A qualidade da atenção à saúde da mulher no Brasil a partir do PMAQ-AB / The quality of women's health care in Brazil from the PMAQ-AB

Fernanda da Costa Negraes, Maria Luiza de Barba

Abstract


A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher propõe formas mais simétricas de relacionamento entre os profissionais de saúde e as mulheres, apontando para a apropriação, autonomia e maior controle sobre a saúde, o corpo e a vida. O atendimento à saúde da mulher na Atenção Primária à Saúde tem grande potencial gerador de atenção integral, desde que considere os determinantes sociais e a perspectiva de gênero. Este estudo analisou a qualidade da atenção à saúde da mulher ofertada nas unidades de APS no Brasil, identificando diferenças sociodemográficas e contextuais que impactam no cuidado integral. Trata-se de uma pesquisa descritiva, transversal, de abordagem quantitativa, a partir de dados secundários da avaliação externa do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. Os dados coletados foram analisados por análise descritiva. A amostra final foi composta por 49.393 respondentes. A média de idade foi 50 anos. Em análise da raça/cor autodeclarada, 59% são pretas ou pardas/mestiças. A média de estudo foi de 3 anos. A maioria não é aposentada e 71% não possui trabalho remunerado. Dentre as que possuem trabalho remunerado, 14% afirmam que a unidade de saúde funciona os 5 dias na semana, mas que o horário de funcionamento não atende às suas necessidades. Das respondentes, 55% nunca precisou ser atendida na mesma hora devido a um problema ginecológico; 56% não sai com a próxima consulta marcada; 75% fazem o exame preventivo na unidade; e 58% afirmam que os profissionais que as atendem na unidade informam sobre métodos de proteção/contracepção da gravidez. Ainda persistem muitos desafios para a garantia do cuidado integral em Saúde da Mulher, sendo necessária a implementação de medidas para se efetivar os objetivos da política nacional, bem como das estratégias de acolhimento e reconhecimento da determinação social da saúde.


Keywords


saúde da mulher, atenção primária, pmaq, sistema único de saúde.

References


BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde da Mulher (PNAISM). Brasília - DF, 2004.

PETTRES, A.A.; DA ROS, M.A.2. A determinação social da saúde e a promoção da saúde. Arq. Catarin Med, jul.set. 47(3):183-196, 2018.

RELATÓRIO sobre a situação da população mundial. 2002. Disponível em: .

COSTA, A.M. Participação social na conquista das políticas de saúde para mulheres no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 14(4):1073-1083, 2009.

ÁVILA, M. B. E.; BANDLER, R. A Contracepção no Brasil 1980-1990. Recife: SOS Corpo, 1991.

BRASIL, Ministério da Saúde. Assistência integral à saúde da mulher: bases da ação programática. Brasília: Ministério da Saúde, 1984.

______. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Plano Nacional de Saúde – PNS 2012-2015. Brasília: Rev. bras. Saúde ocup., São Paulo, 38 (127): 11-30, 2013 25 Ministério da Saúde, 2011a.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012a.

STARFIELD, B. Ministério da Saúde. Atenção primária: equilíbrio entre a necessidade de saúde, serviços e tecnologias. Brasília: UNESCO, 2002.

DE BARBA, M.L.F.; OLIVEIRA, C.C. Reflexões acerca da formação de enfermagem para gestão da atenção básica no Rio Grande do Sul. Brazilian Journal of Health Review. v.3, n.5, p.12924-12936, 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde da Mulher (PNAISM). Brasília - DF, 2011.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde Mais Perto de Você. Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ): manual instrutivo. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2012b.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SITTA, E. I. et al. A contribuição dos estudos transversais na área da linguagem com enfoque em afasia. Rev. CEFAC, v.12, n. 6, p. 1059-66, nov-dez. 2010.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Brasil, 2019.

GUIMARÃES, R.M.; ANDRADE, F.C.D. Expectativa de vida com e sem multimorbidade entre idosos brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. R. bras. Est. Pop., v.37, 1-15, e0117, 2020.

STIEFEL, M.C.; PERLA, R.J.; ZELL, B.L. A Healthy Bottom Line: Healthy Life Expectancy as an Outcome Measure for Health Improvement Efforts. The Milbank Quarterly, Vol. 88, No. 1, pp. 30–53, 2010.

GOES, E.F.; NASCIMENTO, E.R. Mulheres negras e brancas e os níveis de acesso aos serviços preventivos de saúde: uma análise sobre as desigualdades. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 37, n. 99, p. 571-579, out/dez, 2013.

CONCEIÇÃO, P. Relatório de Desenvolvimento Humano 2020. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 2020.

SCORZAFAVE, L.G.; MENEZES-FILHO, N.A. Participação feminina no mercado de trabalho brasileiro: evolução e determinantes. Pesq. Plan. Econ., v. 31, n. 3, dez., 2001.

