Práticas corporais, atividades físicas e ações de nutrição melhoram diferentemente parâmetros antropométricos de usuários do serviço de orientação ao exercício / Body practices, physical activities, and nutrition intervention improve differently anthropometric parameters of exercise guidance service

Amanda Motta de Bortoli, Bruna de Amorim Fiorotti, Giovana de Souza Alvim, Sara Dal'Rio Silva, Patricia Helena Teixeira Gomes, Fabiano Kenji Haraguchi

Abstract


O excesso de peso é um fator de risco para as doenças crônicas não transmissíveis, e o Serviço de Orientação ao Exercício busca promover ações para o seu enfrentamento. Avaliar o impacto de ações de alimentação e nutrição sobre parâmetros antropométricos de frequentadores de módulos do serviço, localizados em regiões socioeconômicas distintas. Trata-se de um estudo prospectivo, de intervenção. Os frequentadores incluídos no estudo foram aleatoriamente alocados em 2 grupos, intervenção (GI), que recebeu ações de alimentação e nutrição, e controle (GC). Peso, Índice de Massa Corporal e circunferência da cintura foram avaliados no início do estudo e após 3 meses. O teste T de student ou U de Mann-Whitney foram utilizados, conforme a distribuição dos dados, e α=5%. Participaram do estudo 125 indivíduos (GI = 80; GC = 45). Apenas os participantes do GI apresentaram redução em todos os parâmetros antropométricos (p<0.05). Entretanto, quando estratificado por módulo, os resultados foram distintos, com redução nos parâmetros antropométricos nos grupos GI e GC (p<0,05) (Praia de Camburi), ou apenas no GI (Parque Moscoso). A intervenção nutricional promoveu melhora dos parâmetros antropométricos, mas com resultados distintos nos módulos, sugerindo que as ações devem ser continuadas, conforme as características socioeconômicas de cada região.


Keywords


obesidade, serviços de saúde, hábitos alimentares.

References


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2020: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília; 2021.

Mássimo ED, Freitas MI. Riscos para doenças crônicas não transmissíveis na ótica de participantes do Vigitel. Saúde Soc, 2014;23:651-63. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000200024.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil, 2021-2030. Brasília: Ministério da Saúde; 2021.

Brasil. Portaria nº 2681, de 7 de novembro de 2013. Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 2013; 8 nov.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Panorama nacional de implementação do Programa Academia da Saúde: monitoramento nacional da gestão do Programa Academia da Saúde: ciclo 2016. Brasília, Ministério da Saúde; 2017.

Deus RM, Mingoti SA, Jaime PC, Lopes ACS. Impacto de intervenção nutricional sobre o perfil alimentar e antropométrico de usuárias do Programa academia da saúde. Cien Saude Colet, 2015;20(6):1937-46. https://doi.org/10.1590/141381232015206.11882014.

Silva CO, Freitas PP, Santos LC, Lopes AC. Consumo alimentar segundo o recebimento de orientação nutricional em participantes do Programa Academia da Saúde. Rev Bras Ativ Fis Saúde, 2020;25:1-8. https://doi.org/10.12820/rbafs.25e0137.

Carvalho T, Nóbrega ACL, Lazzoli JK, Magni JRT, Rezende L, Drummond FA, et al. Posição oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde. Rev Bras Med Esport, 1996;2(4):79-81.

Vieira LA, Albuquerque SB, Venturim FO, Carvalho FF, Almeida UR. 30 anos do serviço de orientação ao exercício em vitória/es: pioneirismo nas práticas corporais e atividades físicas no sistema único de saúde. Movimento, 2020;26. https://doi.org/10.22456/1982-8918.103142.

Vitória. Secretaria Municipal De Saúde. Plano Municipal de Saúde 2018-2021. Vitória, ES: SMS/Prefeitura de Vitória; 2017.

Mendonça RD, Horta PM, Santos LC, Lopes AC. The dietary profile of socially vulnerable participants in health promotion programs in a Brazilian metropolis. Rev Bras Epidemiol, 2015;18:454-65. https://doi.org/10.1590/1980-5497201500020013.

Cunha CML, Canuto R, Rosa, PBZ, Longarai, LS, Schuch I. Associação entre Padrões Alimentares com Fatores Socioeconômicos e Ambiente Alimentar em uma Cidade do Sul Do Brasil. Cien Saude Colet. 2021; 19.

