A psicopatologia na visão fenomenológica e a medicalização da existência na atualidade / Psychopathology in phenomenological vision and medicalization of existence today

Soraya da Nóbrega Lellys Burkhardt, Marília Araújo Reul, Maria Victoria Reis de Vasconcelos, Élida Batista Vieira Sousa Cavalcanti, Olívia Dayse Leite Ferreira, Kay Francis Leal Vieira, Maria Denise Leite Ferreira, Aleson Pereira de Sousa

Abstract


O fenômeno da patologização sob o olhar da medicalização na contemporaneidade tem sido um indicador negativo ao indivíduo enquanto pessoa-pensante nos diferentes espaços do cotidiano. Ademais, tal condição pode comprometer nos sentidos e significados de suas experiências, roubando-lhe a liberdade e a própria responsabilidade. Essa ordem discursiva, resultante de um discurso biomédico, leva-se à prática da medicalização frente às adversidades da vida, gerando, pois, o que se denomina de angústia existencial. A problemática envolvida no presente artigo foi: Como a medicalização pode afetar os fenômenos existenciais do homem? Para isso, objetivou-se descrever acerca da Psicologia Fenomenológica-Existencial agregada à Medicalização da Existência, levantar reflexões quanto ao uso injustificável (abusivo) dos psicofármacos e a sua relação com a indústria farmacêutica. Tratou-se de um estudo exploratório, a partir dos métodos de uma revisão integrativa da literatura das seguintes bases de dados: LILACS, PEPSICO e Google Acadêmico; em artigos indexados nos últimos 12 anos. Dos 20 trabalhos selecionados, concluiu-se que a visão fenomenológica contempla o homem como ser singular e pluridimensional em um mundo cheio de sentido, e que o sofrimento humano é concebido a partir da privação da realização da liberdade existencial, que quando presos a uma perspectiva negativa de sua própria existência, adoecem, passando a apresentar uma visão distorcida de si. Os psicofármacos aparecem como solução rápida e prática às suas problemáticas, tratando como doença o que é normal à existência. A visão fenomenológica da psicopatologia e a medicalização da existência, representam conhecimentos estruturantes a um novo saber acerca do sofrimento humano e a relação com a existência, em prol de um olhar ressignificado.


Keywords


visão fenomenológica, psicopatologia, medicalização, existência.

References


ABRAMOV, Marques; DIMITRI, Mourão Júnior; Carlos Alberto. A psiquiatria enquanto ciência: sobre que bases epistemológicas sua prática se sustenta? Psicologia em Estudo, v. 21, n. 4, octubre-diciembre, Maringá, 2016.

ARAÚJO, Ariana Maria Leite. O diagnóstico na abordagem fenomenológica-existencial. Revista IGT na Rede, v.7, n. 13, 2010. Disponível em: http://www.igt.psc.br/ojs/ ISSN 1807-2526. Acesso em: 10 de nov. de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Uso de Medicamentos e Medicalização da Vida: recomendações e estratégias. Brasília: Ministério da Saúde 2019.

BARROS, M.B.A., et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de COVID-19. Epidemiol. Serv. Saude, Brasília, 29(4):e2020427, 2020.

BALAYSSAC, D. et al. Use of Psychotropic Medications and Illegal Drugs, and Related Consequences Among French Pharmacy Students – SCEP Study: A Nationwide Cross-Sectional Study. Frontiers in Pharmacology, v. 9, p.1-12, 2018.

BEZERRA I. C. et al. "Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá": processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface, Botucatu. 2014.

BLOC. Lucas. et al. Fenomenologia do corpo vivido na depressão. Psicologia Social Comunitária e Saúde Mental • Estud. psicol. v. 20, n. 4 • Oct-Dec, Natal, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/epsic/a/SH6DkGnCYvL9XTCrN3QVGKL/?lang=pt. Acesso em: 10 de nov. de 2021.

BRITO, Raquel Cristina da Costa; SILVA, Jeann Bruno Ferreira da. O imediatismo frente ao sofrimento psíquico. Revista Amazônia Science & Health, v. 7, n. 4, 2019. Disponivel em: http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/article/view/3064/1554. Acesso em: 10 de nov. de 2021.

CONRAD, Peter. (2007). The medicalization of society: On the transformation of human conditions into treatable disorders. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press.

CORDIOLI, A. V. Psicofármacos nos transtornos mentais. Consulta rápida, 5ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2015.

CRUZ, R. M., et al. COVID-19: Emergência e Impactos na Saúde e no Trabalho. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 20, n. 2, abr-jun. 2020, I-III.

DONZELLI, T. O gestaltismo ensaio sobre uma filosofia da forma. Rio de Janeiro: Editora Antares, 1980.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo. A Fenomenologia como Método de Investigação nas Filosofias da Existência e na Psicologia. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 30 n. 4, p. 441-447, 2014.

FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de. A clínica psicológica em uma inspiração fenomenológica – hermenêutica. Estud. pesqui. psicol., v. 12, n. 3, p. 973-986, Rio de Janeiro, 2012.

FRANCES, A. Fundamentos do diagnóstico psiquiátrico: respondendo às mudanças do DSM-5. Porto Alegre: Artmed, 2015.

FERREIRA, E. et al. Satisfação dos Idosos em relação ao Serviço Público de Saúde: uma revisão integrativa de literatura. Research, Society and Development, v. 9, n. 6, p. e196963502-e196963502, 2020.

FONTANA, Antonio Matos. Manual de clínica em psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora Atheneu; 2005.

HENRRIQUES, Rogério Paes. A medicalização da Existência e o Descentramento do sujeito na atualidade. Revista Mal-estar e Subjetividade, v. XII n. 3-4, p. 793. Set/dez. Fortaleza, 2012.

HOLANDA, Adriano F. Psicoterapia e Brasilidade: Gênese e histórico da psicopatologia fenomenológica. p. 115-160, Brasília: Editora Cortez, 2011.

ILLICH, Ivan. A Expropriação da Saúde: nemesis da Medicina. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1975.

KARWOWSKI, Silverio Lucio. Por um entendimento do que se chama psicopatologia fenomenológica. Rev. Abordagem Gestalt, v. 21, n. 1, p. 62-73. 2015..

LEMOS, Flávia Cristina Silveira. Resistências frente à medicalização da existência. Fractal, Rev. Psicol. V. 31, n. 2, May-Aug, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/fractal/a/NZsRGYCTjP5JxYDWGYHDzkt/?lang=pt. Acesso em: 10 de nov. de 2021.

MADRUGA, C. S.; PAIM, T. L.; PALHARES, H.N.; MIGUEL, A. C.; MASSARO, L. T. S.; CAETANO, R., et al. Prevalence of and pathways to benzodiazepine use in Brazil: the role of depression, sleep, and sedentary lifestyle. Braz J Psychiatry, 2019; 41:44-50.

MARCONDES, Danilo. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos A Wittgenstein. 6. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zarah Ed., 2001.

MERLEAU-PONTY, M. Le monde sensible et le monde de l'expression: Cours au Collège de France, notes, 1953 Genève: Metispresses, 2011.

OPALEYE, E. S. et al. Nonprescribed use of tranquilizers and use of other drugs among Brazilian students. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 36, p. 16–23. 2014.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE- OPAS. Brasília (DF); 2018.

PHILLIPS, J., Prescription drug abuse: Problem, policies, and implications. Nursing outlook, v. 61, n. 2, p. 78-84. 2013.

ROMERO, E. O Inquilino do Imaginário: Formas de Alienação e Psicopatologia. São Paulo: Lemos Editoral, 1997.

SADOCK, B.J.; SADOCK, V.A.; SUSSMAN, N. Manual de Farmacologia Psiquiátrica de Kaplan & Sadock. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

SILVA, S. S. da. et al. A fenomenologia existencial e a psicopatologia: tecendo os fios dessa relação. 2013.

SILVA, Ellen Fernanda Gomes da. Sofrimento humano e medicalização: considerações para a clínica psicológica. Rev. Psicologia Argumento; v. 35, n. 88, p. 82-97, jan./abr. 2017.

SILVA, Ellen Fernanda Gomes da; BARRETO, Carmem. A tarja preta da medicalização: reflexões para a clínica psicológica. Rev. NUFEN, v. 11, n. 1, p. 86-101. 2019.

SOUZA, Marcela Tavares de.; SILVA, Michelly Dias da.; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: O que é e como fazer. Einstein 2010.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, Michelly Dias da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 102-106, mar. 2010.

TENÓRIO, Carlene Maria Dias. A psicologia e o diagnóstico numa abordagem fenomenológica-existencial. Revista Universitas Ciências da Saúde, v. 1, n. 1, p. 31-44. 2003.

WARNER, M. et al. Drugs most frequently involved in drug overdose deaths: United States, 2010-2014. National vital statistics reports: from the Centers for Disease Control and Prevention, National Center for Health Statistics. National Vital Statistics System, v. 65, n. 10, p. 1-15. 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Medication Safety in High-risk situations- Technical reports. Genebra: WHO; 2020.

ZORZANELLI, Rafael Teixeira; ORTEGA, Francisco; BEZERRA JÚNIOR, Benilton. Um panorama sobre as variações em torno do conceito de medicalização entre 1950-2010. Ciência & Saúde Coletiva, v.. 19, n. 6 , pp. 1859-1868, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-195