Brincadeira de criança! lógicas associadas ao consumo de smartphone sob a percepção de pais / Child's play! logics associated with smartphone consumption as perceived by parents

Tonny Kerley de Alencar Rodrigues, Antonio José de Sousa Filho, Átila de Melo Lira, Raimundo Nonato Moura Rodrigues, Lilane de Araújo Mendes Brandão

Abstract


Tradicionalmente, os itens de consumo associados à imagem da criança consumidora se restringiam a bens específicos a esse segmento. No entanto, mudanças ocorridas na sociedade contemporânea permitiram a esse público uma maior facilidade de apropriação das tecnologias e espaços de interação virtual do que em consumidores com maior idade. Destaca-se o smartphone, por ser um bem de consumo acentuado e massificado pelas crianças. Este trabalho busca compreender os significados do smartphone percebidos por pais de crianças em idade pré-escolar, levando em consideração as lógicas e práticas de consumo da classe média emergente. Baseado no paradigma interpretativista e na família de perspectivas teóricas que formam a Consumer and Culture Theory (CCT), este estudo exploratório e qualitativo realizou entrevistas em profundidade, por meio de um roteiro semiestruturado, com 18 mães e pais de crianças que possuem smartphone, além de utilizar uma proposta de análise que consiste em uma leitura repetida de todas as entrevistas para associar pontos convergentes e divergentes, permitindo a formação de categorias. Os achados da pesquisa sugerem experiências no mercado de celulares que constroem significados de praticidade e liberdade associadas à comunicação e à busca de informações por meio da internet e de outras aplicações digitais. Ainda, é apresentado o que esta pesquisa denominou de modelo de consumo por sucessão entre parentes colaterais.


Keywords


cultura e consumo, smartphone, crianças, modelo de sucessão.

References


Abeele, M. V., Antheunis, M. L., & Schouten, A. P. (2014). Me, myself and my mobile: A segmentation of youths based on their attitudes towards the mobile phone as a status instrument. Telematics and Informatics, 31(2), 194-208.

Abreu, C. R. F. N., Spritzer, D. T., Góes, D. S., & Karam, R. G. (2008). Dependência de Internet e de jogos eletrônicos: uma revisão. Revista Brasileira de psiquiatria, 30(2), 156-167.

Aguiar, L., Torres, H. D. G., & Meirelles, R. (2008). O consumidor de baixa renda. Varejo para a baixa renda. Porto Alegre, RS: Bookman.

Ak, Ş., Koruklu, N., & Yılmaz, Y. (2013). A study on Turkish adolescent's Internet use: possible predictors of Internet addiction. Cyberpsychology, Behavior, and Social Networking, 16(3), 205-209.

Allen, M. W. (2001). A practical method for uncovering the direct and indirect relationships between human values and consumer purchases. Journal of Consumer Marketing, 18(2), 102-120.

Arnould, E. J., & Thompson, C. J. (2005). Consumer culture theory (CCT): Twenty years of research. Journal of Consumer Research, 31(4), 868-882.

Arnould, E. J., & Thompson, C. J. (2007) ‘Consumer Culture Theory (and We Really Mean Theoretics): Dilemmas and Opportunities’, in R. W. Belk and J. F. Sherry Jr (Ed.). Research in Consumer Behavior 11, (pp. 3–22). Oxford: Elsevier

Arruda Filho, E. J., Cabusas, J. J., & Dholakia, N. (2008). Fator social versus tecnologia utilitária: marketing social versus mercado utilitário. JISTEM: Journal of Information Systems and Technology Management, 5(2), 304-324.

Arruda Filho, E. J & Dholakia, R. R. (2013). Hedonism as a Decision Factor and Technologic Usage/Hedonismo como um Fator de Decisão e Uso Tecnológico. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, (15)48, 343-361.

Arruda Filho, E. J & Dholakia, R. R. & Lima, R. M. C. (2012). Preferências hedônicas e justificações utilitárias na introdução de novos produtos de alta tecnologia. JISTEM: Journal of Information Systems and Technology Management, 9(1), 171-188.

Barros, C. (2012a). Representations of Poverty and Digital Inclusion: Clashes over alterity in the field of technology and the virtual universe. Journal of Latin American Communication Research, 2(1), 92-114.