Instituto Jones dos Santos Neves. Indicadores socioeconômicos dos bairros dos municípios do estado do Espírito Santo – Censo demográfico 2010. Vitória, ES: IJSN; 2012.

Waitzberg DL, Ferrini MT. Exame físico e antropometria. In: Waitzberg DL. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. São Paulo: Atheneu, 2002. p. 255-94.

WHO - World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva; 1995.

Organización Panamericana de la Salud (EUA). Salud Bienestar y Envejecimiento (SABE) en América Latina e el Caribe. Washington, D.C: Organización Panamericana de la Salud; 2001.

WHO - World Health Organization. Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2005.

WHO - World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva; 1998.

Bueno AL, Czepielewski MA. O recordatório de 24 horas como instrumento na avaliação do consumo alimentar de cálcio, fósforo e vitamina D em crianças e adolescentes de baixa estatura. Rev Nutr, 2010;23(1):65-73.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Mota JF, Rinaldi AE, Pereira AF, Orsatti FL, Burini RC. Indicadores antropométricos como marcadores de risco para anormalidades metabólicas. Cien Saude Colet, 2011;16(9):3901-3908. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000026.

Horta PM, Santos LC. Qualidade da dieta entre mulheres com excesso de peso atendidas em uma Academia da Cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Cad Saúde Colet, 2015;23:206-13. https://doi.org/10.1590/1414-462X201400050114.

Brasil. Decreto nº. 7272, de 25 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - PNSAN, estabelece os parâmetros para a elaboração do Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, e dá outras providências. Diário Oficial da União [Internet], Brasília, 25 de agosto de 2010.

Teixeira PD, Reis BZ, Vieira DA, Costa DD, Costa JO, Raposo OF, et al. Intervenção nutricional educativa como ferramenta eficaz para mudança de hábitos alimentares e peso corporal entre praticantes de atividade física. Cien Saude Colet, 2013;18(2): 347-56.

França CD, Carvalho VC. Estratégias de educação alimentar e nutricional na Atenção Primária à Saúde: uma revisão de literatura. Saúde Debate, 2017;41:932-48. https://doi.org/10.1590/0103-1104201711421.

Machado CH, Carmo AS, Horta PM, Lopes ACS, Santos LC. Efetividade de uma intervenção nutricional associada à prática de atividade física. Cad Saúde Colet, 2013;21(2):148-153.

Bortolini GA, Oliveira TF, Silva SA, Santin RD, Medeiros OL, Spaniol AM, et al. Ações de alimentação e nutrição na atenção primária à saúde no Brasil. Rev Panam Salud Publica, 2020;8:39-44. https://doi.org/10.26633/RPSP.2020.39.

Ferreira APS, Szwarcwald CL, Damacena GN. Prevalência e fatores associados da obesidade na população brasileira: estudo com dados aferidos da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Rev Bras Epidemiol, 2019;22. https://doi.org/10.1590/1980-549720190024.

Batista FM, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad Saúde Pública, 2003;19(Supl.1):181-91.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública, 2012;46(Supl.1):126-34. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017.

Oliveira GM, Peters GC, Abbade EB. Padrão de consumo alimentar e fatores de risco à saúde na população brasileira de 2008 a 2017. Demetra, 2021;16:53260. https://doi.org/10.12957/demetra.2021.53260.

Pimentel VRM, Sousa MF, Ricardi LM, Hamann EM. Alimentação e nutrição no contexto da atenção básica e da promoção da saúde: a importância de um diálogo. Demetra, 2013;8(3):487-98. https://doi.org/10.12957/demetra.2013.5632.

Simon MISS, Forte GC, Carvalho AP, Krampe SF, Marcon ER, Winter JJ. Intervenção nutricional em grupo de funcionários com sobrepeso ou obesidade praticantes de atividade física: um ensaio clínico randomizado. Revista HCPA, 2012;32(4):406-11.

Silva CC, Deus RM, Marques RJ, Brito MJ, Lopes AC. Redução da desigualdade de acesso às ações de promoção da saúde na Atenção Primária brasileira: Programa Academia da Saúde. Demetra, 2021; 16(16):485-19. https://doi.org/10.12957/demet ra. 2021.48519

Santana NCM, Lima CT. Programas academia das cidades (PACID) e academias da saúde (PAS): ações de cuidados individuais e coletivos na atenção básica. Braz. J. of Dev. 2021 Mar 11;7(3):24531-7.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-216