Cirurgias abdominais no contexto de uma unidade de terapia intensiva neonatal / Abdominal surgeries in the context of a neonatal intensive care unit

Mara Marusia Martins Sampaio Campos, Iris Rayanne da Silva Lima, Jamille Soares Moreira Alves, Daniela Uchoa Pires Lima, Juliana Maria dos Santos Azevedo, Cristiana Maria Cabral Figueiredo, Lucimar Vasconcelos Bessa, Maxsuênia Queiroz Medeiros

Abstract


O tratamento cirúrgico neonatal tem evoluído continuamente nas últimas décadas, e dentre as inúmeras abordagens cirúrgicas encontram-se as de parede abdominal que são habituais no cotidiano de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN), a qual constitui um ambiente terapêutico para internação de recém-nascidos (RN) de alto risco com necessidades de cuidados intensivos contínuos. Diante do exposto é observada a necessidade e importância do conhecimento da equipe de saúde sobre as cirurgias mais recorrentes de neonatos internados na UTIN. O interesse pela temática surgiu pelo aumento do número de cirurgias em neonatos que necessitam de cirurgias abdominais nas UTIN. Descrever as principais cirurgias abdominais no contexto de uma unidade de terapia intensiva neonatal. Tratou-se de uma revisão narrativa de literatura realizada nas bases de dados SciELO, PEDro, PubMed, selecionados artigos nos idiomas inglês e português, no período de 2012 a 2022, sendo utilizados como descritores: “malformações”, “unidade de terapia intensiva neonatal”, “cirurgia abdominal”, “tratamento cirúrgico neonatal”, “pós-operatório” e “neonatal”. As cirurgias abdominais possuem objetivos e indicações distintas, sendo classificadas de acordo com sua finalidade, podendo ser corretivas, diagnósticas e curativas. As cirurgias corretivas são frequentes nas UTIN, sendo indicadas com o objetivo de corrigir defeitos existentes, muito comum em malformações congênitas que são anormalidades que podem ser estruturais ou funcionais. Dentre as anomalias congênitas da parede abdominal as mais comuns são a onfalocele - defeito da parede anterior abdominal, com encapsulamento pelo peritônio parietal e herniação do conteúdo abdominal - e a gastrosquise - pela herniação do conteúdo abdominal através de um defeito na parede abdominal paraumbilical à direita. A hérnia diafragmática também é um defeito congênito que resulta na ausência ou formação incompleta do diafragma, levando os RN a serem intubados imediatamente após seu nascimento, para prevenção e tratamento cirúrgico. Já as cirurgias diagnósticas e curativas têm como objetivos respectivos, de diagnosticar e corrigir as causas da doença, sendo a laparotomia exploratória a designada para essa finalidade. Além disso, alguns estudos relatam a gastrostomia com finalidade cirúrgica de melhorar a qualidade de vida do neonato, sendo realizada para pacientes que apresentem disfagia mecânica ou funcional muito prevalente em neonatos que apresentaram alguma complicação respiratória e apresente risco elevado de broncoaspiração. Pelos estudos encontrados foi visto que no contexto de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal são encontrados vários tipos de contextos cirúrgicos que necessitam ser conhecidas e reconhecidas por toda a equipe de saúde, sendo a abordagem realizada dentro das possibilidades e a fim de evitar possíveis repercussões.


Keywords


“malformações”, “unidade de terapia intensiva neonatal”, “cirurgia abdominal”, “tratamento cirúrgico neonatal”, “pós-operatório” e “neonatal”.

References


AMARI, M.N. et al. Internações em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal e a Estratificação de Risco Gestacional do Programa Rede Mãe Paranaense. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 7, p. 42365-42377, jul. 2020.

ALVES, F. O. et al. Manejo da onfalocele e da gastrosquise no recém-nascido. Acta méd. Porto Alegre, v. 36, p. 1-9, 2015.

ARAGÃO, L.M.M. et al. Oclusão traqueal para fetos com hérnia diafragmática congênita: uma revisão integrativa. v/sup.29, 2019.

BOYER T. J.; KRITZMIRE S. M. Anestesia Neonatal. [Atualizado em 2021 abr 30]. In: StatPearls [Internet]. Ilha do Tesouro: Stat Pearls Publishing; Jan-. 2021 Jan-. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK541030/. Acesso em: 24 mai 2021

BRASIL, Secretaria de Vigilância em saúde, Ministério da Saúde. Anomalias congênitas no Brasil, 2010 a 2019: análise de um grupo prioritário para a vigilância ao nascimento. Boletim Epidemiológico, v.52, n.6, fev2021.

CASARIN, S.T. et al. Tipos de revisão de literatura: considerações das editoras do Journal of Nursing and Health. Journal of Nursing and Health,v.10,n.5, 2020.

CATRÉ, D. et al. Fatores preditivos de complicações graves em cirurgia neonatal. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 40, n. 5, p. 363-369, out. 2013. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0100-69912013000500003.

