A tecnologia digital como ferramenta na atenção farmacêutica das doenças hipertensivas e diabetes mellitus / Digital technology as a tool in pharmaceutical care of hypertensive diseases and diabetes mellitus

Wildson Ítalo da Silva, Daniele Reis da Costa, Vanessa Souza da Silva, Neuza Biguinati de Barros, Rogelio Rocha Barros

Abstract


A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) enquadra-se como uma doença crônica não transmissível (DCNT), caracterizada por aumento contínuo da pressão arterial. Quando elevada, a pressão sistólica é igual ou superior a 140 mmHg e/ou pressão diastólica igual ou superior a 90 mmHg. Essa aferição deve ser efetuada com aparelho adequado em, no mínimo, duas situações distintas e sem o uso de medicamentos com finalidade anti-hipertensiva. O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônica, que ocorre, no momento em que o pâncreas não é mais capaz de produzir insulina ou quando o corpo não consegue fazer bom uso da insulina que produz. A DM pode ser classificada em Tipo 1, uma doença autoimune, em que o sistema imunológico do corpo ataca as células beta-pancreáticas. Assim, ocorre uma deficiência completa na produção de insulina, tornando-se necessária a reposição com insulina exógena; e o tipo 2 na qual, a hiperglicemia resulta da produção inadequada de insulina e incapacidade do corpo para responder plenamente a este hormônio, definido como resistência à insulina. A utilização de aplicativos móveis na área da saúde está em crescente expansão, pois esse tipo de suporte pode proporcionar aos profissionais alcançarem mais precisão e agilidade em seus trabalhos. Assim, como o monitoramento remoto, o apoio ao diagnóstico e o apoio à tomada de decisão. Existem tanto no mercado nacional quanto internacional inúmeras ferramentas com o intuito de auxiliar o farmacêutico na prática da atenção farmacêutica, o que pode resultar em uma melhoria significativa na qualidade de vida do paciente hipertenso e diabético. Objetivos: Descrever o efeito de uma intervenção telefônica do farmacêutico para com paciente na identificação de barreiras à adesão na melhoria dos efeitos farmacológicos dos medicamentos entre pacientes não aderentes com hipertensão e/ou diabetes mellitus. Ainda analisar e informar a importância de uso das tecnologias digitais como ferramentas no auxílio do profissional farmacêutico na prestação do serviço de atenção farmacêutica nas doenças hipertensivas e diabetes mellitus, de forma prática e eficiente. Dessa forma, como resultados deste estudo, a literatura mostra-se o quanto é importante as tecnologias e aplicativos móveis que estão colaborando para a construção de uma nova modalidade na atenção farmacêutica e assistência em saúde como nas doenças crônicas com pessoas hipertensas e pessoas diabéticas, no qual, os aplicativos móveis torna-se uma ferramenta de informações e comunicações referentes à saúde destas pessoas.


Keywords


tecnologia móvel, atenção farmacêutica, hipertensão arterial sistêmica, diabetes millitus.

References


ABUGHOSH, S. M; et al. A Pharmacist Telephone Intervention to Identify Adherence Barriers and Improve Adherence Among Nonadherent Patients with Comorbid Hypertension and Diabetes in a Medicare Advantage Plan. Journal of Managed Care & Specialty Pharmacy, v. 22, n. 1, p. 63-73, jan. 2016.

AHMED, I. et al. Medication Adherence Apps: Review and Content Analysis. JMIR mHealth and uHealth, v. 6, n. 3, p. 62, Mar. 2018.

ALVIM, A. L.; COUTO, B. Hands Clean – Taxa Automática Para Higienização Das Mãos: Desenvolvimento de Aplicativo Para Controladores de Infecção. Revista oficial do Conselho Federal de Enfermagem – COFEN, v. 10, n. 3, p. 147-151, 2019.

AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Standards of medical care in diabetes– 2019. EUA. (2019). Disponível em: https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/pdf/Diretriz-2019-ADA.pdf. Acesso em: 11 de março de 2022.

BAILEY, G. R; et al. Assessing barriers to medication adherence in underserved patients with diabetes in Texas. Education Diabetes, v. 38, n. 2, p. 271-279, Mar./Apr. 2012.

BARRA, D. C. C. et al. Métodos para desenvolvimento de aplicativos móveis em saúde: revisão integrativa da literatura. Revista Texto & Contexto Enfermagem, v. 26, n. 4, p. 2260017, 2017.

BARRETO, M. S. et al. Prevalência de não adesão à farmacoterapia anti-hipertensiva e fatores associados. Revista Brasileira de Enfermagem, Maringá, v. 68, n. 1, p. 60- 67, jan./fev. 2015.

BARROSO, W. K. S. et al. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – 2020. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v, 116, n. 3, p. 516–658, março de 2021.

BINDHIM, N.F.; FREEMAN, B.; TREVENA, L. Pro-smoking apps for smartphones: the latest vehicle for the tobacco industry? Tobacco Control, v. 23, n. 1, 2014.