Barros, C. (2012b). Tecnologias digitais, sociabilidade e “território”: um estudo entre jovens pertencentes às camadas populares no Brasil. Avatares de la Comunicación y la Cultura, 4(1), 1-17.

Barros, C. & Rocha, E. (2009). Lógica de consumo em um grupo das camadas populares: uma visão antropológica de significados culturais In: Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação Em Administração, EnAnpad (pp. 1-16). Rio de Janeiro, RJ: Anais Anpad.

Barros, D. F. & Hemais, M. W. (2014). Orgulho e Preconceito (?) – uma Investigação Sobre os Significados do Consumo Consciente para a Nova Classe Média. In: Encontro da

Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação e Administração, EnAnpad 38, (pp. 1-17). Rio de Janeiro, RJ: Anpad.

Belk, R. W., Bahn, K. D., & Mayer, R. N. (1982). Developmental Recognition of Consumption Symbolism. Journal of Consumer Research, 9(1), 4-17.

Belk, R. W., Mayer, R., & Driscoll, A. (1984). Children's recognition of consumption symbolism in children's products. Journal of Consumer Research, 10(4), 386-397.

Belk, R. W. (1988). Possessions and the extended self. Journal of consumer research, (15)2, 139-168.

Belk, R. W. (2014). Digital consumption and the extended self. Journal of Marketing Management, 30(11), 1101-1118.

Belk, R. W. (2016). Extended self and the digital world. Current Opinion in Psychology, 10(1), 50-54.

Baumhammer, P., Silva, M. G., & da Costa, M. F. (2017). Smartphone como a Extensão do “Eu” no Comportamento do Consumidor: Um Estudo Com o Mercado Português. Revista Interdisciplinar de Marketing, 7(2), 175-190.

Blackwell, C. K., Lauricella, A. R., & Wartella, E. (2014). Factors influencing digital technology use in early childhood education. Computers & Education, v. 77(1), 82-90.

Bolsoni-Silva, A. T., Paiva, M. M. D., & Barbosa, C. G. (2009). Problemas de comportamento de crianças/adolescentes e dificuldades de pais/cuidadores: um estudo de caracterização. Psicologia clínica, 21(1), 169-184.

Braga, T. V. M. (2013). A nova classe média no Brasil: reflexões acerca de suas expectativas.

Gestão & Sociedade. Revista de Pós-Graduação da Uniabeu, 1(2), 1-11.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 12.796, de 04 de abril de 2013. Estabelece que os pais ou responsáveis devam matricular as crianças de 04 anos. Artigo 06. É dever dos pais ou responsáveis efetuar a matrícula das crianças na educação básica a partir dos 04 anos de idade. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2018.

Castilhos, R. B. (2009). Subindo o Morro: Consumo, Posição Social e Distinção entre Famílias de Classes Populares. In: ROCHA, A; SILVA, J. (Ed). Consumo na base da pirâmide: estudos brasileiros (pp. 255-273). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Castilhos, R. B., & Fonseca, M. J. (2016). Pursuing upward transformation: The construction of a progressing self among dominated consumers. Journal of Business Research, 69(1), 6-17.

CCEB. Critério de Classificação Econômica Brasil. 2014. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil. Acessado em: 24 de janeiro de 2018.

Chauvel, M. A., & Mattos, M. P. D. A. Z. (2008). Low income consumers: a review of Brazilian studies. Cadernos EBAPE. BR, 6(2), 01-17.

Clayton, R. B., Leshner, G., & Almond, A. (2015). The extended iSelf: the impact of iPhone separation on cognition, emotion, and physiology. Journal of Computer‐Mediated Communication, 20(2), 119-135.

Cohn, Clarice. (2005). Antropologia da criança. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Connell, P. M., Brucks, M., & Nielsen, J. H. (2014). How childhood advertising exposure can create biased product evaluations that persist into adulthood. Journal of Consumer Research, 41(1), 119-134.

Correa, G. B. F., & Crescitelli, E. (2009). Os efeitos da propaganda no comportamento de compra do público infantil. Management in Dialogue Review, 11(1), 122-148.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (1994). Handbook of Qualitative Research. London: Sage.

