Neurociência e deficiência intelectual: um olhar reflexivo no processo da alfabetização dos alunos, no ensino fundamental I do colégio Batista de Parintins, em Parintins, Amazonas, Brasil - anos 2020/2021 / Neurocienc and intellectual disability: a reflective look at the process of student literacy in elementary education I of the Baptist college of Parintins, in Parintins, Amazonas, Brazil - years 2020/2021

Jeovani Simas Fonseca, Arlindo Costa

Abstract


A alfabetização dos alunos com deficiência intelectual inclusos no ensino regular é considerada um desafio, principalmente quando não há compreensão dos ritmos de aprendizagem destes alunos pelos professores, sendo que hoje a neurociência suscita informações importantes para que as escolas possam possibilitar, no aprendizado dos alunos em tempo real na sala de aula, um novo olhar ao fracasso escolar deste público. Neste sentido, o estudo objetivou-se em analisar a compreensão da neurociência e sua interface no processo de alfabetização dos alunos com deficiência intelectual no ensino básico regular do Colégio Batista de Parintins em Parintins/AM. A abordagem da pesquisa é de caráter qualitativo e a estratégia de procedimentos técnicos é o Estudo de Caso. O instrumento de coleta de dados norteou-se na entrevista semiestruturada, aplicada a uma professora de Língua Portuguesa, uma professora de Educação Especial, uma pedagoga e a responsável da aluna. Os resultados desta pesquisa elucidam-se pelo fato dos professores no ensino da alfabetização, embora apresentem um perfil qualificado na formação, manifestam bases fragilizadas no embasamento de leituras científicas no que diz respeito a neurociência, que traz informações atualizadas e inovadoras e que podem possibilitar a dinâmica da teoria e a prática no ensino aprendizagem dos alunos com DI.


Keywords


: neurociência, deficiência intelectual, alfabetização, ensino regular.

References


AMAZONAS. Resolução Estadual CEE/AM nº 138/12. Governo do Estado. Instrução normativa 002/2021.

.Documento orientador para o acompanhamento das atividades Remotas - Educação Especial. SEDUC.2021.

BARRETO, D. MENDES, M. AQUINO, A. Práticas Pedagógicas e o Sentido da Docência - Do currículo instituído ao movimento instituinte nas escolas. Editora Conquista. 2019.

BRASIL, Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Secretaria de Educação Especial - MEC, SEESP, 2001.

.Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC, SEESP, 2003.

. Ministério da Educação. Lei 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC,1996.

. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial e continuada dos profissionais do magistério da educação básica.Resolução nº 2, de 1º de julho de 20015.

. Decreto Nº 10.502, DE 30 DE SETEMBRO DE 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/decreto-n-10.502-de-30-de-setembro-de-2020- 280529948: acesso em: 15 de julho de 2021.

. Lei nº 13.146. Lei brasileira de Inclusão (Estatuto da Pessoa com Deficiência) - LBI. Brasília, DF, 2015.

. Lei nº 9.394, de 23 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto, 1996.

. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Caderno de educação especial: A alfabetização de crianças com deficiência: uma proposta inclusiva / Ministrio da educação. --Brasília: MEC, SEB, 2012.

CASTRO, Maria da Paz. 12 respostas sobre Educação Inclusiva em tempos de pandemia. Disponível: https://novaescola.org.br/conteudo/19694/12-respostas- sobre-educacao-inclusiva-em- tempos-de-pandemia/. Acesso em: 21/10/21.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2ed.Porto Alegre: Bookman, 2005.

COSTA, A. M. B.; LEITÃO, F. R.; MORGADO, J.; PINTO, J. V. Promoção da

Educação Inclusiva em Portugal. In Ciências da Educação em Portugal. Porto: Edições ASA. 2006

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto.

ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ESTEBAN, M. Pesquisa qualitativa em educação. Porto Alegre: AMGH, 2010.

FERREIRA, Diana Regina dos Santos Alves; FERREIRA, Wímory de Andrade; OLIVEIRA, Marinalva Silva. Pensamento e lingragemem em crianças com sindrome de Down: um estudo de caso da concepção das professoras. 2010. Disponívelem http: //www. Ciências e Cognição.org/revista.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. (ORG.). Métodos de Pesquisa. Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e SEAD/UFRGS. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GOMES. A. L. L. Verde; POULIN, J. Robert; FIGUEIREDO, R. Vieira. A educação especial na perspectiva da educação inclusiva: O atendimento educacional Especializado para alunos com deficiência intelectual. Brasília: Ministério da educação, Secretaria da Educação Especial; Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010.

GOULART, I. B. Piaget, experiências básicas para utilização pelo professor. Petrópolis: Vozes, 2005.

KUPFER, M.C. Duas notas sobre a inclusão escolar. In: Escritos da criança. N. 06, Porto alegre, centro Lydia Coriat, 2001.

LEGAL, J. E.; DELVAN, J S. Psicologia do desenvolvimento e Aprendizagem. Centro universitário Leonardo da Vinci. Indaial: Grupo Uniasselvi, 2011.

LEITE, Sérgio Antônio da Silva.; COLELLO, Silvia M. Gasparian.; ARANTES, Valéria Amorin (ORGS.). Alfabetização e letramento: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2010.

LEMOV, Doug. AULA NOTA10: 49 técnicas para ser um professor campeão de audiência. Tradução de Leda Beck; consultoria e revisão técnica Guiomar Namo de Mello e Paula Louzano. - São Paulo: Da Boa Prosa: Fundação Lemann, 2011.

MENDES, E.G. Deficiência mental: Um rótulo à procura de significados. Vivência. São José, SC, n.18, 2º sem. 1996. p. 9-23.

OLIVEIRA, G. G. Neurociência e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Uberaba. , 2011.

PACHECO, J. Currículo: Teoria e Práxis. Porto: Porto Editora, 1996.

PLETSCH, M.D. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Rio de janeiro: NAU: Edur, 2010.

ROLDÃO, M. C. Gestão Curricular – Fundamentos e Práticas. Lisboa: Ministério da Educação, 1999.

SILVA, Carla. Neurociência para alfabetização. Edição I / volume I. Disponível e acesso em: 10 julho de 2021.

SILVA, Lisienne de Morais Navarro Gonçalves; GENGHINI, Edna Barberato. Fundamentos em neurociências e disciplinas afins. São Paulo: Pós-Graduação Lato Sensu UNIP, 2019.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

VYGOTSKY, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. São Paulo: Bookman, 2010.

ZORZI, Jaime Luiz. Guia prático para ajudar crianças com dificuldade de aprendizagem: dislexia e outros distúrbios - um manual de boas e saudáveis atitudes - Pinhais: Editora Melo. 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-285