Protocolo de extubação paliativa ao paciente em processo ativo de morte / Palliative extubation protocol for patients in active death process

Tuane Sarmento, Bianca Kons dos Santos, Raquel Chagas Nogueira de Paula, Alice Henrique dos Santos Sumar

Abstract


Introdução: Aos pacientes cuja morte iminente é esperada e que não há benefício na continuidade da ventilação mecânica, a extubação paliativa (EP) é vista como um conforto, uma vez que a presença do tubo endotraqueal pode ser um prolongador da morte agonizante, uma medida obstinada que proporciona a distanásia aos pacientes. Objetivo: Sistematizar e elaborar um protocolo de EP para ser aplicado pela equipe multiprofissional ao paciente em cuidado paliativo, em situação de processo ativo de morte. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa de revisão de literatura. O protocolo de EP foi elaborado com base em buscas em bancos de dados com as palavras chaves: cuidados paliativos, extubação, cuidados para prolongar a vida, palliative care, air way extubation, life support care. Resultados: O protocolo pode ser dividido em seis fases: Fase 1 - Preparação/acolhimento familiar; Fase 2 - Pré Extubação; Fase 3 - Extubação; Fase 4 - Pós extubação; Fase 5 - Controle rigoroso de sintomas;  Fase 6 - Acompanhamento. Conclusão: Com base na pesquisa da literatura atual foi possível  elaborar um protocolo destinado a ser um ponto de assistência para equipe multiprofissional e segurança ao paciente por se tratar em um guia de etapas. Os resultados obtidos poderão contribuir na diminuição de medidas prolongadoras da vida, prevenindo assim a distanásia. A redução de custos com medidas fúteis também é um fator que deve-se levar em conta, além de proporcionar uma finitude digna e humanizada do indivíduo.


Keywords


cuidados paliativos na terminalidade da vida, equipe de assistência ao paciente, extubação, protocolo, uti.

References


ABARSHI, Ebun et al. International variations in clinical practice guidelines for palliative sedation: a systematic review. BMJ Supportive & Palliative Care, v. 7, n. 3, p. 223-229, 2017.

ANQUINET, Livia et al. Similarities and differences between continuous sedation until death and euthanasia–professional caregivers’ attitudes and experiences: a focus group study. Palliative Medicine, v. 27, n. 6, p. 553-561, 2013.

BENSEÑOR, Fábio Ely Martins; CICARELLI, Domingos Dias. Sedação e analgesia em terapia intensiva. Brazilian Journal of Anesthesiology, v. 53, n. 5, p. 680-693, 2019.

BILLINGS, J. Andrew. Humane terminal extubation reconsidered: the role for preemptive analgesia and sedation. Critical care medicine, v. 40, n. 2, p. 625-630, 2012.

BRAGA, Beatriz et al. Guia Prático da Abordagem da Agonia. Medicina Interna, v. 24, n. 1, p. 48-55, 2017.

BRASIL, Heloisa Helena A.; BELISÁRIO FILHO, José F. Psicofarmacoterapia. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 22, p. 42-47, 2000.

CAMPBELL, Margaret L.; YARANDI, Hossein N.; MENDEZ, Michael. A two-group trial of a terminal ventilator withdrawal algorithm: pilot testing. Journal of palliative medicine, v. 18, n. 9, p. 781-785, 2015.

COELHO, Cristina Bueno Terzi; YANKASKAS, James R. Novos conceitos em cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 29, n. 2, p. 222-230, 2017.

CORTEGIANI, Andrea et al. Attitudes towards end-of-life issues in intensive care unit among Italian anesthesiologists: a nation-wide survey. Supportive Care in Cancer, v. 26, n. 6, p. 1773-1780, 2017.

DOS REIS JÚNIOR, Luiz Carlos; DOS REIS, Paula Elisa Avelar Maia. CUIDADOS PALIATIVOS NO PACIENTE IDOSO: o papel do fisioterapeuta no contexto multidisciplinar. Fisioterapia em Movimento, v. 20, n. 2, 2017.

ERNECOFF, Natalie C. et al. Health care professionals’ responses to religious or spiritual statements by surrogate decision makers during goals-of-care discussions. JAMA internal medicine, v. 175, n. 10, p. 1662-1669, 2015.

FEDERAL, GOVERNO DO DISTRITO. Diretriz para Cuidados Paliativos em pacientes críticos adultos admitidos em UTI, 2018.

