Comunicação e inteligência emocional na qualidade das relações interpessoais no trabalho / Communication and emotional intelligence in the quality of interpersonal relationships at work

Adilson Vagner de Oliveira, Josenilda Maria da Silva, Katia Valeria de Lima Linck, Lucirlene Pereira da Silveira

Abstract


Como a comunicação interna influencia na qualidade dos relacionamentos interpessoais nas empresas locais? Este artigo analisa as práticas de comunicação empresarial a partir de uma perspectiva integrada à inteligência emocional que concebe a comunicação como principal ferramenta na construção de relacionamentos interpessoais eficientes no ambiente de trabalho, além de produzir engajamento de colaboradores e comportamentos estratégicos nas empresas. A pesquisa analisou as respostas de 314 trabalhadores do comércio e da prestação de serviços em Tangará da Serra-MT, a coleta de dados se deu por meio de questionários fechados com escalas de satisfação pessoal e interpessoal. Os resultados apontam que as competências emocionais estão diretamente relacionadas à qualidade da comunicação interna entre gestores e colaboradores; as empresas fornecem poucas oportunidades de diálogo e participação aos seus funcionários, afetando o engajamento a coesão e a identificação com a organização; os profissionais conseguem perceber as falhas no processo de comunicação da empresa, mas são incapazes de reconhecer suas próprias fragilidades comunicativas e interpessoais.


Keywords


comunicação, inteligência emocional, relacionamentos, empresa.

References


BABBIE, E. Survey research methods. Belmont, CA: Wadsworth Publications, 1990.

BRADBERRY, Travis; GREAVES, Jean. Emotional intelligence 2.0. San Diego-CA: Talentsmart, 2009.

CARDOSO, Onésimo O. Comunicação empresarial versus comunicação organizacional: novos desafios teóricos. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro 40(6):1123-44, Nov./Dez. 2006. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/rap/a/Wzm35MwM3s5ntxL3GqPnrsF/?lang=pt&format=pdf Acesso em 25/02/2022.

CODA, Roberto. Competências comportamentais: como mapear e desenvolver competências pessoais no trabalho. São Paulo: Atlas, 2016.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. São Paulo: Sage, 2010.

DRUSKAT, Vanessa; WOLFF, Steven. Construindo a inteligência emocional de grupos. In: GOLEN, Daniel et al. Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Sextante, 2019.

GOLEN, Daniel. O que define um líder? In: GOLEN, Daniel et al. Inteligência emocional. Rio de Janeiro: Sextante, 2019.

KELLER, Kátia. Comunicação organizacional, sobrevivência empresarial. São Paulo: Olho d’água, 2006.

KELLSTEDT, P. M.; WHITTEN, G. Fundamentos da pesquisa em ciência política. São Paulo: Blucher, 2015.

KOSCHMANN, Matthew. The Communicative Accomplishment of Collaboration Failure. Journal of Communication, nº 66, 2016, 409–432

KUNSCH, Margarida M. K. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4. ed. São Paulo: Summus, 2003.

KUNSCH, Margarida M. Comunicação organizacional. Vol. 1. São Paulo: Saraiva, 2009.

MATOS, Gustavo Gomes de. Comunicação Empresarial sem complicação. 2. ed. Barueri, SP: Manole, 2009.

MORIN, Estele M; AUBÉ, Caroline. Psicologia e Gestão. São Paulo: Atlas, 2009.

MOURA, Denise; ZOTES, Luis P. Competências transversais e desempenho empresarial: uma análise conceitual comparativa. Revista Sistema & Gestão, nº10, p.253-269, 2015.

MUSSIO, R. A. P; SERAPIÃO, A. B. S. (Inter)Mediação latente de conflitos e comunicação não-violenta na atividade secretarial. Revista Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 7, n. 2, p. 214-228, jul./dez. 2017.

RABELO, Flávio M. Programas participativos e gestão da qualidade. Revista Gestão & Produção. v.2, n.2, p. 116-133, ago.1995

ROSENBERG, Marshall. Comunicação não-violenta. São Paulo: Editora Ágora, 2006

RUGGERI, Renê. Comunicação: a principal ferramenta do líder. In: BRESSAN, Cyndia; RIBEIRO, Mariluce; ROMA, Andréia. Liderança com base nas soft skills. São Paulo: Leader, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-367