A atenção de enfermagem ao doente terminal: quando a vida terminal / Nursing care to the terminal sick: when life ends

Adelina Ferreira Gonçalves, Eline Aparecida Vendas Righetti, Sabrina Ferreira Furtado Magrin

Abstract


Os profissionais de enfermagem, como todas as pessoas, podem reagir de acordo com seus sentimentos e emoções, que marcam sua forma de exercer a profissão em diferentes situações de vida, visto serem continuamente confrontados com a realidade da morte. O objetivo deste estudo foi convidar à reflexão sobre atitudes positivas dos profissionais de enfermagem, pessoal ou em grupo, no cuidado ao paciente terminal e aos familiares. Nesta pesquisa, utilizou-se a metodologia qualitativa, descritiva e aplicada; fez-se ainda um levantamento bibliográfico da literatura existente sobre o tema. Os resultados mostraram que os profissionais precisam receber treinamento, apoio e compreensão mútua, mediante reuniões grupais, que permitam que sejam ouvidos na expressão de seus sentimentos, e tenham apoio institucional, por meio dos profissionais de saúde mental, reduzindo o nível de estresse ocasionado pelo cuidado ao paciente terminal. O profissional de enfermagem não deve apenas compreender e aceitar essa situação, mas assumir profissionalmente que, assim como faz parte da função assistir, aconselhar e acompanhar o nascimento da vida, também isso deve ocorrer no fim da vida (morte). Constatou-se que o enfrentamento da situação terminal do paciente, da dor e do sofrimento é uma das tarefas mais difíceis, chocantes e estressantes da equipe de enfermagem, que foi preparada para cuidar, alcançar a recuperação ou a reabilitação, mas não para a morte.


Keywords


paciente terminal, cuidados paliativos, enfermagem, morte.

References


ALVES, Railda Fernandes et al. Cuidados paliativos: desafios para cuidadores e profissionais de saúde. Fractal: Revista de Psicologia [S.l.], v. 27, n. 2, p. 165- 176, june 2015.

AMESTOY, S. C.; SCHWARTZ, E.; THOFEHRN, M. B. A Humanização do trabalho para os profissionais de enfermagem. Acta Paul Enferm, 19 (4). Dez, 2016.

ANDRADE, Cristiani Garrido de. Cuidados paliativos: comunicação entre enfermeiro e paciente terminal. 2013. 100 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal da Paraí¬ba, João Pessoa, 2013.

ARAÚJO MMT, SILVA MJP. A comunicação com o paciente em cuidados paliativos: valorizando a alegria e o otimismo. Rev Esc Enf USP [Internet], 2012;41(4):668-74. Disponível em: http://www.ee.usp.br/reeusp.

BOUSSO, RS; POLES, K; SERAFIM, TS; MIRANDA, MG. Crenças religiosas, doença e morte: perspectiva da família na experiência de doença. Rev Esc Enferm USP. 2011;45:397-403.

CHOCHINOV, H.M. Dying, Dignity, and New Horizons in Palliative End-of-Life Care. A Cancer Journoul for Clinicians, 2008; 56:84-103.

COELHO MEM, FERREIRA AC. Cuidados paliativos: narrativas do sofrimento na escuta do outro. Rev Bioét. 2015;2(23):340-8.

COELHO CBT, YANKASKAS JR. New concepts in palliative care in the intensive care unit. Rev Bras Ter Intensiva. 2017 Apr/June; 29(2):222-30.

COLELL BRUNET R. Enfermería Y Cuidados Paliativos. Universitat deLleida; Edicions de la Universitat de Lleida; 2014.

CORDEIRO, Franciele Roberta; KRUSE, Maria Henriqueta Luce. It possible to die at home? Analysis of the brazilian and french scenarios. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 28, e20170602, 2019 . Available from

FERNANDES, PPV et al. Estratégias para humanizar o cuidar em enfermagem ao paciente terminal: um enfoque ético. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica e Administração; 2016.

FREIRE MEM, SAWADA NO, FRANÇA ISX, COSTA FSG, OLIVEIRA CDB. Qualidade de vida relacionada à saúde de paciente com câncer avançado: uma revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2014;2(28):357-67.

GRACIELA DA SILVA, Carolini et al. Doenças terminais, conhecimento essencial para o profissional da saúde. Psicologia Argumento [S.l.], v. 31, n. 72, nov. 2017.