BOBROW, K; et al. Efficacy of a text messaging (SMS) based intervention for adults with hypertension: protocol for the StAR (SMS Text-message Adherence suppoRt trial) randomised controlled trial. BMC Public Health, v. 11, n. 14, p. 28, Jan. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de Atenção Básica, n. 36).

BRASIL. Sociedade Brasileira de Hipertensão. Sociedade Brasileira de Nefrologia. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Diretrizes, v. 116, n. 3, 2020.

BRUTSAERT, E. F. Diabetes mellitus (DM). (2020). Manual MSD, Versão Saúde para a Família. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-hormonais-e-metab%C3%B3licos/diabetes-mellitus-dm-e-dist%C3%BArbios-do-metabolismo-da-glicose-no-sangue/diabetes-mellitus-dm Acesso em: 11 de março de 2022.

BURBANK, A. J. et al. Mobile-based asthma action plans for adolescents. Journal of Asthma, v. 52, n. 6, p. 583-586, 2015.

CASTRO, R. M. F. de. et al. Diabetes mellitus e suas complicações - uma revisão sistemática e informativa. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 3349-3391, jan./feb. 2021.

FABENE, M. R. et al. Comportamento digital de pacientes com hipertensão arterial sistêmica na atenção primária em Maringá/PR. XI EPCC – Encontros Internacional de Produção Científica. Anais Eletrônico. 29 e 30 de outubro de 2019.

FERREIRA, D. P.; GOMES JUNIOR, S. C. dos S. Aplicativos móveis desenvolvidos para crianças e adolescentes que vivem com doenças crônicas: uma revisão integrativa. Interface (Botucatu), v. 25, n. 17, maio, 2021.

GALINDO NETO, N. M.; et al. Covid-19 e tecnologia digital: aplicativos móveis disponíveis para download em smartphones. Revista Texto & Contexto Enfermagem, v. 29: e 20200150, 2020.

GAMA, L. N.; TAVARES, C. M. M. Desenvolvimento e avaliação de aplicativo móvel na prevenção de riscos osteomusculares no trabalho de enfermagem. Revista Texto & Contexto Enfermagem, v. 28: e 20180214, 2019.

GARNWEIDNER-HOLME, L. et al. Health care professionals’ attitudes toward, and experiences of using, a culturesensitive smartphone app for women with gestational diabetes mellitus: qualitative study. JMIR Mhealth Uhealth, v. 14, n. 6(5), p. 123, 2018.

GAUTÉRIO-ABREU, D. P. et al. Prevalência de adesão à terapêutica medicamentosa em idosos e fatores relacionados. Revista Brasileira de Enfermagem, Rio Grande, v. 69, n. 2, p. 335-342, mar./abr. 2016.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION (IFD). Diabetes prevention. (2020) [online]. Disponível em: www.idf.org/aboutdiabetes/prevention.html. Acesso em: 11 de março de 2022.

KANNISTO, K. A.; KOIVUNEN, M. H.; VÄLIMÄKI, M. A. Use of mobile phone text message reminders in health care services: a narrative literature review. Journal of Medical Internet Research, v. 17, n. 16(10), p. 222, Oct. 2014.

KLEIN, E. C. Diabetes mellitus tipo 1 adquirido na infância, e a importância da profissional farmacêutico. FACIDER Revista Científica, Colider. 2015.

KUHMMER, R. et al. Effectiveness of multidisciplinary intervention on blood pressure control in primary health care: a randomized clinical trial. BMC health services research, v. 16, n. 1, p. 1-13, 2016.

LADEIA, F. J. M.; et al. Análise do entendimento do paciente sobre programa de automonitoramento da diabetes. (2020). Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/12235/10271. Acesso em: 11 de março de 2022.

LIMA, C. J. M; et al. Desenvolvimento e Validação de um Aplicativo Móvel para o Ensino de Eletrocardiograma. Revista brasileira de educação médica, v. 43, n.1, p. 157-165, 2019.

LIMA, C. S. P.; BARBOSA, S. de F. F. Aplicativos móveis em saúde: caracterização da produção científica da enfermagem brasileira. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 21, n. 53278, p. 1-11, 2019.

LUCCHETTI, G. et. al. Polifarmácia e adequação no uso de medicamentos. In: FREITAS, E.; PY, L. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2018.

MACHUCA, M.; PARRAS, M. Guía de seguimiento farmacoterapéutico sobre hipertensión (2012). Disponível em: http://www.ugr.es/~cts131/esp/guias/GUIA_HIPERTENSION.pdf. Acesso em: 11 de março de 2022.

MALACHIAS, M. V. B. et al. 7ª. Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Revista Brasileira de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia - ABC Cardiol, São Paulo, v. 107, n. 3, supl. 3, p. 7-13, Sept. 2016.

MARQUES, L. Artigo científico estudo do uso de medicamentos por portadores de diabetes mellitus atendidos em uma farmácia básica municipal. TCC (Graduação em Farmácia) - Centro Universitário UNIFG. Guanambi-BA, 2021.

MARTINS, M. de A. (ed.). Manual do Residente de Clínica Médica. 2º. ed. [S. l.]: Manole, 2017

MARTINS, M. de A. et al, (ed.). Clínica Médica. [S. l.]: Manole, 2009.

