A psicofarmacologia nos transtornos de ansiedade na infância e adolescência / Psychopharmacology in anxiety disorders in childhood and adolescence

Edelson Lourenço da Silva Filho, Maria José Pereira da Silva, Thiara Cristina Cavalcanti da Silva, Álefe de Andrade Pereira da Silva, Iandra Camila da Silva Souza, Luís Henrique de Oliveira Rodrigues, Liliane Beatriz de Oliveira Rodrigues, Karen Caitlin Moura e Silva, Clara Iris Apolinário Melo, Hevelly Carlos Cabral, Renan Pires Maia

Abstract


 Os transtornos de ansiedade (TA), caracterizados por quadros de ansiedade acentuada, são alguns dos transtornos mentais que mais acometem crianças e adolescentes. Cada vez mais prevalentes nessa faixa etária, são responsáveis por déficits no desenvolvimento do infante. Quando não tratados corretamente, implicam na possibilidade do progressivo agravamento da condição mórbida ao longo da vida. Essa revisão objetiva apresentar uma discussão critica, amparada em achados provenientes dos estudos recentes na psicofarmacologia infanto-juvenil referente ao tratamento do TA, além de observar quais manifestações clínicas os TA pode assumir na infância, bem como identificar os principais fármacos e o melhor tratamento um quadro de ansiedade. A pesquisa seguiu uma metodologia de revisão narrativa, baseando-se em artigos publicados sobre o tema nas duas últimas décadas, selecionados a partir da base de dados Google Acadêmico, SciELO e Lilacs, utilizando como descritores os termos “ansiedade”, “criança”, “adolescente” e “tratamento farmacológico”, retirados dos Descritores em Ciências da Saúde. De acordo com os resultados achados, pôde-se constatar que há poucos estudos de ensaios clínicos no desenvolvimento de psicofármacos para a população pediátrica, e, diante do uso desenfreado dos psicofármacos, sugere-se que sejam elaborados mais estudos abordando a temática. Pôde-se perceber também a importância de um tratamento medicamentoso responsável, à luz do uso racional dos medicamentos, e conjugado com psicoterapia e com um acompanhamento multiprofissional.


Keywords


psicofarmacologia, transtorno de ansiedade, infância, adolescência

References


ANDRIOLA, W. B.; CAVALCANTE, L. R. Avaliação da depressão infantil em alunos da pré-escola. Psicologia: Reflexão e Crítica. v.12, n.2, 1999.

ASBAHR, F. R. Transtornos ansiosos na infância e adolescência: aspectos clínicos e neurobiológicos. Jornal de Pediatria, v.80, n.2, 2004.

ASSIS, S. G.; et al. Ansiedade em crianças: um olhar sobre transtornos de ansiedade e violências na Infância. Rio de Janeiro: FIOCRUZ / ENSP / CLAVES / CNPq, 2007.

ASSOCIAÇÃO PSIQUIÁTRICA AMERICANA. DSM-5. Manual Diagnóstico e

Estatístico de Transtornos Mentais. Trad. Maria Inês Corrêa Nascimento. 5ed. Porto Alegre: ARTMED, 2014.

CAÍRES, M. C.; SHINOHARA H. Transtornos de Ansiedade na Criança: Um olhar nas comunidades. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, v.6, n.1, 2010.

CALMON, A. Afinal, o que é ansiedade? Guia com a Saúde Extra - Ansiedade, São Paulo, Ed.126, 2016.

CUNHA, M. Ansiedade e Perturbações de Ansiedade na Infância e Adolescência: Uma Revisão Teórica. Revista Interacções, n.10, 2006.

EVEN, P.; et al. 4000 médicamentsutiles, inutiles ou dangereux. Le ChercheMidi, Paris, 2012.

FAGUNDES, A.P. Medicalização infantil. Trabalho de Conclusão de Curso. 38p. Santa Rosa. Universidade Reg. do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, 2017.

FERREIRA, A.C.Z.; et al. A vivência do portador de transtorno mental no uso de psicofármacos na perspectiva do pensamentos complexo. Texto Contexto Enferm, 2017.

GREEN, W. H. Child & Adolescent – Clinical Psychopharmacology. New York: Lippincott Williams & Wilkins, 2001.

JERUSALINKY, D. Trata-se de caçar o caçador? São Paulo: Via Lettera, 2011.

LAFER, B.; AMARAL, J. A. M. S. Depressão no ciclo da vida. Porto Alegre: Artmed, 2000.

MANFRO, G.; et al. Estudo retrospectivo da associação entre transtorno de pânico em adultos e transtorno de ansiedade na infância. Revista Brasileira de Psiquiatria, v.24, 2002.

MARES, S.; WOODGATE, S. The clinical assessment of infants, preschoolers and their families. In Rey JM, Martin A (eds), IACAPAP e-Textbook of Child and Adolescent Mental Health. (edição em Português; Dias Silva F, ed). Genebra: International Association for Child and Adolescent Psychiatry and Allied Professions, 2020.

MACIEL, A. P. P.; et al. Avaliação do uso de psicofarmacos em crianças nos serviços de saúde mental em Fortaleza – Ceará. Rev. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde, São Paulo, v.4, n.4, out./dez. 2013.

MERCADANTE, M.T.; SCAHILL, L. Psicofarmacologia da Criança: um guia para crianças, pais e profissionais. São Paulo: Memnon Edições Científicas, 2005.

MIRANDA, M. V; et al. Depressão infantil. Caderno de Pesquisa, São Luís, v.20, n.3, set/dez. 2013.

MILLER, J. O livro de referência para a depressão infantil. (M. M. Tera, Trad.). São Paulo: M. Books, 2003.

NAKAMURA, E.; SANTOS, J. Q. Depressão infantil: abordagem antropológica. Revista Saúde Pública, v.41, n.1, 2007.

PAGNO, M. Ministério da Saúde divulga resultados preliminares de pesquisa sobre saúde mental na pandemia. Ministério da Saúde, disponível em:

. Acessado em 18 de outubro de 2021.

PANDE, M. N. R.; et al. Este ilustre desconhecido: considerações sobre a prescrição de psicofármacos na primeira infância. Ciência & Saúde Coletiva, 2020.

PEREIRA, G. S.; et al. Ansiedade infantil: a influência do ambiente familiar sobre o comportamento da criança. Trabalho de Conclusão de Curso. 23p. Maceió. Centro Universitário Tiradentes, 2016.

SANTOS, J. O. A percepção dos professores frente á ansiedade infantil: uma visão psicopedagógica. Monografia (Bacharelado em Psicopedagogia). 29p. João Pessoa. UFPB, 2016.

SANTOS, D. R. T.; et al. Psicologia e medicalização: reflexão crítica ao uso de psicotrópicos na infância. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.6, n.10, out. 2020.

STAHL, S. M. Psicofarmacologia: bases neurocientíficas e aplicações práticas. 4ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

V EPCC – ENCONTRO INTERNACIONAL DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA

CESUMAR, 5ed, 23 a 26 de outubro de 2007. Maringá. Depressão infantil e as possibilidades de tratamento. Paraná: Centro Universitário de Maringá, 2007. 4p.

VIANNA, R. R. A. B.; et al. Transtornos de ansiedade na infância e adolescência: uma revisão. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas, v.5, n.1, 2009.

VIDALE, G.; BRITO, S. Cabeça Feita. VEJA, São Paulo, Ed.2754, n.35, p.58, set. 2021.

VITIELLO, B. Combined cognitive-behavioral therapy and pharmacotherapy for adolescent depression: does it improve outcomes compared with monotherapy?. CNS Drugs, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-389