DA SILVA, S.C. et al. Perfil clínico de neonatos admitidos em uma unidade de terapia intensiva neonatal, Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.12, p. 119510-119521 dec. 2021

DUARTE, A.R.P. et al. Ocorrência de malformações abdominais em recém-nascidos atendidos na Unidade de Terapia intensiva neonatal em um hospital de referência na região Oeste do Pará. Anais do 13º Congresso Internacional da Rede Unida, v. 4, Suplemento 1 (2018).

ESTEVAM, A.C.C.C. et al. Uso da toxina botulínica para reparo de onfalocele gigante. RESIC., v. 4 n.1, Fev. 2022

FARIA, T. F. Complicações de estomias em crianças: frequência e fatores associados. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-graduação em Enfermagem, da Universidade de Brasília, 2016.

FELDENS, L. et al. There is an association between disease location and gestational age at birth in newborns submitted to surgery due to necrotizing enterocolitis. Jornal de Pediatria, v. 94, n. 3, p. 320-324, maio 2018. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2017.06.010.

FERREIRA, M.de M.M. Caracterização do perfil das gestantes e seus recém-nascidos com defeitos congênitos da parede abdominal: gastrosquise ou onfalocele. 2019. Dissertação (Mestrado em Pediatria) - Faculdade de Medicina, University of São Paulo, São Paulo, 2020.

FONTOURA, F.C.; CARDOSO, M.V.L.M.L. Associação das malformações congênitas com variáveis neonatais e maternas em unidades neonatais numa cidade

do nordeste Brasileiro. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v.23, n.4, p. 907-14, Out-Dez 2014

FROTA, S.X.de S. Desfechos ventilatórios em recém-nascidos submetidos à cirurgia abdominal em uma maternidade pública de referência. Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal do Ceará, como requisito parcial à obtenção do título de bacharel em Fisioterapia, 2022.

MATOS, A.P.P. Avaliação do abdome fetal por ressonância magnética. Parte 2: malformações da parede abdominal e tumores. Radiol Bras., v.51, n.3, p. 187–192, Mai/Jun 2018.

MENDES, I.C. et al. Anomalias congênitas e suas principais causas evitáveis: uma revisão. Rev Med Minas Gerais, v.28 p: e-1977, 2018.

PIMENTEL, G.M.; NASCIMENTO, J.T.; LEITÃO, A.M. Assistência de enfermagem no diagnóstico de gastrosquise: uma revisão integrativa de literatura. Research, Society and Development, v. 10, n. 15, e553101523829, 2021

REDONDO, Ana Carolina et al. Caracterização da evolução clínica dos recém-nascidos com gastrosquise em uma unidade de terapia intensiva neonatal de referência da américa latina. J. Hum. Growth Dev., São Paulo , v. 26, n. 2, p. 190-198, 2016 . Disponível em . acessos em 29 mar. 2022. http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.119266.

OPAS – Organização Panamericana da Saúde. Nascidos com defeitos congênitos: histórias de crianças, pais e profissionais de saúde que prestam cuidados ao longo da vida. Brasília (DF); 2020. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6117:nascidos-com-defeitos-congenitos-historias-de-criancas-pais-e-profissionais-de-saude-que-prestam-cuidados-ao-longo-da-vida&Itemid=820. Acesso em: 20 abr 2021.

PEDRO, F. K. S. et al. Assistência fisioterapêutica em recém-nascidos prematuros internados em UTI neonatal pública. Fisioterapia Brasil, Vitória, v. 14, n. 2, p. 99-105, 2013.

PRIANTE, A.V.M.; CARDOSO, C.A. Esofagostomia, gastrostomia e traqueostomia. In: PAULA, M.A.B.; PAULA, P.R.; CESARETTI, I.U.R. Estomaterapia em foco e o cuidado especializado. São Caetano do Sul, SP: Editora Yendis, 2014.

SEGUNDO, W. G. B; et al. A importância das unidades de terapia intensiva neonatal (UTIN) e de cuidados intermediários neonatal (UCIN) para recém-nascidos prematuros. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, [S.L.], v. 16, n. 2, p. 85-90, 2018. Faculdade de Enfermagem Nova Esperanca. http://dx.doi.org/10.17695/issn.2317-7160.v16n2a2018p85-90.

SCHWENGBER, E.; MOURA, N. M. P. de.; ASSIS, C.R.P. de. Incidência de defeitos abdominais congênitos: gastrosquise e onfalocele – revisão da literatura. Revista de Patologia do Tocantins, v.8, n.4,2021.

SOUSA, F. M. et al. Profile of children with birth defects of digestive. Rev Enferm UFPI, Teresina, v. 2, n. 3, p. 60-66, jul./set. 2013.

VIEIRA, P.B.de S. Malformações congênitas do sistema digestório e da parede

abdominal em um hospital público mineiro. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Uberlândia como requisito parcial para a Conclusão do Curso e obtenção do título de Enfermeira,2017

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Survive and thrive: transforming care for everysmall and sick newborn. 2019. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/276655/WHO-FWC-MCA-18.11-eng.pdf?ua=1.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-264