Educação inclusiva: a criança com deficiência visual em sala de aula e a caracterização da deficiência visual / Inclusive education: the visually impaired child in the classroom and the characterization of visual impairment

Regina Lúcia de Paula Mendes, Catarina Costa Fernandes

Abstract


A aprendizagem dos alunos com deficiência visual necessita de um ensino de qualidade, bem como profissionais preparados para atendê-los. Partindo desde princípio a escola deve proporcionar estratégias que permita ao aluno o desenvolvimento das suas habilidades e potencialidades, sempre que possível. A escola deve proporcionar ao aluno um ambiente de reflexão sobre a vida como um todo, contribuindo assim, na consciência crítica e transformadora, oferecendo além dos materiais didáticos e pedagógicos, outros recursos relacionados ao bem estar afetivo de cada aluno, para que o mesmo possa refletir sobre a vida e seus aspectos. Por meio de estratégias que permita ao aluno o desenvolvimento de habilidades e potencialidades, sempre que possível o professor poderá se aproximar do aluno, e trabalhar a parte afetiva, questionando sobre sua história de vida, sua família e tudo o que se relaciona com ele. A afetividade para com os alunos com deficiência visual é uma ferramenta auxiliadora nos aspectos cognitivos da aprendizagem. O estudo tem por objetivo discutir e apontar o saber do senso comum, constituído por um conjunto de informações, opiniões, crenças e atitudes partilhadas por um grupo a respeito de um dado objeto social. Sabe-se que a representação social é instituída e instituidora da realidade social na qual as práticas estão inseridas, a pesquisa foi desenvolvida na Escola Estadual Joana Rodrigues Vieira em Manaus-AM, os sujeitos foram 4 Professoras que atendem a 89 alunos matriculados na educação Especial onde todos são deficientes visuais. Os instrumentos utilizados para o acesso às representações dos professores sobre a afetividade no atendimento aos alunos com deficiência visual foram as entrevistas com a técnica de associação livre palavras. Dentre os métodos associativos, a associação livre palavras se caracterizam por, a partir de uma ou mais palavras indutoras, pedir ao sujeito que as associe a todas as palavras ou expressões que imediatamente lhe venham à cabeça. O estudo apontou na visão das professoras participantes que a inclusão do aluno deficiente visual só desenvolverá se for despido do rótulo de incapacitado, dependente e fracassado. A sociedade e a escola devem oportunizar condições favoráveis em sua estrutura, para que estas pessoas possam mostrar que apesar de suas limitações elas possuem potencial necessário para o exercício de funções compatíveis com a sua capacidade.


Keywords


educação inclusiva, deficiência visual, caracterização, aprendizagem.

References


BAUTISTA, Rafael (org). Necessidades Educativas Especiais. 2ª edição. Lisboa: De livro, 2011.

BRASIL. DECRETO Nº 3.298 DE 20 DE DEZEMBRO DE 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm > acesso em 17 de outubro de 2021.

BRASIL. DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm > Acesso em 26 de outubro de 2021.

CARVALHO, Francisca Cléa Almeida de. A Inclusão do Aluno com Deficiência Visual no Ensino Regular e Uso das Ferramentas Pedagógicas a Aprendizagem. Monografia. Curso de Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar – UAB/UnB, 2011.

COSTA, Arlindo. Metodologia Científica. Mafra: Nosde, 2019.

DIAS, Lucia Maria Beloni Corrêa. A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS 1948–2018: SETENTA ANOS. SUPERIOR, p. 88.

DR. VISÂO. Disponível em: www.drvisao.com.br (Acesso em maio de 2021)

FERNANDES, Catarina Costa. Metodologia da Pesquisa em Educação. Mafra (SC) Nitran, 2021.

GIMÉNEZ, M. B., PROCÓPIO, L. F., DA SILVA GONÇALVES, M. C., DE ALMEIDA, M. Z. C. M., & PROCÓPIO, M. Afetividade na educação infantil: um estudo de caso à luz de Paulo Freire, Piaget e Wallon Affectivity in early childhood education: a case study in the light of Paulo Freire, Piaget and Wallon. 2021.

MASINI, E. F. C., CHAGAS, P. A. C., C., TJHAIS K. M., Facilidades e dificuldades Encontradas pelos professores que lecionam para alunos com Deficiência Visual em Universidades Regulares, Revista Benjamim Constant, RJ, ano 12, nº 34 p.15, 2016.

MENDONÇA, A., MIGUEL, C., NEVES G., MICAELO, M., REINO, V., Alunos cegos e com baixa visão - Orientações Curriculares. Ministério da Educação, Brasil, 2017.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social 3ª.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

PESSOTTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: T.A. Queiroz. Distância/MEC, 2010.

PIAGET, Jean. Relações entre a afetividade e a inteligência no desenvolvimento mental da criança. Digitaliza Conteudo, 2020.

RAMOS, A. Fisiologia da visão, um estudo sobre o “ver” e o “enxergar”. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio, 2006.

RAPOSO E CARVALHO, R. E. Desenvolvendo políticas e práticas inclusivas sustentáveis: uma revisita à inclusão. Educação em Foco, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 47-56, set./fev. 2010.

RODRIGUES, Maria Rita Campello. Estimulação Precoce: A contribuição da psicomotricidade na intervenção fisioterápica como prevenção de atrasos motores na criança cega congênita nos dois primeiros anos de vida. Revista IBC, Edição 32, abril de 2011.

SASSAKI, Romeu K. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. 6ª ed. Rio de Janeiro, WVA: 2012.

TEIXEIRA-INEP, ANÍSIO. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Boletim de Serviço Eletrônico em, v. 24, p. 10, 2019.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-336