Estado da arte sobre a psicologia do trânsito e a educação / State of the art on traffic psychology and education

Nayana Sepúlveda Suzart, Aretusa lima Evangelista Oliveira, Lara Amorim Helfenstein, Louise Cristine Santos Sobral, Marcele Gomes Silva de Sousa, Valeria Santana de Freitas, Cristiano Silva Santos

Abstract


A prática contemporânea da Psicologia no contexto do trânsito brasileiro assume uma perspectiva interdisciplinar. O presente artigo parte da ideia que o trânsito é um fenômeno social, assim sendo, a elaboração de métodos educativos deve promover a reflexão sobre as questões culturais relacionadas a promoção de segurança nesse contexto. Buscou-se analisar e discutir a produção acadêmica no campo da Psicologia do Trânsito e da Educação, publicados nas bases de dados digitais scielo.br (Scientific Electronic Library Online) e pepsic.bvsalud.org (Portal de Periódicos Eletrônicos de Psicologia). A partir de levantamento nas referidas bases de dados, utilizando os descritores “psicologia”, “trânsito” e “educação” foram encontrados quatro artigos no scielo.br e cinco artigos no pepsic.bvsalud.org. Os estudos foram analisados e refletidos segundo os critérios: data de publicação, autoria, filiação institucional, objeto de estudo, enfoques teórico/metodológico e conclusões. A fim de verificar o crescimento e a atualização da produção científica, de suas características e lacunas, além de socializar o conhecimento produzido através das pesquisas já publicadas, optou-se pela metodologia Estado da Arte. Por meio da análise dos artigos, percebeu-se que apesar da pesquisa ter sido realizada no ano de 2021, os artigos foram publicados no período de 1986 a 2015. Os autores concebem que a prática educativa relacionada a Psicologia deve levar em consideração o trânsito como uma questão social, destaca a importância de as práticas psicológicas dialogarem com outras áreas de conhecimento e da necessidade implementação de políticas públicas que envolvam a educação para redução de acidentes no trânsito. A presente pesquisa foi realizada em duas importantes bases de dados, por isso considera-se um quantitativo restrito sobre o tema. Sobre a abordagem metodológica, apenas dois estudos não são revisão de literatura, assim alerta para a necessidade de desenvolver pesquisas empíricas que possam avaliar a importância, os tipos de estratégias e o progresso das práticas educativas que devem ser implementadas ou que já foram desenvolvidas. Foi notório que pouco se tem produzido com o foco na esfera da educação básica. Contudo, conclui-se que para a realização de ações educativas que possam envolver a população desde da infância, de forma contínua e sem interrupção, até a fase adulta é necessário que haja implementação de política nos níveis federal, estadual e municipal. Por fim, sugere que a Psicologia oferece subsídio para a compreensão dos aspectos sociais, culturais e subjetivos envolvidos na inter-relação homem e trânsito.


Keywords


psicologia, trânsito, educação.

References


BIANCHI, Alessandra Sant'Anna. Édipo encontra seu pai: um conflito de trânsito? Revista Psicologia, v. 8, n. 1, p.101-106, 2007.

BRAVO, Mariene, de S. Aprender a dirigir aos 18 anos de idade: uma visão da psicologia nessa fase da adolescência. Revista Boletim de Psicologia, 2015, Vol. lXV, Nº 143: 147-155

CRISTO E SILVA, F. H. V. de; GÜNTHER, H. Psicologia do trânsito: de onde veio e para onde caminha? Revista Temas em Psicologia, v. 17, n. 1, p. 163-175, 2009.

DAGOSTIN, Carla Giovana. Psicologia do Trânsito. Palhoça: Unisulvirtual, 2014.

FERREIRA, N. As Pesquisas Denominadas “Estado da Arte”. Revista Educação & Sociedade. Ano XXIII, 79, 257-272, 2002.

FAPESP. Indicadores FAPESP de Ciências, Tecnologia e Inovação. Novembro 2011, boletim nº 3.

HOFFMANN, M. H. Comportamento do condutor e fenômenos psicológicos. Revista Psicologia: Pesquisa & Trânsito, v. 1, n. 1, p. 17-24, 2005.

QUEIROZ, Marcos S; OLIVEIRA, Patrícia C. P. Acidentes de trânsito: uma visão qualitativa no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Revista Caderno Saúde Pública, v. 18, n. 5, p.1179-1787, 2002.

ROZESTRATEN, R. J. A. Psicologia do trânsito: conceito e processos básicos. São Paulo: EPU, 1988.

ROZESTRATEN, Reinier J. A. A Psicologia Social e o trânsito. Revista Psicologia Ciências e Profissão, v. 6, n. 2, p.22-23, 1986.

ROZESTRATEN, Reinier Johannes Antonius. Novos caminhos para a psicologia do trânsito. Revista Psicologia Ciências e Profissão, v. 20, n. 4, p.80-85, 2000.

SAMPAIO, Maria Helena de Lemos; NAKANO, Tatiana de Cássia. Avaliação psicológica no contexto do trânsito: revisão de pesquisas brasileiras. Revista Psicologia Teoria e Prática, v. 13, n. 1, p. 15-33, 2011.

SOARES, Diogo Picchioniand; THIELEN, Iara Picchioni. Projeto transformando o trânsito e perspectiva do facilitador. Revista Psicologia Ciências e Profissão, v. 32, n.3, p.730-743, 2012.

WITTER, G. Pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e busca de informação. Revista Estudos de Psicologia (Campinas), v.1, n. 7, p. 5-30, 1990.

WOLSKI, Alessandro Luís e ALARCON, Marcos Fernandes Sanches, Segurança pública com cidadania: a lei seca e o direito assegurado para a contraprova ao bafômetro nas fiscalizações randômicas de trânsito realizadas pela polícia militar do Paraná, Brazilian Journal Development, v. 8, n.3, p 18321-18251, 2022.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-350