GÓMEZ Pérez. C. La Enfermería en Cuidados Paliativos. En: Enfermería en Cuidados Paliativos, editado por E. López Imedio. Editorial Panamericana, 2014.

MAGDALENA, Maite Souza; PEREIRA, Milena Klix de Abreu; LUDTK, Paola Scotta; GAEDKE, Mari Ângela. Cuidados paliativos: um estudo de caso. Anais. Salão de Ensino e de Extensão. Inovação na Aprendizagem. UNISC, 2016. Ver em: https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/salao_ensino_extensao/article/view/15141.

MANCHOLA C, BRAZÃO E, PULSCHEN A, SANTOS M. Cuidados paliativos, espiritualidade e bioética narrativa em unidade de saúde especializada. REV BIOÉT. 2016;24(1):165-75.

MATOS JC, BORGES MS et al. A família como integrante da assistência em cuidado paliativo. Rev enferm UFPE on line, Recife, 12(9):2399-406, set., 2018. Ver em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i10a234575p2399-2406-2018.

MELO, Barbara Pereira; MARINHO, Cíntia Borges; MARÇAL, Thays Fonseca; BRASILEIRO, Marislei de Sousa Espíndula. A atuação do enfermeiro na assistência paliativa a pacientes de home care: alívio da dor e sofrimento. Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade Unida de Campinas. 2020.

MINAYO MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2009.

MONGE, M.A.; CASTRO, P. La Muerte, Final de la Vida Humana. In: Medicina Pastoral. Pamplona, Edições Universidade de Navarra; 2011: 189-222.

OLIVEIRA, SG; QUINTANA, AM; BERTOLINO, KCO. Reflexões acerca da morte: um desafio para a enfermagem. Rev Bras Enferm. 2010;63:1077-80.

OTTO, Shirley E. Enfermería Oncológica. Harcourt – Brace Mosby. Madrid. 2009.

PICOLLO DP, FACHINI M. A atenção do enfermeiro ao paciente em cuidado paliativo. Rev Ciênc Med. 2018;27(2):85-92. http://dx.doi. org/10.24220/2318-0897v27n2a3855.

PIRES LCB, VARGAS MAO, VIEIRA RW, RAMOS FRS, FERRAZZO S, BITENCO JVOV. Relação entre equipe de enfermagem e família de pessoas em cuidados paliativos. Enferm Foco. 2014; 4(1):54-7.

POLES K; BOUSSO RS. Compartilhando o processo de morte com a família: a experiência da enfermeira na UTI pediátrica. Rev Latinoam Enferm. 2009;14:207-13.

QUINTANA AM et al. Sentimentos e percepções da equipe de saúde frente ao paciente terminal. Paideia. 2011;16(35),415-25.

SAITO DVT, ZOBOLI ELCP. Cuidados paliativos e a atenção primária à saúde: scoping review. Rev Bioét. 2015;23(3):593-607.

SANTANA, JCB; CAMPOS, ACV; BARBOSA, BDG et al. Cuidados paliativos aos pacientes terminais: percepção da equipe de enfermagem. BIOETIKOS, Centro Universitário São Camilo - 2009;3(1):77-86.

SANTOS, Débora Cristina Leitão dos et al. Planejamento da assistência ao paciente em cuidados paliativos na terapia intensiva oncológica. Acta paul. enferm., São Paulo, v. 30, n. 3, p. 295-300, May 2017.

SILVA MGG. Doença terminal, perspectiva de morte: um trabalho desafiador ao profissional da saúde que luta contra ela. Rev SBPH [Internet]. 2007;10(2):43-51. Disponível em: http://pepsic.bvspsi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 08582007000200006&lng=pt&nrm=isso.

VALENTE SH, TEIXEIRA MB. Estudo fenomenológico sobre a visita domiciliária do enfermeiro à família no processo de terminalidade. Rev Esc Enferm 2009;43(3):655-61.

VARGAS, D. Morte e morrer: sentimentos e condutas de estudantes de enfermagem. APE- Acta Paulista de Enfermagem, v. 23, n:3 p:405-410, junho 2010.

WATSON, M.; LUCAS, C.; et al. The Terminal Phase. In: Oxford Handbook of Palliative Care. New York: Oxford University 2005; 735-745.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-382