Hipertensão arterial na infância como fator preditor e indicador de mortalidade de idosos / Arterial hypertension in childhood as a predictor and an indicator of mortality in the elderly

Lair Ferreira de Oliveira Filho, Maria Liz Cunha de Oliveira, Maria Liz Cunha de Oliveira, Maria Liz Cunha de Oliveira, Iara Dalila Tavares Duarte Medeiros, Iara Dalila Tavares Duarte Medeiros, Iara Dalila Tavares Duarte Medeiros

Abstract


Nas últimas décadas, a detecção de níveis elevados de pressão arterial tem aumentado substancialmente na infância, mostrando um indicador de hipertensão na fase adulta. O presente trabalho envolveu uma revisão bibliográfica de caráter descritivo e abordagem quantitativa mediante busca online no banco de dados da Biblioteca Virtual em Saúde BIREME/BVS; Scientific Eletronic Online (SciELO) e o banco de dados do DATASUS. Os critérios de inclusão foram estudos disponíveis na íntegra, em língua portuguesa e inglesa. Os critérios de exclusão: estudos incompletos, que não abordaram o tema de forma direta e artigos repetidos. O objetivo geral do estudo constou revisão de literatura sobre hipertensão arterial na infância, relacionando com as consequências da doença na fase adulta e com a mortalidade de idosos por problemas relacionados à hipertensão arterial. As considerações finais revelam que existem inúmeros fatores determinantes da trajetória dos níveis pressóricos e mostra que é possível contornar as consequências da doença na infância, fase adulta e na velhice, mediante ações efetivas de identificação dos fatores desencadeantes, prevenção e promoção da saúde.


Keywords


hipertensão arterial, mortalidade, crianças, idosos.

References


American Heart Association Council on High Blood Pressure Research. Circulation, v. 111, n. 5, pp. 697-716, 2005.

ARAÚJO, TL; LOPES, MVO; CAVALCANTE TF. Análise de indicadores de risco para hipertensão arterial em crianças e adolescentes. RevEscEnferm USP, v. 42, n. 1, pp. 120-6, 2007.

BARBOSA, JB; et al. Prevalência da hipertensão arterial em adultos e fatores associados em São Luís - MA. Arq. Bras. Cardiol.,, v. 91, n. 4, pp. 260-266, 2008 .

BARTOSH, SM; ARONSON, AJ. Childhood hypertension: update on etiology,

BECK, CC; LOPES, AS; PITANGA, FJ. Anthropometric indicators as predictors of high blood pressure in adolescents. Arq Bras Cardiol, v. 96, n. 2, pp. 126-33, 2011.

BERENSON, GS; et al. Cardiovascular Risk in Early Life: The Bogalusa Heart Study. New Orleans: Upjohn Company; 1991

BISI-MOLINA, MC; et al. Hypertension and salt intake in an urban population.Rev. SaúdePública, v. 37, n.6, pp. 743-50, 2003.

BORGES, LM; PERES, MA; HORTA, BL. Prevalência de níveis pressóricos elevados em escolares de Cuiabá, Mato Grosso. Rev Saúde Pública, v. 41, pp. 530-8, 2008.

BRANDAO, AA; et al. Conceituação, epidemiologia e prevenção primária. J. Bras. Nefrol., v. 32, supl. 1, p. 1-4, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Brasília; 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Cadernos de Atenção Básica nº 15. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Brasília, DF; 2006.

Buchala CM, Waldman EA. A mortalidade por doenças infecciosas no início e no final do século XX no Município de São Paulo. RevBrasEpidemiol. v. 6, pp. 335-344, 2003.

CAMPANA, EMG; et al. Pré-hipertensão em crianças e adolescentes. RevBrasHipertens, vol.16, n. 2, p. 92-102, 2009.

CAVALCANTE, MTG; et al. Consumo de sódio a partir de alimentos industrializados entre servidores de uma Universidade Pública Rev. Interd. Ciên. Saúde, v. 2, n. 3, pp. 103-11, 2015.

CHEN X; WHANG Y. Tracking of blood pressure from childhood to adulthood: a systematic review and meta-regression analysis. Circulation. v. 117, p. 3171–3180. 2008.

CRISPIM, PAA; PEIXOTO, MRG; JARDIM, PCBV. Fatores de Risco Associados aos NiveisPressoricos Elevados em Criancas de Dois a Cinco Anos. Arq. Bras. Cardiol., v. 102, n. 1, p. 39-46, 2014.

diagnosis and treatment. PediatrClin North Am, v. 46, pp. 235-52, 1999.

