Inovação, competitividade e gestão de design na indústria moveleira do Rio Grande do Sul: um estudo comparativo / Innovation, competitiveness and design management in the furniture industry in Rio Grande do Sul: a comparative study

Leonardo Augusto Braun, Jefferson Lewis Velasco, Hemilyn Dal Forno Bonacorso, Eugenio Andrés Díaz Merino, Júlio Monteiro Teixeira

Abstract


O estado do Rio Grande do Sul se destaca como o segundo maior produtor de móveis do Brasil, contando com mais de 2800 indústrias de móveis, que empregam diretamente mais de 35 mil pessoas. O estado também é o segundo maior exportador de móveis do Brasil. Apesar disso, os polos moveleiros apresentam dificuldades nos seus mercados de atuação devido a desafios impostos pelo mercado internacional, como flutuações cambiais, valor do frete de componentes e custo de produção mais baixo. Assim, o objetivo desta pesquisa foi identificar aspectos positivos em competitividade, inovação e gestão do design de duas micro e pequenas indústrias do setor moveleiro, localizadas nas cidades de Santa Clara do Sul e Arroio do Meio, no Rio Grande do Sul. Para o desenvolvimento deste estudo, duas indústrias de móveis participaram da pesquisa, a qual se deu por meio de uma entrevista semiestruturada onde foram aplicados três instrumentos de coleta de informações: o radar da inovação (inovação), o modelo de excelência em gestão (competitividade) e a escada da gestão de design (gestão de design). Os resultados apontaram que foram identificados como aspectos positivos as dimensões de Liderança, Clientes, Sociedade, Informações e Conhecimentos e Processos, no que tange a avaliação de competitividade. Na avaliação do grau de inovação, as dimensões em destaque são Plataforma, Soluções, Relacionamento, Cadeia de Fornecimento e Rede. Finalmente, quando avaliado o nível de gestão de design, as dimensões de destaque são Recursos, Processos e Benefícios. Conclui-se que as empresas apresentam, de forma geral, competências importantes evidenciadas pelo seu posicionamento nas escalas propostas pelos métodos empregados, sendo também identificados pontos de melhoria junto às dimensões Estratégia e Planos (competitividade), Captura de Valor e Ambiência Inovadora (inovação) e Expertise (gestão do design) . Isto pode significar uma tendência do setor na região, dada a aderência das características das empresas em foco ao perfil histórico e gerencial da indústria de pequeno porte locais, o que deve ser explorado em um estudo mais abrangente a ser realizado com uma amostra mais significativa da indústria local.


Keywords


inovação, competitividade, gestão de design, indústria moveleira, micro empresa.

References


ACKLIN, C. Design Management Absorption Model: A Framework to Describe and Measure the Absorption Process of Design Knowledge by SMEs with Little or no Prior Design Experience. Creativity and Innovation Management, Netherlands, v. 22, n. 2, p. 147-160, Jun. 2013.

AVENDAÑO, Luis Emiliano Costa. Análise da prática do design na Micro e Pequena Indústria no setor moveleiro do estado de São Paulo:: contexto, estratégia e competitividade nas empresas que possuem a cultura do design. contexto, estratégia e competitividade nas empresas que possuem a cultura do design. 2017. 174 f. Tese (Doutorado) - Curso de Doutorado em Ciências, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BEST, K. Fundamentos de Gestão do Design. Porto Alegre: Bookman, 2012. 208 p.

CENTRO PORTUGUÊS DE DESIGN - CPD. Manual de gestão do design. Portugal, Porto Editora, 1997.

DOSI, G.; PAVITT, K. & SOETE, L. The economics of technical change and international trade. London: Harvester Wheastsheaf, 1990.

DRUCKER, P. Desafios gerenciais para o século XXI. São Paulo: Pioneira, 1989.

FERRAZ, J. C.; KUPFER, D.; HAGUENAUER, L. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de janeiro: Campus, 1995. 386 p.

FLEURY, A. C.; FLEURY, M. T. L. Estratégias competitivas e competências essenciais: perspectivas para a internacionalização da indústria no Brasil. Gestão & Produção, São Carlos, v. 10, n. 2, p. 129-144, 2003.

GORB, P.; DUMAS, A. Silent design. Design studies, v. 8, n. 3, p. 150–156, 1987.

KOOTSTRA, G. L. The incorporation of design management in today’ s business practices: An analysis of design management. Rotterdam, The Netherlands, 2009.

MACEDO, Mayara Atherino. A gestão do Design como fator de inovação em redes de empresas: o caso do santa catarina moda e cultura (scmc). 2015. 208 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Engenharia de Produção, Centro Tecnológico, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

MOZOTA, B. B. A Theoretical Model for Design in Management Science. Design Management Journal, v. 3, n. 1, p. 30-37, 2008.

PORTER, M. E. What is Strategy? Harvard Business Review, v.74, n.6, p.61-78, 1996.

PRAHALAD, C. K.; RAMASWAMY, V.; DA CUNHA SERRA, A. C. O futuro da competição: como desenvolver diferenciais inovadores em parceria com os clientes. Elsevier, 2004.

PROENÇA, A. Dinâmica estratégica sob uma perspectiva analítica: refinando o entendimento gerencial. Arché Interdisciplinar, v. 23, p. 95–133, 1999.

SANTOS, Adriana B. A. dos; FAZION, Cintia B.; MEROE, Giuliano P. S. de. Inovação: Um estudo sobre a evolução do conceito de Schumpeter. Caderno de Administração, [s. l.], ano 1, v. 05, ed. 01, p. 16, 27 mar. 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/caadm/article/view/9014. Acesso em: 4 nov. 2021.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. International Journal of Market Research, v. 44, p. 379–380, 2002.

VON KROGH, Georg; ROOS, Johan. A perspective on knowledge, competence and strategy. Personnel review, v. 24, n. 3, p. 56-76, 1995.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-361