Avaliação do índice de massa corporal, da capacidade funcional e da força muscular respiratória em um grupo de idosos – estudo transversal / Evaluation of body mass index, functional capacity and respiratory muscle strength in a group of elderly people – cross-sectional study

Fernando Sluchensci dos Santos, Renan Felipe Pereira Gonçalves, Simone Mader Dall’ Agnol, Claudia Bernardes Maganhini, Franciele Aparecida Amaral, Jessica Kot, Wagner Menna Pereira

Abstract


Podemos definir envelhecimento como um processo natural e inerente a todas as pessoas. O processo de envelhecimento apresenta como uma de suas consequências o declínio na força dos músculos esqueléticos bem como dos respiratórios, o que pode interferir na capacidade funcional e no desempenho das atividades de vida diária do idoso. Diante do exposto, o presente estudo teve como objetivo principal investigar se os idosos avaliados apresentam os valores considerados ideais para os índices de pressão inspiratória e expiratórias máximas, bem como se apresentam resultados dentro do esperado para o teste da caminhada de 6 minutos.  Os idosos foram avaliados por meio do Mini Exame de Estado Mental (MEEM), o qual delimitou os critérios de inclusão e exclusão; da manovacuometria, a qual mensurou as pressões inspiratórias (PImáx) e expiratórias máximas (PEmáx); do teste da caminhada de 6 minutos, o qual registrou a capacidade funcional dos indivíduos avaliados. Dessa forma, a amostra final contou com 31 idosos com uma média de idade de 67,55±5,9 anos, sendo a maior parte mulheres, totalizando 83,9%. Quanto ao índice de massa corporal (IMC), 58,1% (n=18) dos indivíduos avaliados possuem IMC acima do normal. Dos participantes, apenas 16,1% (n=5) apresentaram os índices esperados para a Pressão Inspiratória Máxima (PIMáx) e 25,8% (n=8) alcançaram os valores adequados de Pressão Expiratória Máxima (PEMáx). No Teste de Caminhada de Seis Minutos (TC6), somente 9,7% (n=3) obtiveram a distância esperada para o sexo e a idade. Neste trabalho, o sobrepeso ou a obesidade está presente na maioria dos indivíduos da amostra, sendo esse um sinal de alerta. Os idosos não possuem força em musculatura inspiratória e capacidade funcional normais ou esperados para sua faixa de idade.


Keywords


envelhecimento, testes de função respiratória, aptidão física.

References


AMERICAN THORACIC SOCIATION. Statement: Guidelines for the six-minute walk test. Am. J. Crit. Care Med. 166(1), 111-117, 2002. Disponível em: https://www.thoracic.org/statements/resources/pfet/sixminute.pdf.

ANDRADE, T. M., et al. Avaliação da capacidade funcional de idosos por meio do teste de caminhada de seis minutos. J. Res.: Fundam. Care. Online. Jan./mar. 7(1), 2042-2050, 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5057/505750945025.pdf.

BORGES, N. D. S., et al. Envelhecimento e força muscular respiratória de idosos independentes residentes em casa de permanência em regime aberto. JCBS, 1(2) 61-67, Nov, 2015. Disponível em : http://publicacoes.facthus.edu.br/index.php/saude/article/download/23/ENVELHECIMENTO%20E%20FOR%C3%87A%20MUSCULAR%20RESPIRAT%C3%93RIA%20DE%20IDOSOS%20INDEPENDENTES%20RESIDENTES%20DE%20UMA%20INSTITUI%C3%87%C3%83O%20DE%20LONGA%20PERMAN%C3%8ANCIA%20EM%20REGIME%20ABERTO

BRITTO, R. R.; SOUSA, L. A. P. Teste de caminhada de seis minutos, uma normatização brasileira. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, 19(4)49-54, out/dez, 2006. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/fisio/article/view/18789.

CABRAL, V. P. C.; ARAÚJO, I. F. L.; ALCÂNTARA, I. F. L. Avaliação da distância percorrida no teste da caminhada de 6 minutos em diferentes idades, índices de massa corporal e gêneros de pneumopatas assistidos em um serviço de fisioterapia respiratória de Goiânia – Goiás. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, 15(148), 1, Septiembre de 2010. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd148/teste-de-caminhada-en-pneumopatas.htm.

CAMARGOS, M. C. S.; GONZAGA, M. R. Viver mais e melhor? Estimativas de expectativa de vida saudável para a população brasileira. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 7(31), 1460-1472, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2015000701460&script=sci_abstract&tlng=pt.

CHAVES, M. L. F. Testes de avaliação cognitiva: Mini Exame do Estado Mental. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008. Disponível em: http://www.cadastro.abneuro.org/site/arquivos_cont/8.pdf.

CUNHA, A.; BARBOSA, M. T. Geriatric teaching in Brazilian medical schools in 2013 and considerations regarding adjustment to demographic and epidemiological transition. Rev. Assoc. Med. Bras. Belo Horizonte, 2(62), 179-183, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302016000200179.

ENRIGHT, P. L.; SHERRILL, D. L. Reference equations for the six-minute walk in healthy adults. Am. J. Resp. Crit. Care Med. 158(1), 1384-1387, 1998. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9817683/.

FERREIRA; P. A., et al. Segurança do Teste de Caminhada de Seis Minutos em Cardiopatas Hospitalizados. International Journal of Cardiovascular Sciences. 28(1), 70-77, 2015. Disponível em: http://www.onlineijcs.org/english/sumario/28/pdf/v28n1a10.pdf.

