Conhecimento sobre HTLV em profissionais de enfermagem com assistência à populações tradicionais no interior do Estado do Pará / Knowledge about HTLV in nursing professionals with assistance to traditional populations in the interior of the Pará State

Felipe Souza Nascimento, Karytta Sousa Naka, Eduarda Lorena Alves da Cunha, Alana Thais do Rosario Ribeiro, Josielma Lúcia Ferreira Rodrigues, Angélica Moraes Sousa

Abstract


O Vírus Linfotrópico de Células T Humanas (HTLV) é causador de uma infecção relacionada a alterações na resposta imune adaptativa do hospedeiro, seja aumentando a susceptibilidade e outras infecções, seja alterando sua evolução. Essa infecção pode ser transmitida por via vertical, através da amamentação e, por via horizontal, por via sexual e parenteral. Ainda existe grande desinformação a respeito deste vírus e sua infecção, não só pela população em geral, mas também pelos profissionais de saúde. Assim, o estudo objetivou analisar o conhecimento sobre HTLV dos profissionais de enfermagem que atuam com populações tradicionais. Trata-se de um estudo transversal, descritivo, com abordagem quantitativa, realizado com profissionais de enfermagem do interior do estado do Pará. Participaram do estudo 25 profissionais de enfermagem, sendo 19 enfermeiros (76,0%) e 6 técnicos de enfermagem (24,0%). Observou-se que 60,0% (N=11) afirmaram ter pouco conhecimento sobre HTLV ou até nenhum conhecimento. Concluiu-se que o HTLV é um problema de saúde pública, apresentando implicações incertas sobre o prognóstico e suas formas de transmissão, entretanto, percebeu-se que a enfermidade citada é atualmente negligenciada e pouco conhecida em comparação a outras infecções virais pelos profissionais de enfermagem, apesar dos esforços do Ministério da Saúde e dos outros órgãos de saúde. 


Keywords


cuidados de enfermagem, htlv, populações tradicionais.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº466 /12. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de manejo clinico da infecção pelo HTLV. Brasília: Ministério da Saúde, 2021. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2021/guia-de-manejo-clinico-da-infeccao-pelo-htlv. Acesso em 10 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de manejo clínico da infecção pelo HTLV. Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de Bolso das Doenças Sexualmente Transmissão. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

CARNEIRO-PROIETTE, A. B. F. et al. Infecção e doença pelo vírus Linfotrópico humano de células T (HTLV-I/I I) no Brasil. Rev. Soc. Bras Med. Trop., v. 35, n. 5, p. 499-508, 2002.

COSTA, M. C. et al. Doenças sexualmente transmissíveis na gestação: uma síntese de particularidades. Na. Bras. Dermatol., v. 85, n. 6, p. 767-785, 2010.

DIAS, L. D. S. Frequência de Fatores Associados ao Abandono de Acompanhamento Ambulatorial por Indivíduos Infectados pelo HTLV 1/2 Em Um Serviço Público De Referência. Dissertação (Mestrado em ciências da saúde) - Universidade Federal Da Bahia, Salvador, 2016.

FIGUEIREDO-ALVES, R. R.; NONATO, D. R.; CUNHA, A. M. Feminina, v. 47, n. 2, p. 110-113, 2019.

GALVÃO-CASTRO, B. et al. Epidemiologia e origem do HTLV-1 em Salvador Estado da Bahia: a cidade com a mais elevada prevalência desta infecção no Brasil. Gaz. Méd. Bahia, v. 79, n. 1, p. 3-10, 2009.

GONÇALVES, M. S. Percepção do Enfermeiro quanto ao Diagnóstico e Tratamento do Vírus 1 Linfotrófico T Humano. Revista Eletrônica Estácio Saúde, v. 5, n. 1, p. 100-109, 2016.

INOUYE, M. M. Z. et al. A Correlação entre os resultados da pesquisa de anticorpos anti-vírus linfotrópico de células T humanas tipo I (HTLV-I) obtidos pelos métodos de enzima imunoensaio (ELISA) e Western Blot. Semina: Cio Biol. Saúde, v. 20/21, n. 2, p. 11-16, 2000.

INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA DO RIO DE JANEIRO (HEMORIO). Infecção pelo HTLV – orientações básicas aos pacientes e familiares. Manual do paciente. edição revisada 01. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://www.hemorio.rj.gov.br/html/pdf/Manuais/Infeccao_HTLV.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

KROON, E. G, PROIETTE, A. B. F. C. HTLV1/2_ O Vírus, sua multiplicação e estrutura genômica. In: PROIETTE, A. B. F. C. (org.). Cadernos Hemomidas: HTLV. 6ª ed. Belo Horizonte: Fundação Hemominas, 2015. Disponível em: http://www.hemominas.mg.gov.br/publicacoes?download=349:cadernos-hemominas-htlv. Acesso em: 15 set. 2020.

PARANHOS, R. F. B. Vivenciando a sexualidade e a incontinência urinária: histórias de mulheres HTLV positivas. 2011. 94 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/bitstream/ri/12177/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o_Enf_Rayssa%20Paranhos.pdf. Acesso em: 02 out. 2020.

PEREIRA, W.A. MESQUITA, E. M. Vírus Linfotrópico de células T Humana (HTLV): doenças associadas e dificuldades no diagnóstico e tratamento. Rev. Investig. Bioméd., v. 17, n. 1, p. 92-101, 2016.

PROIETTE, A. B. F. C. Cadernos Hemominas: HTLV. 6ª ed. Belo Horizonte: Fundação Hemominas, 2015. Disponível em: http://www.hemominas.mg.gov.br/publicacoes?download=349:cadernos-hemominas-htlv. Acesso em: 15 set. 2020.

REGINATTO, A. B. C; PEREIRA, I. A. Análise da frequência de manifestações hematológicas em pacientes com Síndrome de Sjogren primária e da sua associação com parâmetros clínicos e laboratoriais da doença. 2018. 19 f. Monografia (Curso de Medicina) - Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL), Palhoça, 2018.

RIVEMALES, M. C. C. Vivência da sexualidade: representações das pessoas soropositivas para o HTLV. 2013. 205 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

ROMANELLI, L. C. F.; CARAMELLI, P.; PROIETTI, A. B. F. C. O Vírus Linfotrópico De Células T Humanos Tipo 1 (HTLV-1): Quando Suspeitar Da Infecção? Rev. Assoc. Med. Bras., v. 3, n. 56, p. 340-347, 2010.

SANTOS, M. M. et al. Aspectos epidemiológicos da infecção por HTLV-1 e HTLV-2. In: PROIETTE, A. B. F. C. (org.). Cadernos Hemomidas: HTLV. 6ª ed. Belo Horizonte: Fundação Hemominas, 2015. Disponível em: http://www.hemominas.mg.gov.br/publicacoes?download=349:cadernos-hemominas-htlv. Acesso em: 15 set. 2020.

SCHRAIBER, L. B. et al. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad. Saúde Pública, v. 26, n. 5, p. 961-970, 2010.

SILVA, B. et al. Jornada de trabalho: fator que interfere na qualidade da assistência de enfermagem. Texto Contexto - Enferm., v. 15, n.3, p. 85-90, 2005.

TAMBON, L. G. L.; QUIXADÁ, A. P.; SÁ, K. N. Research scenario in physiotherapy for people with human t-celllymphotropic vírus (HTLV): scientometric study. Brazilian Journal of Development, v. 8, n. 2, p. 12025-12042, 2022.

TEIXEIRA, M. A. Soropositividade de mulheres para os vírus HIV e HTLV: significados do contágio do leite materno. 2006. 260 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) -Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2006.

VALLINOTO, A. et al. Identificação de infecção por vírus Linfotrópico humano de células T em quilombo semi-isolado afro-brasileira localizado no Marajó Island. (Pará, Brasil). Mem. Inst. Osvaldo Cruz, v. 101, n. 1, p. 103-105, 2006.

VALLINOTO, A.C.R; ISHAK, R. HTLV-2: uma infecção antiga entre os povos indígenas da Amazônia brasileira. Rev. Pan- Amazônia Saúde, v. 8, n. 2, p. 9-11, 2017.

ZIHLMANN, K. F.; MAZZAIA, M. C.; ALVARENGA, A.T. Sentidos da interrupção da amamentação devido infeção pelo vírus linfotrópico de células T humanas do tipo 1 (HTLV-1). Acta Paul Enferm., v. 30, n. 1, p. 80-86, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-376