MEHRAEEN, E. et al. Mobile-based applications and functionalities for self-management of people living with HIV. Studies in Health Technology and Informatics, n. 248, p. 172-179, 2018.

MENDEZ, C. B. et al. Aplicativo móvel educativo e de follow up para pacientes com doença arterial periférica. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 27: e 3122, 2019.

MILLS, K. T.; STEFANESCU, A.; HE, J. The global epidemiology of hypertension. Nature Reviews Nephrology, v.16, n. 4, p. 223-237, 2020.

MOORE, J. M; et al. Impact of a patient-centered pharmacy program and intervention in a high-risk group. Journal of Managed Care & Specialty Pharmacy, v. 19, n. 3, p. 228-236, 2013.

MOSA, A. S. M.; YOO, I.; SHEETS, L. A systematic review of healthcare applications for smartphones. BMC Medical Informatics and Decision Making, v. 10, n. 12, p. 67 May. 2012.

NAKAHARA M. Mídias sociais e as fronteiras do privado dentro das empresas: políticas e práticas de comunicação. Dissertação (Mestrado em comunicação) - Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, 2017. 106 p.

NAVARRO, B. R. et al. Adafarma: aplicativo para auxílio na fase de aderência ao tratamento. XIII Congresso Brasileiro em Informática em Saúde, Curitiba, 2012.

OLIVEIRA, A. R. F. de; ALENCAR, M. S. de. M. O uso de aplicativos de saúde para dispositivos móveis como fontes de informação e educação em saúde. RDBCI: Revista Digital Biblioteconomia e Ciência da Informação. Campinas, SP, v. 15, n. 1, p.234-245, jan./abr. 2017.

OLIVEIRA, G. M. M. et al. Diretrizes em Hipertensão Arterial para Cuidados Primários nos Países de Língua Portuguesa. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 109, n. 5, p. 389-396, 2017.

PÁDULA, M. et al. Atenção Farmacêutica e Atenção Flutuante: formações de compromisso entre Farmácia e Psicanálise. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 609-618, 2014.

PERES, H. A.; PEREIRA, L. R. L. Hipertensão Arterial Resistente: Uma oportunidade para o farmacêutico desenvolver o cuidado farmacêutico. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, Ribeirão Preto, v. 36, n. 4, p. 483-489, 2015.

PRÉCOMA, D. B. et al. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brazileira de Cardiologia – 2019. Arquivos Brasileiros de Cardiologia - ABC Cardiol, v. 113, n. 4, p. 787-891, 2019.

RAMOS, G. B. Elaboração de vídeos educativos para pessoas com Diabetes Mellitus. Graduação (Bacharelado em Nutrição) - Centro de Ciências da Saúde - Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis/SC, 2021.

REIS, A. M. M. Atenção Farmacêutica e o uso racional de medicamentos. (2008). Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/535/1/IDSC11072014.pdf. Acesso em: 11 de março de 2022.

RIBEIRO, M. de S. F.; FARIA, L. A. da.; LEMOS, G. da S. Atenção farmacêutica em paciente com hipertensão arterial sistêmica em uma unidade de saúde de Jequié, Bahia. J Manag Prim Health Care, v. 4, n. 3, p. 176-182, 2013.

SANTOS A. O; et al. Desenvolvimento e Avaliação de uma Plataforma Colaborativa Digital para Educação e Tomada de Decisão Médica Baseada em Evidências. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 43, n. 1, p. 513-524, 2019.

SANTSCHI, V; et al. Pharmacist interventions to improve cardiovascular disease risk factors in diabetes: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Diabetes Care, v. 35, n. 12, p. 2706-2717, Dec. 2012.

SBD - SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes 2019-2020. São Paulo, Editora Clannad, 2020.

SILVA LUCENA. J. B. da. Diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2. TCC (Graduação em Farmácia) - Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. São Paulo/ 2007.

STANTON-ROBINSON, C; et al. Evaluation of community pharmacist-provided telephone interventions to improve adherence to hypertension and diabetes medications. Journal of the American Pharmacists Association (2003), v, 58, n. 4, p. 120-124, Jul./Aug. 2018.

TIBES, C. M. dos S; DIAS, J. D.; ZEM-MASCARENHAS, S.H. Aplicativos móveis desenvolvidos para a área da saúde no Brasil: revisão integrativa da literatura. Revista Mineira de Enfermagem – REME, v. 18, n. 2, 2014.

VIEIRA, L. M. M. et al. A importância da atenção farmacêutica em pacientes hipertensos. Revista Saúde em Foco, n. 11, p. 454- 462, 2019.

VIEIRA, V. H. F. B. O papel do enfermeiro no tratamento de pacientes com diabetes descompensada. Trabalho de Conclusão de Curso [Especialização em Urgência e Emergência], Faculdade Redentor, Itaperuna, 2012.

WESCHENFELDER, M. D.; GUE, M. J. Hipertensão arterial: principais fatores de risco modificáveis na estratégia saúde da família. Revista Enfermería Global, n. 26, p. 354-363, abr. 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-192