Douglas, M; Isherwood, B. (2004). O Mundo dos Bens. Rio de Janeiro, RJ: UFRJ.

Epp, A. M., & Price, L. L. (2008). Family identity: A framework of identity interplay in consumption practices. Journal of Consumer Research, (35)1, 50-70.

Epp, A. M., & Price, L. L. (2009). The storied life of singularized objects: Forces of agency and network transformation. Journal of Consumer Research, v. 36(5), 820-837.

Fantinato, A. C., & Cia, F. (2015). Habilidades sociais educativas, relacionamento conjugal e comportamento infantil na visão paterna: Um estudo correlacional. Psico, 46(1), 120-128.

Filardi, F., Trinta, J. L., & Carvalho, B. (2016). Características do Consumo de Beleza na Base da Pirâmide: Análise da Percepção dos Participantes do Mercado. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 8(2), 123-153.

Gerhard, F., Sousa, T. M. P., Souza, L. L. F., Carvalho, H. A., & Pañaloza, V. (2015). Consumo na baixa renda: influência dos valores de compra hedônico e utilitário no endividamento. RACE-Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 14(2), 797-824.

Goh, S. K., Jiang, N., & Tee, P. L. (2016). The Impact of Brand trust, Self-image Congruence and Usage Satisfaction toward Smartphone Repurchase Intention. International Review of Management and Marketing, 6(3), 436-441.

Guest, G., Bunce, A., & Johnson, L. (2006). How many interviews are enough? An experiment with data saturation and variability. Field methods, 18(1), 59-82.

Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão. Psicologia: teoria e pesquisa, 22(2), 201-210.

Hartman, J. B., Shim, S., Barber, B., & O'Brien, M. (2006). Adolescents' utilitarian and hedonic Web consumption behavior: Hierarchical influence of personal values and innovativeness. Psychology & Marketing, 23(10), 813-839.

Hemais, M. W., Borelli, F. C., Casotti, L. M., & Dias, P. I. R. (2014). Economia, marketing e indivíduos de baixa renda: O interesse após uma história de indiferença. Revista de Ciências da Administração, 16(1), 49-64.

Hemais, M. W., & Casotti, L. M. (2015). Insatisfações projetadas de consumidores de baixa renda. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(4), 65-84.

Hemais, M. W., Casotti, L. M., & Rocha, E. P. G. (2013). Hedonismo e moralismo: consumo na base da pirâmide. Revista de Administração Eletrônica, 53(2), 199-207.

Holbrook, M. B., & Hirschman, E. C. (1982). The Experiential Aspects of Consumption: Consumer fantasies, feelings, and fun. Journal of Consumer Research, 9(2), 132-140.

Khan, S., Gagné, M., Yang, L., & Shapka, J. (2016). Exploring the relationship between adolescents' self-concept and their offline and online social worlds. Computers in Human Behavior, 55(1), 940-945.

Katz, J. E., & Sugiyama, S. (2006). Mobile phones as fashion statements: evidence from student surveys in the US and Japan. New media & society, 8(2), 321-337.

Kildare, C. A., & Middlemiss, W. (2017). Impact of parents mobile device use on parent-child interaction: A literature review. Computers in Human Behavior, 75(1), 579-593

Leme, B. R. V., & Marturano, E. M. (2014). Preditores de comportamentos e competência acadêmica de crianças de famílias nucleares, monoparentais e recasadas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 27(1), 153-162.

Lemos, I. L., & Santana, S. D. M. (2012). Dependência de jogos eletrônicos: a possibilidade de um novo diagnóstico psiquiátrico. Revista de Psiquiatria Clínica, 39(1), 28-33.

Levy, S. J. (1959). Symbols for Sale. Harvard Business Review, 37(4), 117-24.

Levy, S. J. (1981). Interpreting consumer mythology: a structural approach to consumer behavior. Journal of Marketing, 45(3), 49-61.

Levy, S. J. (1995). Foreword: Does marketing need anthropology? In: SHERRY, J.F., JR. Contemporary Marketing and Consumer Behavior: An Anthropological Sourcebook (pp. 9-14). Thousand Oaks, CA: Sage.

Li, W., Garland, E. L., & Howard, M. O. (2014). Family factors in Internet addiction among Chinese youth: A review of English-and Chinese-language studies. Computers in Human Behavior, 31(1), 393-411.

