Desenvolvimento inicial de plântulas de brócolis (Brassica oleracea L.) e pepino (Cucumis sativus) sobre diferentes potenciais de salinidade / Initial development of broccoli (Brassica oleracea L.) and cucumber (Cucumis sativus) cuttings under different salinity potencies

Larissa Sanches Caio da Fonseca, André Luiz Vianna de Paula, Pedro Bento da Silva

Abstract


No Brasil a produção de hortaliças se destaca por apresentar algumas peculiaridades de cultivo, o que geralmente não ocorre em outros países. A salinidade é um problema que ocorre em regiões áridas e semiáridas, apresentando problemas de salinização, muitas vezes por causa de práticas agrícolas excessivas, e também por causa da irrigação mal manejada que pode acelerar esse processo podendo atingir níveis prejudiciais à cultura. Assim, esse trabalho teve como objetivo avaliar o desenvolvimento inicial de plântulas de Brócolis e Pepino sobre diferentes potenciais de salinidade. O delineamento foi inteiramente ao acaso (DIC) em esquema fatorial quatro potenciais de indução a tolerância a déficit hídrico zero (0,0 controle), -0,2 MPa, -0,4MPa, -0,6MPa e -0,8 MPa) para o meio germinativo com quatro repetições de 50 sementes, para cada espécie de hortaliças (brócolis e pepino). Foram avaliados comprimento de raiz (CPR), comprimento da parte aérea (CPA), protrusão radicular (PR), tempo médio de germinação (TMG), velocidade de germinação (T50) e índice de uniformidade (T7525). Os dados médios foram submetidos a análise de variância e pelo teste F a 5% de probabilidade e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Observou-se que as variáveis comprimento de raiz, comprimento da parte aérea, protrusão radicular e germinação em plântulas de brócolis e pepino reduziram à medida que os potencias do meio germinativos diminuíram. O potencial do meio germinativo reduz o vigor e o potencial germinativo de plântulas de brócolis e de pepino.


Keywords


vigor, germinação, plântulas, radícula, cloreto de potássio.

References


ANDRÉO-SOUZA, Y. et al. Efeito da salinidade na germinação de sementes e no rescimento inicial de mudas de pinhão manso. Revista Brasileira de Sementes n. 32, v.2, p.83-92, 2010.

ASHRAF, M. HARRIS, P.J.C. Potential biochemical indicators of salinity tolerance in plants. Plant Science 166: 3-16, 2004.

BARBOSA, J. C.; MALDONADO JR, W. AgroEstat - Sistema de análises estatísticas de ensaios agronômicos. Versão 1.0, Jaboticabal: Universidade Estadual Paulista, 2010.

BARRETO, H.B.F. et al. Efeito da irrigação com água salina na germinação de sementes de sábia (Mimosa caesalpiniifolia Benth). Revista Verde, Mossoró, v.5, n.3, p. 125-130, 2010.

BORGES, C.T. et al. O estresse salino afeta a qualidade fisiológica de sementes de rúcula. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v.10, n.19, p.1049-1057, 2014.

BRACCINI, A.L. et al. Germinação e vigor de sementes de soja sob estresse hídrico induzido por soluções de cloreto de sódio, manitol e polietilenoglicol. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v.18, n.1, p.10-16, 1996.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Departamento Nacional de Defesa Vegetal. Regras para Análise de Sementes. Brasília, 399p. 2009.

CONAB. BOLETIM PROHORT MOSTRA AUMENTO DA OFERTA E REDUÇÃO DOS PREÇOS DE HORTIFRUTIS. Acompanhamento de safra brasileiro. 18 de junho de 2019. Acesso em 020/03/2020.

DEUNER, C; MAIA M.S; DEUNER. S; ALMEIDA, A.S; MENEGHELLO, G. E. Viabilidade e atividade antioxidante de sementes de genótipos de feijão-miúdo submetidos ao estresse salino. Revista Brasileira de Sementes 33: 711-720. 2011.

FERREIRA, S.; SOUZA, R.J.; GOMES, L.A.A. Produtividade de brócolis de verão com diferentes doses de bokshi. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre,

v.5, n.2, p.31-38, 2013.

GORDIN, C.R.B., MARQUES, R.F., MASSETO, T.E., SOUZA, L.D. Estresse salino na germinação de sementes e desenvolvimento de plântulas de niger (Guizotia abyssinica (Lf) Cass.). Acta Botanica Brasilica, Feira de Santana, v.26, n.4, p.966-972, 2012

JOOSEN, R. V. L. et al. Germinator: A software package for high-throughput scoring and curve fitting of Arabidopsis seed germination. The Plant Journal, Nova York, 2010.

LÓPES-ELÍAS, J. L et al. Produção e qualidade de pepino (Cucumis sativus L.) em casa de vegetação utilizando dois sistemas de poda. Idesia (Chile) v. 29, nº 2, 2011.

LOPES, J.C.; MACEDO, C.M.P. 2008. Germinação de sementes de couve chinesa sob influência do teor de água, substrato e estresse salino. Revista Brasileira de Sementes. v.30 n.3,p.79-85, 2008.

LOPES, K.P. et al. Salinidade na qualidade fisiológica em sementes de Brassica oleracea L. var. itálica. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v.35, n.5, p.2251-2260, 2014.

MUNNS, R., TESTER, M. Mechanisms of salinity tolerance. Annual Review of Biology 59: 651-681, 2008.

NAIKA et al. A cultura do tomate produção, processamento e comercialização. 1. ed. Wageningen: Fundação Agromisa e CTA, 104p. 2006.

NÓBREGA et al. Qualidade fisiológica de sementes de melão pepino sob salinidade crescente da água de irrigação. Revista de Ciências Agrárias, 41(4): 1011-1018, 2018.

SÁ, F.V.S. et al. Produção de mudas de mamoeiro irrigadas com água salina. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.17, n.10, p.1047-1054, 2013.

Secco, L.B. et al. Qualidade de sementes de acessos de melão (Cucumis melo L.) em condições de estresse salino. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, vol. 5, n. 2, p. 1-11. 2020.

SILVA, E. C.S. et al. Estresse salino na germinação e no vigor de sementes de brócolis. Sci. Agrar. Parana., Marechal Cândido Rondon, v. 17, n. 2, abr./jun., p. 247-249, 2018.

SOUZA NETO, M.L. et al. Efeitos da salinidade sobre o desenvolvimento de rúcula cultivada em diferentes substratos hidropônicos. Revista [email protected] On-line, Boa Vista, v.7, n.2,

p.154-161, 2013.

TOBE, K.; ZHANG, L.; OMASA, K. Alleviatory effects of calcium on the toxicity of sodium, potassium and magnesium chlorides to seed germination in three non-halophytes. Seed Science Research 13: 47-54, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-356