Discussões acerca da relação humano-natureza no contexto das mudanças socioambientais e da sustentabilidade / Discussions about the human-nature relationship in the context of socio-environmental changes and sustainability

Thalita Natasha Ferreira Damasceno, Antônio Jeovah de Andrade Meireles, Zenith Nara Costa Delabrida

Abstract


A relação pessoa-ambiente, que acontece de forma dinâmica e constante, é um aspecto de grande importância para o campo individual, social, econômico e ambiental. Assim, é de grande relevância refletir sobre alternativas para uma nova relação entre o sujeito e a natureza, almejando uma harmonia nesse relacionamento e o benefício mútuo, especialmente no contexto das mudanças socioambientais, que demonstram a urgência da temática, tanto de discussões quanto de ações pró-ambientais. No intuito de elucidar contextualmente aspectos das transformações socioambientais ocorridas hodiernamente, o presente estudo tem como objetivo apresentar percepções acerca da relação humano-natureza no contexto do debate ambiental geográfico, além de algumas considerações sobre as mudanças climáticas, a biodiversidade no contexto biológico e social e a compreensão da dimensão social da sustentabilidade. A metodologia da pesquisa foi uma exploração bibliográfica mediante a leitura de livros, dissertações, teses e artigos, que vislumbraram diferentes visões acerca da relação do fator antrópico com a conjuntura dos impactos ambientais. Pretende-se permitir subsídios para apreender aspectos concernentes a relação indivíduo e natureza e fornecer uma base de dados confiáveis que pode balizar a importância do tema para os impactos no meio ambiente e o planejamento ambiental, além de possivelmente permitir desencadear um processo de ação-reflexão.


References


ALHO, C.J.R. Importância da biodiversidade para a saúde humana: uma perspectiva ecológica. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, 2012.

BARROS, A. C. V. O ser humano globalizado e a sua relação com a natureza: a pauta do desenvolvimento sustentável e o estabelecimento da bioeconomia. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 6, p. 38147-38161, jun. 2020. ISSN 2525-8761.

BOSSEL, H. Indicators for sustainable development: theory, method, applications: a reporter to the Balaton Group, International Institute for Sustainable Development. Canada, 1999

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. MMA em números. Disponível em: https://www.mma.gov.br/mma-em-numeros.html. Acesso em 10 ser. 2020.

BUBER, Martin. Eu e Tu. São Paulo: Editora Moraes, 1988.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão dos sistemas vivos. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 1996.

CAVALCANTE, Sylvia; ELALI, Gleice Azambuja. Temas básicos em Psicologia Ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011

COELHO, M. C. Nunes. Impactos Ambientais em Áreas Urbanas: teorias, conceitos e métodos de pesquisa. In GUERRA, Antonio J. T. e CUNHA, Sandra B. da (org.). Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p. 19-45.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1988.

CORDANI, U. G. TAIOLO, F. As Ciências da Terra: sustentabilidade e desenvolvimento. In TEIXEIRA, W. et al. (Org.). Decifrando a Terra. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2009.

DAJOZ, Roger. Princípios de Ecologia. Trad. Fátima Murad. 7ªedição. Porto Alegre: Artmed, 2005.

DALY, H. Crescimento sustentável? Não, obrigado. Ambiente & Sociedade. v.7, n.2, jul./dez., 2004.

DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

DREW, D. Processos Interativos Homem-meio ambiente. 4. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

FOLADORI, G. A questão ambiental em Marx. Crítica Marxista, n.4, p.140-161, 1997.

GIDDENS, Anthony. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

HARVEY, David. O Enigma do Capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE IPCC. Climate Change 2001: The Scientific Basis-Contribution of Working Group 1 to the IPCC Third Assessment Report. Cambridge Univ. Press. 2013.

LIMA, E. L. O Mito do “Fator Antrópico” no Discurso Ambiental Geográfico. Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 3, p. 109-122, set./dez. 2015.

MACHADO, J. A. C.; FENZL, N. A sustentabilidade do desenvolvimento e a demanda material da economia: o caso do Brasil comparado ao de países industrializados. 2001. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2020.

MAFFI, L. (org). On biocultural diversity: Linking language, knowledge, and the environment. Washington: Smithsoniam Institution Press, 2001.

MARENGO, J. A. Impactos das condições climáticas e da variabilidade e mudanças do clima sobre a produção e os preços agrícolas: ondas de frio e seu impacto sobre a cafeicultura nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. DF, n.27, dezembro, 2008.

MARENGO, J.; SOARES, C.A. The Hydroclimatological framework in Amazonia. In Biogeochemistry of Amazonia, Richey, J., McClaine, M., R., Eds., pp. 17-42, 2003.

MARX, K. A origem do capital. 2ª edição. São Paulo: Centauro, 2004.

MATA-LIMA, Herlander. ALVINO-BORBA, Andreilcy. PINHEIRO, Adilson. MATA-LIMA, Abel. ALMEIDA, Jose. Impactos dos desastres naturais nos sistemas ambiental e socioeconômico. Ambiente & Sociedade. São Paulo v. XVI, n. 3, p. 45-64, jul.-set. 2013.

