Luto: uma perspectiva fenomenológico-existencial na clínica psicológica / Mourning: a phenomenological-existential perspective on psychological clinic

André Victor Ribeiro, Matheus Oliveira de Araújo, William Gabriel da Silva Lima

Abstract


É a partir da morte que se compreende a vida propriamente dita, enxergando variadas características singulares que são expressas nas mais íntimas relações. E são nessas relações que o ser–no–mundo com outros emergirá, tendo como consequência um padrão de entendimento e de ações que servem de abarque para lidar com uma despedida infame. O propósito deste estudo é ganhar conhecimento acerca dessa relação entre um eu instituído a partir de um outro, que já não é mais outro, e sim lembrança, além de ganhar entendimento das formas em que o luto aparece no meio social, como resultado singular que é desenvolvido pelo próprio sujeito pra lidar com a situação. Ainda, abarca-se limites e possibilidades voltados para a clínica fenomenológica - existencial na ação com o enlutado.


Keywords


luto, heidegger, fenômeno, angústia, clínica.

References


ARAUJO, Fernanda Paulo. O existir do Homem. Revista Eletrônica Print by FUNREI Μετανόια, São João del-Rei, n. 1, p. 71-74 , jul. 1998/1999.

ARIÈS, Philippe. (2012¬). História da morte no ocidente: da Idade Média aos nossos dias. Ed. especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Tradução de: Essais sur l'histoire de Ia mort en Occidentdu Moyen-Ageànos jours. ISBN 978.85.209.3095-3.

CARDINALLI, Ida Elizabeth. Heidegger: o estudo dos fenômenos humanos baseados na existência humana como ser-aí (Dasein). Psicol. USP, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 249-258, ago. 2015. Disponível em . acessos em 26 maio 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420135013.

ELIAS, Nobert (2001). A solidão dos moribundos seguido de envelhecer e Morrer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

FEIJOO, A. M. L. C. A escuta e a fala em psicoterapia: uma proposta fenomenológico-existencial. São Paulo: Vetor, 2000.

FREITAS, Joanneliese de Lucas. Luto e fenomenologia: uma proposta compreensiva. Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 19, n. 1, p. 97-105, jul. 2013.

FREITAS, Joanneliese Lucas de; MICHEL, Luís Henrique Fuck. The biggest pain in the world: the mother´s mourning from a phenomenological perspective. Psicol. estud., Maringá, v. 19, n. 2, p. 273-283, jun. 2014. Disponível em: . ISSN 1413-7372. http://dx.doi.org/10.1590/1413-737222324010

FREITAS, Joanneliese de Lucas. Luto, pathos e clínica: uma leitura fenomenológica.Psicol. USP, São Paulo, v. 29, n. 1, p. 50-57, jan. 2018.

GIACOMIN, Karla Cristina; SANTOS, Wagner Jorge dos; FIRMO, Josélia Oliveira Araújo. O luto antecipado diante da consciência da finitude: a vida entre os medos de não dar conta, de dar trabalho e de morrer. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 18, n. 9, p.2487-2496, set. 2013. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1413-81232013000900002.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo, parte 1. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback. 15ª Edição. Petrópolis, RJ: Editora Vozes Ltad, 2005. p. 324. (Coleção Pensamento Humano). ISBN 85.326.0947-3

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo, parte 2. Trad. Marcia Sá Cavalcante Schuback. 13ª Edição. Petrópolis: ED. Vozes Ltad, 2005. p. 17-50. (Coleção Pensamentos Humanos). ISBN 85.326.0225-8.

HEIDEGGER, Martin., & Boss, M. (Org.) (2009). Seminários de Zollikon. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista, SP: Universitária São Francisco. (Trabalho original publicado em 1987).

HUSSERL, Edmund. La idea de la fenomenología. Herder Editorial, 2012

MACEDO, Ana Calila Almeida de; OLIVEIRA, Camila Miranda Gonçalves de. Luto: Compreendendo os desafios da finitude humana. 2011. 55 f. TCC (Graduação) - Curso de Psicologia, Universidade Potiguar, Natal, 2011.

MARTINS, Francisco. O que é phatos?. Rev. latinoam. psicopatol. fundam., São Paulo, v. 2, n. 4, p. 62-80, Dec. 1999.

PAPALIA, Diane E.; FELDMAN, Ruth D. Desenvolvimento humano. Artmed Editora, 2013.

PARKES, Colin Murray. Luto: Estudos sobre a perda na vida adulta. 3. Ed. Sao Paulo: Summus Editorial, 1998.

ROSS, Elisabeth Kubler -. Sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2008.

SANTOS, Elionésia Marta dos; SALES, Catarina Aparecida. Familiares enlutados: compreensão fenomenológica existencial de suas vivênciasFamílias de luto: comprensión fenomenológica existencial de sus vivencias. Texto contexto - enferm., Florianópolis, v. 20, n. spe, p. 214-222, 2011. Available from: . Access on 27 May 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500027.

SÁ, Roberto Novaes de. A analítica fenomenológica da existência e a psicoterapia. Tédio e Finitude: da Filosofia A Psicologia, Brasil, p.177-199, ago. 2010.

SA, Roberto Novaes de; BARRETO, Carmem Lúcia Brito Tavares. A noção fenomenológica de existência e as práticas psicológicas clínicas. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 28, n. 3, p. 389-394, set. 2011.

WORDEN, W. J. (1998). Terapia do luto: um manual para o profissional de saúde mental (2ª Ed.). Porto Alegre: Artmed.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-314