Obra no sistema de esgoto de Sítio Novo-TO e os reflexos ocasionados na saúde pública municipal / Work in the Sítio Novo-TO sewage system and the reflections caused on municipal public health

Vinícius Chaves Campos, Joel Carlos Zukowski Junior, Aurélio Pessôa Picanço, Clara Vargas da Silva Labre, Nícolas Maracaípe Lima

Abstract


A pesquisa foi realizada em um município brasileiro, do estado do Tocantins, denominado Sítio Novo que apresentava o sistema de esgotamento sanitário (SES) desativado no período de 2015 a 2019 e com estruturas em condições precárias.  Foi realizado uma obra em 2020 e 2021 para colocar em operação o sistema de esgoto, sendo que a primeira etapa foi realizar a reestruturação da estação de tratamento de esgoto (ETE) e da estação elevatória de esgoto 03 (EEE 03), que recalca os efluentes, para o tratamento. Na sequência, realizou-se serviços, para operacionalizar as outras as sub-bacias que contribuem com as EEE 01e EEE 02.Esses procedimentos adotados, conseguiu colocar em operação o presente sistema e  pode servir como modelo para municípios de países da américa de Sul, que são nações que possuem índice de desenvolvimento humano e estruturas de sistema de esgotamento sanitário relativamente semelhantes ao do Brasil. Ao analisar no banco de dados do Sistema do Departamento de Informática do SUS- Datasus, informações referente a ocorrência da diarreia e gastroenterite de origem infecciosa presumível e outras hepatites virais ( diferente da aguda B), observou-se que após a execução da obra, ocorreu uma redução do quantitativo de pessoas com essas doenças na cidade.


Keywords


sistema de esgoto, saude publica, sítio novo-to, operação de sistema.

References


BILIBIO, ELAINE CLAUDIA FARINELI et al. SANEAMENTO BÁSICO UM DIREITO FUNDAMENTAL DA POPULAÇÃO. Percurso, v. 2, n. 39, p. 274-282, 2021.

BRASIL, CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico. Diário Oficial da União, 2007.

DE FUNASA, MANUAL DE SANEAMENTO; ORIENTAÇÕES TÉCNICAS.,2007. https://wp.ufpel.edu.br/ccz/files/2016/03/FUNASA-MANUAL-SANEAMENTO.pdf

DOS SANTOS LISBOA, Danielle Cristina et al. Sistema de esgotamento sanitário estação elevatória de esgoto e linha de recalque em um residencial. Engineering Sciences, v. 7, n. 3, p. 9-26, 2019.

DOS SANTOS LIMA, Jarleson et al. Morbidade e mortalidade por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado em Belém do Pará. Ciência e Sustentabilidade, v. 4, n. 2, p. 115-132, 2018.

Do SNIS, caderno temático; Do SNIS ao SINISA , Informações , para planejar o Esgotamento Sanitário. Diagnóstico SNIS-AE 2019, publicado 2020 http://www.snis.gov.br/downloads/cadernos/2019/DO_SNIS_AO_SINISA_ESGOTO_SNIS_2019.pdf

IBGE, Censo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE,2021. https://cidades.ibge.gov.br/brasil/to/sitio-novo-do-tocantins/panorama

IBNET ( acessado em 21/07/2021) The International Benchmarkig Network. https://www.ib-net.org/

LIMA, Areta Cristina et al. DATASUS: o uso dos Sistemas de Informação na Saúde Pública. Refas-Revista Fatec Zona Sul, v. 1, n. 3, p. 16-31, 2015.

UNITED NATIONS. Human Development Report 2020–the Next Frontier: Human,2020 Development and the Anthropocene. https://hdr.undp.org/sites/default/files/hdr2020.pdf.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-191