DORNINGER, FC. Hipertensão arterial em crianças e adolescentes: diagnóstico, etiologia e abordagem inicial. São Paulo. Tcc (residência médica)

DUNCAN, AF; et al. Interrater reliability and effect of state on blood pressure measurements in infants 1 to 3 years of age. Pediatrics. v. 122, n. 3, pp. 590-4, 2008.

EUA. National High Blood Pressure Education Program Working Group on High Blood Pressure in Children and Adolescents. The Fourth Report on the Diagnosis, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure in Children and Adolescents. Pediatrics., v. 114, pp. 555-76, 2004.

FERREIRA, JS; AYDOS, RD. Prevalência de hipertensão arterial em crianças e adolescentes obesos. Ciênc Saúde Coletiva, v. 15, pp.15:97-104, 2010.

FERREIRA, SD; et al. Prevalência e fatores associados ao sobrepeso/obesidade e à hipertensão arterial sistêmica em crianças da rede privada de ensino de Divinópolis/MG. Cad. saúde colet. [online], v. 23, n.3, pp. 289-297, 2015.

FRANKLIN, SS; et al. Predictors of newonset diastolic and systolic hypertension: the Framingham Heart Study. Circulation, v. 111, pp. 1121-27, 2005.

GARCIA, FD; et al. Avaliação de fatores de risco associados com elevação da pressão arterial em crianças. J. Pediatr, v. 80, n. 1, pp. 29-34, 2004

GAVISH, B.; IZZO-JR, J. Arterial Stiffness: Going a Step Beyond. Am J Hypertens., [S.I.], v. 29, n.11, p. 1223-1233, nov. 2016.

GOMES, BMR; ALVES, JGB. Prevalência de hipertensão arterial e fatores associados em estudantes de ensino médio de escolas públicas da Região Metropolitana do Recife, Pernambuco, Brasil, 2006. Cad Saúde Pública, V. 25, PP. 375-81, 2009.

GOMES, LAN; FALCAI, A. Os fatores de risco envolvidos no desenvolvimento da hipertensão arterial infantil e suas consequências. Rev. Investig, Bioméd. São Luís, v. 9, n. 2, pp: 198-209, 2017.

GUS, I; et al. Prevalência, reconhecimento e controle da hipertensão arterial sistêmica no estado do Rio Grande do Sul. Arq Bras Cardiol., v. 83, n. 5, pp. 424-8, 2004.

GUYTON, AC; HALL, JE. Tratado de Fisiologia Médica. 10ª ed. São Paulo: Guanabara Koogan; 2002.

HANSEN, ML; GUNN, PW; KAELBER, DC. Underdiagnosis of hypertension in children and adolescents. JAMA, v. 298, n. 8, pp. 874-9, 2007.

KAVEY, R.; DANIELS, SR; FLYNN, JT. Management of high blood pressure in children and adolescents. CardiolClin, v. 28, n. 4, pp. 597-607.

KOEBNICK C, BLACK MH, JUN WU, et al. High Blood Pressure in Overweight and Obese Youth: Implications for Screening. J Clin Hypertens. v.15, n.11, p. 793-805. 2013.

KOVACIC, J. C. et al. Cellular senescence, vascular disease, and aging: Part 1 of a 2-part review. Circulation, [S.I.], v. 123, n. 15, p. 1650-60, abr. 2011.

LAUER, RM; et al. Childhood predictors of future blood pressure. Hypertension, v. 18, n. 2, pp. 174-81, 1991.

LOPES AA. Revisão/Atualização em Hipertensão Arterial: Influência de fatores étnicos e raciais na hipertensão arterial. J BrasNefrol, v. 21, n. 2, pp. 82-4, 1999.

MAKDISSE M, PEREIRA AC, et al. Prevalência e fatores de risco associados à doença arterial periférica no projeto corações do Brasil. Arq Bras Cardiol. v. 91, n. 6, p. 402- 414, 2008.

MALTA, D; MORAIS NETO, O; SILVA JUNIOR, J. Apresentação do plano de ações estratégicas parágrafo o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a 2022. EpidemiolServ Saúde, v. 20, n. 4, p. 425-38, 2011.

