Boas práticas na assistência de enfermagem aos recém-nascidos saudáveis / Good practices in nursing care for healthy newborns

Minéia Mota do Carmo, Eurides Souza de Lima

Abstract


O nascimento é um momento categórico para a saúde do recém-nascido (RN), permeado por grandes vulnerabilidades de ordem biológica, ambiental, socioeconômica e cultural, o que implica na necessidade de assistência ao parto como atuação oportuna, integral, humanizada e qualificada, visando dessa maneira reduzir a morbimortalidade desses RN. O presente estudo objetivou-se em descrever o panorama das boas práticas na assistência de Enfermagem aos recém-nascidos saudáveis. Trata-se de um estudo exploratório, descritivo, do tipo Revisão Integrativa da Literatura (RIL), que é um método que proporciona conhecimento e resultados de estudos na prática, com ampla abordagem metodológica incorporando conceitos, revisão de teorias, evidências e análise de problemas metodológicos. Conclui-se após este estudo que a capacitação profissional e a elaboração de rotinas hospitalares são importantes para favorecer adequação da atenção neonatal dos profissionais nos diferentes cenários do cotidiano, além de favorecer a incorporação de conceitos fundamentais do modelo humanizado da assistência prestada, livre de negligências.


Keywords


enfermagem, assistência, recém-nascido, saudáveis.

References


ANDRADE LFB, RODRIGUES QP, SILVA RCV. Boas práticas na atenção obstétrica e sua interface com a humanização da assistência. Rev enferm UERJ. 2017; 25:e26442.

BARROS, Geiza Martins; DIAS, Marcos Augusto Bastos; GOMES JUNIOR, Saint Clair dos Santos. O uso das boas práticas de atenção ao recém-nascido na primeira hora de vida nos diferentes modelos de atenção ao parto. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped, v. 18, n. 1, p. 21-28, jun. 2018.

BEZERRA FD, et al. Cuidado perinatal em um estado do nordeste brasileiro: estrutura, processos de trabalho e avaliação dos componentes do essential newborn care. Rev. Paul. pediatr, 2019; 37(2).

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida. 1ª edição, Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

CABREIRA, Gabrielle Grassi. Boas práticas no trabalho de parto e parto. Escola de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre – RS, 2015.

CAMPOS, Carla Andréa Costa Alves de et al. Desafios da comunicação em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal para profissionais e usuários. Revista Saúde Debate, v. 41, n. especial, p. 165-174, jun 2017. DOI: 10.1590/0103-11042017S214.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM – COFEN. 2015. Nº 477/2013 e 379/2015.

ÉVORA, Y.M.D.; FÁVERO, N.; TREVIZAN, M.A.; NAKAO, J.R.S. Orientações ministradas à gestante durante a assistência pré-natal: atuação dos profissionais de enfermagem. Rev esc enferm USP. 2013;22;339-51.

FUCKS, Ingrid dos Santos et al. A sala de parto: o contato pele a pele e as ações para o estímulo ao vínculo ao vínculo entre mãe-bebê. Av Enferm. 2015; 33(1):29-37.

KIWANUKA A, et al. Um resumo de Enfermagem: melhores práticas emergentes em Enfermagem do Departamento de Crianças e Famílias. Enfermagem pediátrica, 2014.

MATOS TA, et al. Contato precoce pele a pele entre mãe e filho: significado para mães e contribuições para a enfermagem. Rev. bras. Enferm, 2016; 63(6).

MELO BM, GOMES LFS, HENRIQUES ACPT, LIMA SKM, DAMASCENO AKC. Implementação das boas práticas na atenção ao parto em maternidade de referência. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. 2017;18(3).

MULLER, EB; ZAMPIERI, MFM. Divergências em relação aos cuidados com o recém- nascido no centro obstétrico. Esc. Anna Nery. 2014; 18 (2): 247-256.

PIESZAK GM, et al. As relações de poder na atenção obstétrica e neonatal: perspectivas para o parto e o nascimento humanizados. Revista Eletrônica Acervo Saúde,2019; 26(26).

RICCI, S. S. Enfermagem materno-neonatal e saúde da mulher. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

SILVA, Cristianny Miranda e et al. Fatores associados ao contato pele a pele entre mãe/filho e amamentação na sala de parto. Rev. Nutr., Campinas, v. 29, n.4, p. 457-471, ago. 2016.

SILVA LJ, Silva LR, Christoffel MM. Tecnologia e humanização na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: reflexões no contexto do processo saúde-doença. Rev. Esc. Enferm. USP 2016.

SILVA, Thayná Champe e et al. As boas práticas de atenção ao parto e nascimento sob a ótica de enfermeiros. Biblioteca Lascasas 12(1), 2016.

SOUZA, Ana Maria Magalhães e et al. Práticas na assistência ao ponto em maternidades com inserção de enfermeiros obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Pesquisa. Esc Anna Nery 2016;20(2): 324-33. Minas Gerais, 2016.

TANUS, A. T.; CARNEIRO, P. A. P. O cuidado ao recém-nascido: conhecimento do enfermeiro no âmbito hospitalar. Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas (FEPESMIG), p. 4-9, 2017.

WHO. Sobrevivência Neonatal The Lancet, Março, 2015 www.thelancet.com. Disponível em:http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/pdfs/lancet_neonatal_ survival_series.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-244