MATURANA, H.; DAVILA, X. P. Y. Ética e desenvolvimento sustentável – caminhos para a construção de uma nova sociedade. Conferência Internacional de Gestão Social, 1a FIERGS/SESI/UFRGS/PUCRS, nov. 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2020..

MATURANA, H.R.; VARELA, F.J. A Árvore do Conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Pala Athenas, 2001

MONTEIRO. F. Teoria e Clima Urbano, um projeto e seus caminhos. In. C. A. MONEIRO e F. MNEDONÇA. Clima Urbano. Editora Contextos: São Paulo, 2013.

MONTIBELLER FILHO, Gilberto. Ecodesenvolvimento e Desenvolvimento Sustentável Conceitos e Princípios. Textos de Economia. Florianópolis, v.4, n. 1, p. 1993.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. 23ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017

MOSCOVICI, Serge. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. editado em inglês por Gerard Duveen; traduzido do inglês por Pedrinho A. Guareschi. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

NAEEM, S. Power behind Nature’s throne. – Nature 401: 653–654, 1999. Paulo: Companhia das Letras, 2012

OKE, T. R. Boundary Layer Climates. London: Methuen & Co. 2nd edn. 1987, 435p.

PINTO, LUIZ. BEDE, LUCIO. PAESE, ADRIANA. FONSECA, MÔNICA. PAGLIA, ADRIANO. LAMAS, IVANA. Mata Atlântica brasileira: Os desafios para a conservação da biodiversidade de um hotspot mundial, 2006.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2015. 461p.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. 15ª Ed., 2ª Reimpressão - São Paulo: Contexto, 2016. 148p.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. O Desafio Ambiental. Rio de Janeiro: Record, 2004

POSEY, D. A. (org.). Cultural and Spiritual Values of Biodiversity. Londres: University of Oxford, 1999.

PRIMACK, R. B. Essentials of conser Essentials of conservation biology. Massachusetts: Sinauer Associates Inc., 1993.

PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: E. Rodrigues, 2001.

REDCLIFT, M. R. Pós-sustentabilidade e os novos discursos de sustentabilidade, Raízes, Campina Grande, v.21, n.1, pp.124-136, 2002.

RIBEIRO, M. J. F. X; CARVALHO, A. B. G. C.; OLIVEIRA, A. C. B. O estudo do comportamento pró-ambiental em uma perspectiva behaviorista, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2019.

RICKLEFS, R.E. A economia da natureza. 5ª Edição. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2003.

SACHS, I. Estratégias de Transição para o Século XXI. In: BURSZTYN, M. Para pensar o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993.

SANTOS, Maria Helena de Castro. Governabilidade, governança e democracia: criação da capacidade governativa e relações executivo-legislativo no Brasil, volume 40, n. 3, 2012.

SANTOS, Milton. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993

SAQUET, M. A. SILVA, S. S. Milton Santos: concepções de geografia, espaço e território. Geo UERJ - Ano 10, v.2, n.18, 2º semestre de 2008. p. 24-42

SAQUET, M. A. SPOSITO, E. S. O Conceito de Território no Brasil: Entre o Urbano e o Rural. Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.38, v.2, p.84-112, ago./dez. 2016

SCARIOT, Aldicir. Panorama da Biodiversidade Brasileira. In: GANEM, Roseli Senna (Org.) Conservação da biodiversidade: legislação e políticas públicas. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010. p. 111-130;

SCHULTZ, P. W. Inclusion with nature. Em P. Schmuck & W. P. Schultz (Eds.), Psychology of sustainable development (pp. 61-78). Norwell, MA: Kluwer Academic, 2002.

SKINNER, B. J. PORTER, S. C. The Dynamic Earth. 4 ed. New York: Jonh Wiley & Sons, 2000.

STOCKER, T.F., et al. Climate Change 2013: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, 2003.

TASSARA, E. T. O.; RABINOVICH, E. P. Perspectivas de psicologia ambiental. Estudos de Psicologia, Natal, v. 8, n. 2, p. 339-340, may/ago. 2003.

TURRA NETO, N. Múltiplas Trajetórias Juvenis em Guarapuava: territórios e redes de sustentabilidade. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente, SP, Brasil.

VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento Sustentável: O desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond Universitária, 2010. (Parte 1, Cap. 1, p. 17-82, Cap. 2, p. 83-105).

WIESENFELD, E. La psicología ambiental y el desarollo sostenible. Cual psicología ambiental? Cual desarollo sostenible? Estudos de Psicologia, Natal, v. 8, n. 2, p. 253-261, may/aug. 2003.

WILSON, E. O. Estratégia de conservação de biodiversidade. In: WRI/UICN/ PNUMA. Estratégia global da diversidade. Estratégia global da diversidade Fundação o Boticário de Proteção à Natureza. 1992. p. 19-36.

YILMAZ, A., ET AL., Comparisons of the suture zones along a geotraverse from the Scythian Platform99999 to the Arabian Platform, Geoscience Frontiers, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-178