O Refugiado Venezuelano e a Justiça Restaurativa: uma visão a partir do método peacemaking circles / The Venezuelan Refugee and Restorative Justice: a view from the peacemaking circle method

Micheli Piucco, Manoel Pereira de Almeida Neto

Abstract


Este artigo aborda a temática na Justiça Restaurativa (JR), em específico o método do peacemaking circles aplicado à integração dos refugiados venezuelanos que estão adentrando ao Brasil, devido à crise humanitária instaurada em seu país de origem. Destarte, importância do trabalho em rede, no suporte e apoio. The Non-Conflictive Peacemaking Circles ou Círculos de Construção de Paz não-conflitivos é um método de Justiça Restaurativa, perfazendo uma metodologia de resolução de problemas, de construção de comunidades. Sendo utilizada a perspectiva da filosofia personalista, que se contrapõe ao idealismo e ao materialismo abstrato, para reencontrar a unidade perdida entre o individualismo e o coletivismo. A JR pode ser visualizada como uma bússola que aponta à direção para a construção de um ambiente seguro e, assim, ter-se-á acolhimento, a cura, a reconexão dos vínculos das relações e traumas causadas pela travessia e chegada até o país de destino.


Keywords


círculos de construção de paz, justiça restaurativa, refugiados.

References


ACHUTTI, D.S. Justiça restaurativa e abolicionismo penal : contribuições para um novo modelo de administração de conflitos no Brasil. 2ª. ed. – São Paulo: Saraiva, 2016.

ACNUR Consulta com ONGs e ACNUR na América do Sul. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2021.

ACOLHIDA. Transcrições dos depoimentos/histórias de duas famílias, que integraram a Operação Acolhida Sistema das Nações Unidas, entidades da sociedade civil e os municípios apoiam as autoridades no encaminhamento de migrantes e refugiados venezuelanos para outras partes do País. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2021.

AGNOLIN, L. Crisis humanitaria: “Cuándo no había comida, me ponía sal en la boca” - La demografía de las ciudades del interior de Brasil comienza a reconfigurarse com la llegada de refugiados venezolanos. (Tercer lugar. Estudiante de la Universidad de Passo Fundo, Brasil, cumpliendo intercambio académico a distancia en la FALCOM). Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2021.

ARLÉ, D.G.G. A justiça restaurativa e o ministério público brasileiro. 1ª Ed. Belo Horizonte, São Paulo: D’Plácido, 2020.

ARLÉ, D.G.G. Mediação, negociação e práticas restaurativas no ministério público. 2ª. Ed. Belo Horizonte: D’Plácido, 2020.

CÁRITAS BRASILEIRA. Diagnóstico para Migra segura entrevistou centenas de migrantes venezuelanos no Brasil e no Equador. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA (CNJ). Resolução CNJ n° 225, de 31 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Justiça Restaurativa no âmbito do Poder Judiciário e de outras providências. Disponível em: . Acesso em: 31mai. 2021.

COSTA, M.A. A consciência da pessoa humana na filosofia personalista de Karol Wojtyla. Editora: Inspirativa, 2020.

FRANCISCO, Papa. Carta Encíclica Fratelli Tutti (Sobre a fraternidade e a amizade social). São Paulo: Loyola, 2020.

JOÃO XXIII, Papa. Carta Encíclica Pacem in Terris (Sobre a paz de todos os povos). São Paulo: Paulinas, 1963.

 MIGRATION DATA PORTAL. Latin America’s response to Venezuelan emigration. Disponível em: . Acesso em: 11 fev. 2021.

LIMA, ABM., org. Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty [online]. Ilhéus, BA: Editus: 2014. ISBN 978-85-7455-444-0. Available from SciELO Books .

ONU, Assembleia Geral, Resolução 53/243, de 06 de outubro de 1999. Declaração e programa de ação sobre uma cultura de paz. Disponível em: . Acesso em: 07 jun. 2021.

ONU, Conselho Econômico e Social, Resolução 12/2002, de 24 de julho de 2002. Princípios básicos para utilização de programas de justiça restaurativa em matéria criminal. Disponível em:

ZEHR, Howard. Trocando as lentes: justiça restaurativa para o nosso tempo. 3ª Ed. São Paulo: Palas Athena, 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-141