Lindlof, T. R. & Taylor, B. C. (2017). 13. ed. Qualitative communication research methods. Thousand Oaks, CA: Sage publications.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Liu, R. L., Sprott, D. E., Spangenberg, E. R., Czellar, S., & Voss, K. E. (2018). Consumer preference for national vs. private brands: The influence of brand engagement and self-concept threat. Journal of Retailing and Consumer Services, 41(1), 90-100.

Locatelli, R. L. L., Ramalho, W., & Silvério, R. A. D. O. (2015). Determinantes da inadimplência no crédito habitacional direcionado à classe média emergente Brasileira. Revista de Finanças Aplicadas, 1(1), 1-30.

Mamede, C. A. S, Melo, M. C. O. L. & Pinto, R. A. (2017). A Visão Empreendedora e o Processo De Sucessão Em Empresa Familiar. Perspectivas Contemporâneas, 12(1), 169-187.

Matos, C. A. & Bonfanti, K. (2016). Comportamento compulsivo de compra: fatores influenciadores no público jovem. REGE-Revista de Gestão, 23(2), 123-134.

Mattoso, C. (2013). A Posição Social, Sua Influência no Consumo da Base da Pirâmide e a

Adoção de um novo modelo de Estratificação Social. Revista Brasileira de Pesquisa de

Marketing, Opinião e Mídia, 12(1), 45-58.

Mattoso, C. & Ferreira, G. (2012). Gaste Com Moderação: Um Estudo Sobre o Comportamento do Jovem Adulto Universitário de Classe C Frente ao Discurso do Consumo Consciente do Dinheiro e do Crédito. Pensamento & Realidade, 27(3), 56-73.

Mattoso, C., Ferreira, G. & Rocha, A. (2008). Building, losing and reconstructing social identities: an investigation into the symbolic use of credit by poor consumers in Brazil. Latin American Business Review, 9(3/4), 227-255.

McCracken, G. (1986). Culture and consumption: A theoretical account of the structure and movement of the cultural meaning of consumer goods. Journal of consumer research, 13(1), 71-84.

Oliveira, M. P. M. T. D., Cintra, L. A. D., Bedoian, G., Nascimento, R. D., Ferré, R. R., & Silva, M. T. A. (2017). Use of Internet and Electronic Games by Adolescents at High Social Risk. Temas em Psicologia, 25(3), 1167-1183.

Oliveira Júnior, M. & Bonifácio, V. J. (2016). Publicidade Infantil Na Era Online. Revista Científica on-line-Tecnologia, Gestão e Humanismo, 7(2), 110-120.

Paixão, C. R. & Sousa, R. P. L. 9 (2015). Consumo colaborativo: tendência de construção de conhecimento e negócios no mercado digital de produtos usados. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(2), 170-185.

Pasdiora, M. A. & Brei, V. A. 9 (2014). A formação do hábito de consumo infantil: uma análise crítica da Teoria do Consumo de Status aplicada às classes sociais altas e baixas no Brasil. Organizações & Sociedade, 21(68), 33-58.

Pereira, C. R. & Silva, S. R. (2014). O consumo de smartphones entre jovens no ambiente escolar. In: Encontro Regional Sul de História da Mídia, Alcar Sul, 5 (pp.1-15). Florianópolis, SC: Anais Alcar Sul.

Perin, M. G., Sampaio, C. H., Froemming, L. M. S., & Luce, F. B. (2015). Pesquisa survey em artigos de marketing nos ENANPADs da década de 90. Revista interdisciplinar de Marketing, 1(1), 44-59.

Portugal, A. P. M. & Alberto, I. M. M. (2013). Escala de Avaliação da Comunicação na Parentalidade (COMPA): Desenvolvimento e validação de uma medida da comunicação parento-filial. Avances en Psicología Latinoamericana 32(1), 85-103.

Prahalad, C. K. & Hammond, A (2002). A. Serving the world’s poor profitably. Harvard Business Review, 80(9), 4-11.

Prahalad, C. K. & Hart, S. L. O pote de ouro na base da pirâmide. HSM Management, 32(6), 14-27.

Ramalho, R. & Ayrosa, E. A. T. (2009). Subcultura Tuning: a identidade estendida na personalização de automóveis. Revista de Ciências da Administração, 11(24), 136-168.