MENNI, C. et al. Heritability analyses show visit-to-visit blood pressure variability reflects different pathological phenotypes in younger and older adults: evidence from UK twins. J. Hypertens., [S.I.], v. 31, n. 12, p. 2356-61, Dez. 2013.

MIDGLEY, JP; et al. Effects of reduced dietary sodium on blood pressure: a meta-analysis of randomized controlled trials. JAMA, v. 275, pp. 1590-7, 1996.

MONEGO, ET; JARDIM, PCBV. Determinantes de risco para doenças cardiovasculares em escolares. Arq Bras Cardiol, v. 87, pp. 37-45, 2006.

NETO, JOR; et al. Obesidadecomofator de risco para hipertensão arterial emcrianças e adolescentes. RECMVR, v. 1, pp – 41-44, fev. 2018.

OLIVEIRA TC, MEDEIROS WR, LIMA KC. Diferenciais de mortalidade por causas nas faixas etárias limítrofes de idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol, v. 18, n. 1, p. 85-94. 2015.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Tratamiento de lahipertensión arterial: guíapráctico para el médico yotros agentes de salud. Genebra; 1985.

PAULA, N; et al. Prática de atividade física: correlação entre a prática na infância e na vida adulta. Colloquium Vitae, Presidente Prudente, v.3, n.2, p. 15-20, jul/dez. 2011.

PICKERING, TG; et al. Recommendations for blood pressure measurement in humans and experimental animals: part 1: blood pressure measurement in humans: a statement for professionals from the Subcommittee of Professional and Public Education of the

PIERIN, AMG; et al. O perfil de um grupo de pessoas de acordo com conhecimento e gravidade da doença. RevEsc Enfermagem USP, v. 35, n. 1, pp. 11-8, 2001.

PINTO, SL; et al. Prevalência de pré-hipertensão e de hipertensão arterial e avaliação de fatores associados em crianças e adolescentes de escolas públicas de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27, n. 6, p.1065-1075, 2011.

REIS, EC; et al. Screening children to identify families at increased risk for cardiovascular disease. Pediatrics, v. 118, pp. 1789-97, 2006.

RINALDI, A. E. M. et al. Prevalência de pressão arterial elevada em crianças e adolescentes do ensino fundamental. Rev Paul Pediatr. v. 30, n.1, p. 79-86, 2012.

ROSA, AAA; RIBEIRO, JP. Hipertensão arterial na infância e na adolescência, fatores determinantes. Jornal de pediatria. Rio de Janeiro. v. 75, n.2, pp. 75-82, 1999.

ROSANELLI, CF; et al. Aumento da Pressão Arterial e Obesidade na Infância: Uma Avaliação Transversal de 4.609 Escolares. ArqBrasCardiol, v. 103, n. 3, pp. 238-244, 2014.

SALGADO, CM; CARVALHAES, JTA. Hipertensão arterial na infância. J Pediatr (Rio J), v. 79, sup. 1, pp.115-24, 2003.

SARNO, F; et al. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Rev. Saúde Pública, v. 47, n.3, pp.571-8, 2013.

SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. v. 95, n. 1 (Supl.1), p. 1-51, 2010.

SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Sociedade Brasileira de Hipertensão. Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. ArqBrasCardiol, v. 95, n. 1, pp. 1-51, 2010.

SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. v. 107, n. 3, Supl. 3, set. 2016.

SBD. Sociedade Brasileira de Diabetes. XII Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2015-2016. [acessado 2022 Abr 9]. Disponível em: http://www.diabetes. org.br/sbdonline/images/docs/DIRETRIZES-SBD-2015-2016.pdf

SBH. Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. RevBrasHipertens. v.13, n.1, p.1-68, 2010.

SILVA, AS; PASSOS, ADC. In: Brandão AA, et al. Prevenção primária da hipertensão arterial. Hipertensão, pp. 269-75, 2006.

SOROF, J; DANIELS, S. Obesity hypertension in children: a problem of epidemic proportions. Hypertension, v. 40, n.4, pp. 441-7, 2002.

WHO. World Health Organization (WHO). Cardiovascular disease [Internet]. 2016 [acessado 2020 abr 09]. Disponível em:http://www.who.int/cardiovascular_diseases/en/.

WHO. World Health Organization (WHO). Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva: WHO; 2009

WHO. World Health Organization. Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO; 1998.

ZHAO, D; et al. Dietary factors associated with hypertension. Nat Rev Cardiol., v. 8, n. 8, pp. 456-65, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-183