Cotidiano alimentar e saúde infantil como elemento prevalente na parasitose intestinal / Daily diet and child health as a prevalent element in intestinal parasitosis

Maria Bernarda Magalhães da Silva

Abstract


Estudos atuais demonstram que a criança em início da idade escolar é um alvo fácil da infecção parasitária devido a hábitos de higiene e alimentação que não condizem com os cuidados necessários à sua saúde resultando na prevalência de parasitoses que afetam diretamente seu crescimento e desenvolvimento cognitivo. Neste estudo, se analisa parasitoses intestinais em crianças do ensino fundamental através da observação e acompanhamento da rotina alimentar familiar e escolar a fim de conhecer o índice parasitológico presente nas fezes de trinta alunos de uma escola de educação infantil localizada na periferia da cidade São Luís do Maranhão. Como resultado da análise parasitológica destas crianças foram identificadas a presença de parasitos intestinais que supostamente são adquiridos através de falta de higiene e atenção ao acondicionamento e preparo dos alimentos, bem como da água ingerida. Conclui-se que a prevalência das parasitoses está relacionada aos hábitos de higiene das crianças e das famílias extensivo ao momento que estão na escola bem como no acondicionamento e preparo dos alimentos que são servidos na merenda escolar.


References


ANDRADE, L.M.B., Quandt F.L, Campos D.A, Delziovo C.R, Coelho E.B.S, Moretti-Pires R.O. Análise da implantação dos NASF no interior de Santa Catarina. Ver. Saúde e Transformação Social, v. 3, n. 1, 2010.

ANDRADE, E.C.; LEITE, I. C. G.; RODRIGUES, V. O; CESCA, M. G. Parasitoses

intestinais: uma revisão sobre seus aspectos sociais, epidemiológicos, clínicos e

terapêuticos. Rev. APS, Juíz de Fora, v. 13, n. 2, p. 231-240, 2010.

ARAÚJO, C. F.; FERNÁNDEZ, C. L. Prevalência de parasitoses intestinais na

cidade de Eirunepé, Amazonas. Rev. Soc. Bras. Med. Tropical, 38(1): 69, 2005.

ASSIS, M., et al. Prevalência de enteroparasitoses em moradores de vilas

periféricas de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Análises Clínicas. 35(4):

-217, 2003.

BAPTISTA, S. C., BREGUEZ, J. M. M., BAPTISTA, M. C. P., SILVA, G. M. S., PINHEIROR. O. Análise da incidência de parasitoses intestinais no município de Paraíba doSul, RJ. Rev. Bras. Anal. Clín. 38(4):271-273, 2006.

BELO. V. S.; OLIVEIRA, R. B.; FERNANDES, P. C.; et al. Factors associated with

intestinal parasitoses in a population of children and adolescents. Revista Paulista

Pediátrica. v. 30(2):195-201, 2012.

BISCEGLI, T. S. CORRÊA C.E, ROMERA J, HERNANDEZ J.L Estado nutricional e prevalência de enteroparasitoses em crianças matriculadas em creche. Rev. paul. pediatr. [online]. 2009, vol.27, n.3, pp.289-295.ISSN0103 0582. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-05822009000300009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Vigilância e Controle das

Enteroparasitoses. Brasília; Ministério da Saúde; 2005.

_______. Ministério da Saúde. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso; Ministério da Saúde; 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de

Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRUSCA, R. & BRUSCA, G.J. Invertebrados. 2ª ed. Editora Guanabara Koogan S.A., Rio de Janeiro, 2007.

BUSNELO, M. I.; TEIXEIRA-LATTIERI, M. Prevalência de enteroparasitas em

crianças de duas escolas de ensino fundamental. Rev Fac Farm. 2009; 51 (2): 33-

, 2010.

CANTUÁRIA, F. D., COCCO, J., BENTO, R. R. L., RIBEIRO, F. Avaliação de

Parasitoses Intestinais em Escolares do Ensino Fundamental no Município de

Coração de Jesus em Minas Gerais, Brasil. Rev. Bras. Anal. Clín. V. 43(4):277-

, 2011.

CROMPTON. D. W. T. Ascaris and Ascariasis. Adv. Parasitol. 48:285-375, 2001.