FEDERAL, GOVERNO DO DISTRITO. Secretaria de estado de saúde. Protocolo de Atenção à Saúde. Conduta Fisioterapêutica em Unidade de Terapia Intensiva Adulto na Secretaria de Estado de Saúde do DF, pg 20, 2017.

FELIX, Z.C, et al., Eutanásia, distanásia e ortotanásia: revisão integrativa da literatura. Ciencsaudecolet, v. 18, n. 9, p. 2733-46, 2013.

GAPC - Global atlas of palliative care at the end of life. Worldwide Hospice Palliative Care Alliance and World Health Organization, 2014. Available at: http://www.who.int/nmh/ Global_Atlas_of_Palliative_Care.pdf. Accessed Setember 1, 2019.

GOMES, A. C. et al.,Eutanasia: Morte com dignidade x direito a vida. Jornal Eletrônico Faculdade Vianna Júnior, v. 11, n. 1, p. 17-17, 2019.

JANSEN, Kristian et al. Safety and effectiveness of palliative drug treatment in the last days of life—a systematic literature review. Journal of Pain and Symptom Management, v. 55, n. 2, p. 508-521. e3, 2017.

KOK, V. C, Compassionate extubation for a peaceful death in the setting of a community hospital: a case-series study. Clinical interventions in aging, v. 10, p. 679, 2015.

KOVÁCS, M. J. A caminho da morte com dignidade no século XXI. RevBioét [online], v. 22, n.1, p. 94-104, 2014.

LAGE, Julieth Santana Silva et al. Extubação paliativa em unidade de emergência: relato de caso. Revista Bioética, v. 27, n. 2, p. 313-317, 2019.

MAEDA, Tsuyoshi; HAYAKAWA, Toru. Range of effective corticosteroid doses for alleviating dyspnea in terminal cancer patients: a retrospective review. Journal of Pain & Palliative Care Pharmacotherapy, v. 31, n. 1, p. 10-15, 2017.

MAZUTTI, Sandra Regina Gonzaga; NASCIMENTO, Andréia de Fátima; FUMIS, Renata Rego Lins. Limitação de suporte avançado de vida em pacientes admitidos em unidade de terapia intensiva com cuidados paliativos integrados. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, v. 28, n. 3, p. 294-300, 2016.

MESQUITA, Inês Batista Marques et al. Morte: conceito, factores determinantes e sua previsibilidade. 2010. Dissertação de Mestrado.

MITCHELL, Geoffrey K. et al. Systematic review of general practice end-of-life symptom control. BMJ supportive & palliative care, v. 8, n. 4, p. 411-420, 2018.

MORICE, Alyn H.; SHANKS, Gabriella. Pharmacology of cough in palliative care. Current opinion in supportive and palliative care, v. 11, n. 3, p. 147-151, 2017.

MORRIS, Deborah; GALICIA-CASTILLO, Marissa. Dying with dyspnea in the hospital. American Journal of Hospice and Palliative Medicine®, v. 34, n. 2, p. 132-134, 2016.

NELSON, Judith E. et al. Self-reported symptom experience of critically ill cancer patients receiving intensive care. Critical care medicine, v. 29, n. 2, p. 277-282, 2001.

REGALA, Mark; MARVIN, Stevie; EHLENBACH, William J. Association Between Postextubation Dysphagia and Long‐Term Mortality Among Critically Ill Older Adults. Journal of the American Geriatrics Society, v. 67, n. 9, p. 1895-1901, 2019.

ROBERTS, Russel J.; WELCH, Shannon M.; DEVLIN, John W. Corticosteroids for prevention of postextubation laryngeal edema in adults. Annals of Pharmacotherapy, v. 42, n. 5, p. 686-691, 2008.

ROBINSON, M. T.; HOLLOWAY, R. G. Palliative care in neurology. In: MayoClinicProceedings. Elsevier, p. 1592-1601, 2017.

SILVA, Ceci Figueredo da et al. Concepções da equipe multiprofissional sobre a implementação dos cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 9, p. 2597-2604, 2013.

TORELLI, Giovanni F.; CAMPOS, Antonio C.; MEGUID, Michael M. Use of TPN in terminally ill cancer patients. Nutrition, v. 15, n. 9, p. 665-667, 1999.

WHO - World Health Organization. Definition of Palliative Care, 2017. Available at: http:// www.who.int/cancer/palliative/definition/en/. Accessed September 3, 2019.

WILLIAMS, Beverly Rosa et al. Continuation of non-essential medications in actively dying hospitalised patients. BMJ Supportive & Palliative Care, v. 7, n. 4, p. 450-457, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-248