Rambe, P. & Bere, A. (2013). Using mobile instant messaging to leverage learner participation and transform pedagogy at a South African University of Technology. British Journal of Educational Technology, 44(4), 544-561.

Rocha, A. & Rocha, E. (2007). Paradigma interpretativo nos estudos de consumo: retrospectiva, reflexões e uma agenda de pesquisas para o Brasil. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 71-80.

Rocha, E. & Barros, C. Dimensões culturais do marketing: teoria antropológica, etnografia e comportamento do consumidor. Revista de Administração de Empresas, 46(4), 1-12, 2006

Rocha, A. R. C., Rocha, A. & Rocha, E. (2016). Classifying and classified: An interpretive study of the consumption of cruises by the “new” Brazilian middle class. International Business Review, 25(3)624-632.

Rodrigues, T. K. A. & Casotti, L. M. (2015). Queremos Mobilidade! Lógicas de consumo associadas à experiência com o primeiro automóvel. Revista de Administração, 13(1), 220-247.

Rook, D. W. (1984). Ritual Behavior and Consumer Symbolism. Advances in Consumer Research, 11(1), 279-284.

Rook, D. W. (1985). The ritual dimension of consumer behavior. Journal of Consumer Research, 12(3), 251-264.

Rook, D. W. (2007). Dimensão ritual do comportamento de consumo. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 81-98.

Rook, D. W. & Levy, S. J. (1983). Psychosocial themes in consumer grooming rituals. In: BAGOZZI, R. P.; TYBOUT, A. M. (Ed). Advances in Consumer Research 10, (pp. 329-333) Provo, UT: Association for Consumer Research.

Santos, A. W. & Gomes Filho, A. S. (2017). As Relações entre o Self/Eu estendido e o consumo de marcas de Smartphones: um estudo com universitários da Região do Cariri cearense. Id on Line Revista de Psicologia, 11(38), 42-56.

Silva, M. F. A., Gomes, K. F, Brito, K. P. P., & Carneiro, M. I. P. (2017). O processo de psicoterapia infantil sob uma perspectiva psicanalítica. Revista FAROL, 4(4), 126-141.

Spiggle, S. (1994). Analysis and Interpretation of Qualitative Data in Consumer Research. Journal of Consumer Research, 21(3), 491-503.

Suarez, M. C. & Casotti, L. M. (2015). Transcendendo a Abordagem Individual do Consumo: uma investigação dos significados do automóvel pela perspectiva das famílias. Brazilian Business Review, 12(2) 91-114

Suarez, M. C. & Chauvel, M. A. (2012). Motivações e significados do abandono de categoria: aprendizado a partir da investigação com ex-fumantes e ex-proprietários de automóveis. Cadernos EBAPE. BR, 10(2), 411-434.

Suzuki, F. T. I., Matias, M. V., Silva, M. T. A., & Oliveira, M. P. M. T. D. (2009). O uso de videogames, jogos de computador e internet por uma amostra de universitários da Universidade de São Paulo. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 58(3), 162-168.

Terres-Trindade, M. & Mosmann, C. P. (2016). Conflitos Familiares e Práticas Educativas Parentais como Preditores de Dependência de Internet. Psico-USF, 21(3), 623-633.

Terroso, L. B. & Argimon, I. I. L (2016). Dependência de internet e habilidades sociais em adolescentes. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 16(1), 200-219.

Thaichon, P. (2017). Consumer socialization process: The role of age in children's online shopping behavior. Journal of Retailing and Consumer Services, 34(1), 38-47.

Tetreault, M. A. S. & Kleine Iii, R. E. (1990). Ritual, Ritualized Behavior, and Habit: Refinements And Extensions Of The Consumption Ritual Construct. Advances in Consumer Research 17(1), 31-38.

Tojib, D., Tsarenko, Y. & Sembada, A. Y. (2015). The facilitating role of smartphones in increasing use of value-added mobile services. New media & society, 17(8), 1220-1240.

Vinuto, J. (2014). A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Revista Temáticas, Campinas, 22(44), 203-220.

Xavier Sobrinho, G. F. (2011). A “Classe C” e sua alardeada




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-302