco; BRAGA, Maria Margarete Sampaio de Carvalho; FRANÇA, Maria do Socorro Lima Marques. Didática e docência: aprendendo a profissão. 4. ed. Brasília: Liber Livro, 2014.

GADOTTI, Moacir. Escola vivida, escola projetada. 1. ed. Campinas: Papirus, 1992.

GAMBOA, Silvio Ancízar Sanchez. A dialética na pesquisa em educação: elementos de contexto. In: Metodologia da pesquisa educacional. FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (org.). 6. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

GATTI, Bernadete. Os professores e suas identidades: o desvelamento da heterogeneidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 98, p. 85-90, ago. 1996.

GAY, Geneva. Atuando Nas Crenças Na Formação De Professores Para a Diversidade Cultural. Educação Em Foco, Belo Horizonte, v. 17, n. 24, p. 93-121, 2014.

HUME, David. Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. Trad. José Oscar de Almeida Marques. 1. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

HUME, David. Tratado da Natureza humana: uma tentativa de introduzir o método experimental de raciocínio nos assuntos morais. Tradução de Débora Danowski. 2. ed. rev. e ampliada. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KUENZER, mundo do trabalho: Novos desafios para as faculdades de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v.19, n. 63, p.105-125, 2007.

LÜCK, Heloísa. Gestão do processo de aprendizagem pelo professor. 1. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma. Ainda as perguntas: o que é pedagogia, quem é o pedagogo, o que deve ser o curso de pedagogia. In: Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. PIMENTA, Selma Garrido (org.). 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MAINGUENEAU, Dominique. Discurso e Análise do discurso. 1. ed. Trad. Sírio Possenti, 2015.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio da Pesquisa social. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e Criatividade. 27. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. p. 9-29.

MORETTI, Vanessa Dias; MOURA, Manoel Oriosvaldo de. A formação docente na perspectiva Histórico-Cultural em busca da superação da competência individual. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 10, n. 20, p. 345-361, jul./dez. 2010.

PAJARES, M. Frank. Teachers’ beliefs and educational research: cleaning up a messy constructo. Review of Educational Research [S. l.], v. 62, n. 3, p.307-332, 1992.

PAULO NETTO, José. Introdução ao estudo do método de Marx. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PIMENTA, Selma Garrido. Epistemologia da prática ressignificando a didática. In: XIV Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 2008, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: Pontifícia Faculdade Católica, 2008, p. 602-625.

ROLDÃO, Maria do Céu. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Rev. Bras. Educ., Campinas, v. 12, n. 34, p. 94-103, jan./abr. 2007.

SAVIANI, Dermeval. Tendências e correntes da educação brasileira. In: MENDES, Demerval Trigueiro. Filosofia da educação brasileira. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1985.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia no Brasil: história e teoria. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

SAVIANI, Dermeval; DUARTE, Newton. Pedagogia Histórico-Crítica e luta de classes na Educação escolar. 1. ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

SILVA, Rita de Cássia da. O professor, seus saberes e suas crenças. In: GUARNIERI, Maria Regina (org.). Aprendendo a ensinar: o caminho nada suave da docência. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2005.

SOARES, Ilma Maria Fernandes; BEJARANO, Nelson Rui Ribas. Crenças dos Professores e Formação Docente. Revista Faced, Salvador, n.14, p. 55-71, jul./dez. 2008.

SOARES, Ilma Maria Fernandes; PORTO, Bernadete de Souza. Se der a gente brinca: crenças das professoras sobre ludicidade e atividades lúdicas. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v.15, n. 25, p. 55-77, jan./jun. 2006.

STUART, Carolyn; THURLOW, Deborah. Making in their own: preservice teachers’ experiences, beliefs, and a classroom practices. Journal of Teacher Education [S. l.], v. 51, n. 2, p. 113-121, mar. 2000.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

TARDIF, Maurice; RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho no magistério. Educação & Sociedade, Campinas, v. 21, n. 73, p. 209-244, dez. 2000.

VEIGA, Ilma Passos. Caminhos da profissionalização do magistério. 1. ed. Campinas: Papirus, 1998.

VEIGA, Ilma passos. A aventura de formar professores. 2. ed. Campinas: Papirus, 2009. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-123