DIAS, S.; NUNES, M.; GAMA, A. Uma reflexão sobre desigualdade de género e saúde no contexto da migração. Revista Faces de Eva, 43, 2020.

SOUTHIER, N.; TRICHES, R.M. Programa Bolsa Família: impacto na alimentação e papel da aquisição não monetária no meio urbano e rural. INTERAÇÕES, Campo Grande, MS, v. 21, n. 4, p. 871-884, out./dez. 2020.

CAMPELLO, T.; NERI, M. C. Programa Bolsa Família uma década de inclusão e cidadania. Brasília: Ipea, 2013. p. 15-24.

MELO, L.G.N.S. Avaliação das condicionalidades em saúde do Programa Bolsa Família. Tese de doutorado (Título de doutor em Saúde Coletiva) - Natal, 2014.

BARCELOS, M.R.B. et al. Qualidade do rastreamento do câncer de colo uterino no Brasil: avaliação externa do PMAQ. Rev Saúde Pública. 51:67, 2017.

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.

TRAVASSOS, C.M.; MARTINS, M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad. Saúde Pública, 20(suppl.2): S190-S198. 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Cadernos de Atenção Básica – Acolhimento à Demanda Espontânea, n.28, volume 1. Brasília, 2013.

SANTOS, J. C.; FREITAS, P. M. Planejamento familiar na perspectiva do desenvolvimento. Ciênc. saúde coletiva, v.16, n.3, mar 2011.

TOMASI, E. et al. Estrutura e processo de trabalho na prevenção do câncer de colo de útero na Atenção Básica à Saúde no Brasil: Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade – PMAQ. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant. Recife, 15 (2): 171-180 abr. / jun., 2015.

DIAS, M.F.M. Impacto do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade nas ações de rastreamento do Câncer de Colo Uterino em Alagoas. Dissertação de Mestrado (Título de Mestre em Gestão e Economia da Saúde) – Recife, 2016.

Câncer do Colo do Útero. INCA, 2021. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-do-colo-do-utero. Acesso em: 30 de agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 204, de 29 de janeiro de 2007. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. INCA. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do Câncer o Colo do Útero. Rio de Janeiro, 2016.

VIEIRA, S.D. Análise de indicadores dos exames de papanicolau e mamografia de uma ESF do município de Passos/MG, antes e após a adesão ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção (PMAQ). Trabalho de Conclusão de Curso (Título de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família). Formiga – Minas Gerais, 2013.

GONÇALVES, D.P. et al. Análise do desempenho das Residências Médicas de Medicina de Família e Comunidade e Multiprofissional em Saúde da Família segundo os indicadores do PMAQ-AB das equipes da Atenção Primária. Rev Bras Med Fam Comunidade. Jan-Dez; 14(41):1879. Rio de Janeiro, 2019.

MACEDO, G. D. V. et al. A importância da colposcopia para o diagnóstico precoce do Câncer de Colo de Útero. Id on Line Rev. Mult. Psic. V.13, N. 46 p. 49-50, 2019.

CRUZ, M.J.B.C. et al. A coordenação do cuidado na qualidade da assistência à saúde da mulher e da criança no PMAQ. Caderno de Saúde Pública, 2019, 35(11):e00004019, 2019.

SILVA, P. A.; RIUL, S. S. Câncer de mama: fatores de risco e detecção precoce. Rev Bras Enferm, nov-dez, 64(6): 1016-21. Brasília, 2011.

Câncer de Mama. INCA, 2021. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-mama. Acesso em: 30 de agosto de 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. INCA. Diretrizes para a Detecção Precoce do Câncer de Mama no Brasil. Rio de Janeiro, 2015.

SOBRINHO, D.F. et al. Compreendendo o apoio matricial e o resultado da certificação de qualidade nas áreas de atenção à criança, mulher, diabetes/hipertensão e saúde mental. Saúde Debate, v. 38, n. especial, p. 83-93, out. Rio de Janeiro, 2014.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Retratos da Atenção Básica no Brasil 2012 N.3 - Equipes de Atenção Básica. Volume 2. Brasília – DF, 2015.

DOS SANTOS, L.V. Avaliação de indicadores do PMAQ relacionado a gestantes em uma ESF. Projeto de Intervenção para Conclusão de Curso de Pós-graduação (Título de Especialista em Atenção Básica em Saúde da Família). TACURU-MS, 2014.

LEMOS, D.M. Abordagem das gestantes acompanhadas na Equipe de Saúde da Família residencial em Congonhas - Minas Gerais. Trabalho de Conclusão de Curso (Título de Especialista em Atenção Básica em Saúde da Família). Belo Horizonte – Minas Gerais, 2014.

MACHADO, M.C. Estratégias para fortalecimento do planejamento familiar para adolescentes. Trabalho de Conclusão de Curso (Título de Especialista em Saúde da Família). São Paulo, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-240