GAVI, M. B.; et al. O uso do mini-exame do estado mental colabora no tratamento da fibromialgia. Ciências & Cognição, 23(1), 108-116, 2018. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/1397.

JORDÃO, M. R. Z.; et al. Obesidade abdominal e o sistema respiratório. Revista Fisioterapia Brasil. 19(1),6, 206-211, 2018. Disponível em: https://portalatlanticaeditora.com.br/index.php/fisioterapiabrasil/article/view/1664.

MARTINS, T. I.; MENEGUCI, J.; DAMIÃO, R. Pontos de corte do índice de massa corporal para classificar o estado nutricional em idosos. REFACS. 3(2), 78-87, 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4979/497950365004.pdf.

MIRANDA, C. A.; ALMEIDA, J. S.; BIANCHI, P. D. A. Alterações fisiológicas da função pulmonar sobre a funcionalidade de idosos. XVII Seminário Interinstitucional de Ensino Pesquisa e Extensão, UNICRUZ, Cruz Alta – RS, 2012. Disponível em: https://home.unicruz.edu.br/seminario/anais/anais-2012/seminario%20probic%20fapergs%20cnpq/alteracoes%20fisiologicas%20da%20funcao%20pulmonar%20sobre.pdf.

MOREIRA, V. G. I.; PEREZ, M.; LOURENÇO, R. A. I. Prevalence of sarcopenia and its associated factors: the impact of muscle mass, gait speed, and handgrip strength reference values on reported frequencies. CLINICS. 74(1), 477, 2019. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/jcsm.12049.

NEDER, J. A.; et al. Reference values for concentric knee isokinetic strength and power in nonathletic men and women from 20 to 80 years old. J Orthop Sports Phys Ther. 29(2), 116-126, 1999. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/10322586/.

OLIVEIRA, T. A.; DUARTE, S. F. P.; REIS, L. A. Relação entre índice de massa corporal e desempenho motor de idosos pertencentes a grupos de convivência. Texto Contexto Enferm. 25(4), e3370014, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tce/v25n4/pt_0104-0707-tce-25-04-3370014.pdf.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Estado físico: uso e interpretación de la antropometría. Ginebra: OMS; 1995. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/42132.

PASCOTINI, F. S.; et al. Força muscular respiratória, função pulmonar e expansibilidade toracoabdominal em idosos e sua relação com o estado nutricional. Fisioter Pesqui. 23(4), 416-422, 2016. Disponível em : https://www.scielo.br/pdf/fp/v23n4/2316-9117-fp-23-04-00416.pdf.

PEREIRA, L. C.; VIEIRA, K. S.; TEIXEIRA, P. L. C. Teste de caminhada de seis minutos e suas aplicabilidades: uma revisão sistemática da literatura. Revista Valore, Volta Redonda, 3(2), 646-662, Jul/Dez/2018. Disponível em: https://revistavalore.emnuvens.com.br/valore/article/view/87.

PILLATT, A. P.; NIELSSON, J.; SCHNEIDER, R. H. Efeitos do exercício físico em idosos fragilizados: uma revisão sistemática. Fisioter. Pesqui. 26(2), 210-217, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502019000200210.

RAICHLEN, D. A.; ALEXANDER, G. E. Adaptive Capacity: An Evolutionary Neuroscience Model Linking Exercise, Cognition, and Brain Health. Trends Neurosci, 40(1), 408-21, 2017. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28610948/.

ROMANI, J. C. P.; MIARA, N.; CARRADORE, M. J. K. Avaliação clínica da função dos músculos respiratórios em adultos: revisão de literatura. Cadernos da Escola de Saúde, Curitiba, 11(1), 1-19, 2019. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/cadernossaude/article/view/2398.

SANTOS, R. R.; et al. Obesidade em idosos. Rev Med Minas Gerais. 23(1), 64-73, 2013. Disponível em: http://rmmg.org/exportar-pdf/12/v23n1a11.pdf.

SILVA, V. S.; et al. Evolução e associação do IMC entre variáveis sociodemográficas e de condições de vida em idosos do Brasil: 2002/03-2008/09. Ciência & Saúde Coletiva, 23(3), 891-901, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232018000300891&script=sci_abstract&tlng=pt.

SIMÕES, L. A.; et al. Relação da função muscular respiratória e de membros inferiores de idosos comunitários com capacidade funcional avaliada por teste de caminhada. Rev Bras Fisioter. 14(1), 24-30, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-35552010000100005&script=sci_abstract&tlng=pt.

SOUZA, M. C. M.; et al. Adiposidade central em idosas de uma unidade geronto-geriátrica. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 19(5), 787-796, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-98232016000500787.

STEELE, R. N. B. Timed Walking Tests of Exercise Capacity in Chronic Cardiopulmonary Illness. J. Cardiopulmonary Rehabil. 16(1), 25-33, 1996. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/8907439/.

TECCHIO, J. M.; GESSINGER, C. Upper and lower limb functionality and body mass index in physically active older adults. Fisioter Mov. 30(1), 45-54, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-51502017000500045&script=sci_abstract.

VAGETTI, G. C.; et al. Associação do índice de massa corporal com a aptidão funcional de idosas participantes de um programa de atividade física. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro. 20(2), 216-227, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1809-98232017000200214&script=sci_arttext&tlng=pt.

VALENÇA, S. S. Avaliação cognitiva de idosas institucionalizadas através do mini-exame do estado mental com ou sem tratamento fisioterapêutico. Fisioterapia Brasil, 8(4), 233-238, 2018. Disponível em: https://portalatlanticaeditora.com.br/index.php/fisioterapiabrasil/article/view/1781.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-144