FERREIRA, C. S; MONTEIRO, C. A. Tendência secular das parasitoses intestinais

na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Revista de Saúde Pública, v. 34,

n. 6, p. 73-82, 2000. In: Plano Nacional de Controle e Vigilância das

Enteroparasitoses, p. 10. Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da

Saúde, Brasília-DF, 2000.

GASPARINI, E. A; PORTELLA, R. B. Manual de parasitoses intestinais. Rio de Janeiro: Rubio, 2005.

GURGEL, R. Q; SANTOS, L. N; CARDOSO, G. S; OLIVEIRA, R. C. V; SILVA, A. M. Creche: ambiente expositor ou protetor nas infestações por parasitas intestinais em Aracaju, SE. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, vol.38 n. 3 Uberaba, 2005.

KOMAGOME, S. H; ROMAGNOLI, M. P. M; PREVIDELLI, I. T. S; FALAVIGNA, D. L. M; GOULART-DIAS, M. L. G, GOMES, M. L. Infecção parasitária intestinal em crianças e funcionários de creche. Cienc. Cuid. Saúde 2007; vol. 6, (Suplem. 2), p: 442-447.

KUNZ J.M, VIEIRA A.S, VARVAKIS T, GOMES G.A, ROSSETO A.L, BERNARDINI O.J. Parasitas intestinais em crianças de escola municipal de Florianópolis, SC - Educação ambiental e em saúde. Biotemas. 21:157–162, 2008.

LUDWIG, K.M. FREI, F.ÁLVARES, F.F. RIBEIRO-PAES, J.T. Correlações entre condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis. Estado de São Paulo. Revista Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. São Paulo.32:547-55, 2000.

MAMUS, C.N.C.; MOITINHO,A.C. C.;GRUBE,C.C.. Enteroparasitoses em um Centro Educacional Infantil do Município de Iretama/Pr. SaBios: Revista Saúde e Biol., Campo Mourão, v. 3, n. 1, p. 39-44jan./jun. 2008.

MELO, E.; FERRAZ, F.; ALEIXO, D. Importância do estudo da prevalência de parasitoses intestinais de crianças em idade escolar. Rev. Saúde e Biol., v. 5, n. 1, p. 43-47, jan./ jul. 2010.

MOTA, J. A. C; PENNA, F. J; MELO, M. C. B. Parasitoses intestinais. In: Leão E, Corrêa EJ, Viana MB, Mota JAC, eds. In: Pediatria Ambulatorial 5ª ed. Belo Horizonte: Coopmed; 2014 (no prelo).

NEVES, D. P. Parasitologia humana. 10 ed. São Paulo: Atheneu, 2005.

NUNES, A. L. Plano de intervenção: implantação de medidas educativas para o controle da esquistossomose: estudo de caso no município do Cabo de Santo Agostinho. Plano de Intervenção (Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães), - Fundação Oswaldo Cruz. Recife, 2012.

SILVA, A.V.M. da; MASSARA, C.L. Ascaris lumbricoides. In: NEVES, D.P. et al.

Parasitologia Humana. 11 ed. São Paulo: Atheneu, 2011.

SILVA JUNIOR, E. A. Manual de controle higiênico-sanitário em serviços de alimentação. 6ª ed. São Paulo: Livraria Varela, 2007

SILVA, A. O; CUNHA, C. R. M; et al. Epidemiologia e prevenção de parasitoses intestinais em crianças das creches municipais de Itapuranga – GO. Revista Faculdade Montes Belos (FMB), v. 8, n° 1, p:1-17, 2015.

SILVA, E. F. Enteroparasitoses em crianças de creches de áreas rurais do município de Coari, Amazonas, Brasil. Rev Patol Trop, vol. 38, n°1, p: 35-43, 2009.

SOGAYAR, R. L.; REJOWSKI, M.. Abordaje teórico-conceitual de la

hospitalidad y sus contribuciones a la educación superior en turismo. Estudios y Perspectivas en Turismo (En Línea), v. 20, p. 1464-1482, 2011.

UNICEF, Fundo das nações Unidas para a Infância. Situação Mundial da Infância.

Brasília: Unicef, 1998.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-276