O suicídio nas faixas etárias dos 14 aos 30 anos: discussão multidisciplinas entre psicologia sociologia e o direito / Suicide in the age ranges of 14 to 30 years: multidisciplinary discussion between psychology sociology and the law

Claudiane da Hora dos Santos Souza, Marcos Aurélio Lordão Rocha

Abstract


Este estudo trata das complicações, discussões e das soluções estratégicas apresentadas no sentido de reduzir e ou amenizar os impactos causados pelo suicídio nas faixas etárias dos 14 aos 30 anos em uma discussão multidisciplinas breve entre, Psicologia, Sociologia e o Direito. Ao decorrer da história observamos homens desenvolvendo regras para viverem em grupo, transformando-se, assim, em seres sociais. Neste período, as regras eram sustentadas pelo temor religioso, sem a presença do Estado para organizar a sociedade, posteriormente o surgimento do Iluminismo foi o marco para as mudanças. Autores da época trouxeram novas reflexões sobre a humanização e a positivação de normas e regras. Inspirado nas ideias Iluministas, o Brasil cria em 1830 seu primeiro Código Penal, versando dentre outras a punição e erradicação total a quem estimula e ou faz apologia a determinadas práticas e a grupos sociais, inclusive os que esporadicamente estimulam. É com esse objetivo que buscamos a compreensão do fenômeno suicídio, apresentando resumidamente o posicionamento da doutrina jurídica e convencional de especialistas em relação ao tema; sempre fazendo uma revisão histórica acerca dos fenômenos e sentimentos que contribuíram para a decisão drástica de interromper o ciclo vital; Através da Psicologia e de forma multidisciplinar mostraremos que o suicídio trás percas irreparáveis; buscando uma melhor discussão para a referida temática, e assim responderemos o questionamento: Como as politicas preventivas juntamente com as intervenções de pósvenção podem contribuir com a redução dos casos de suicídio? Responde-se adotando o método dedutivo de abordagem, indicado para a elaboração de uma pesquisa bibliográfica. Espera-se que este artigo alcance a finalidade de contribuir, para que o Estado, a comunidade acadêmica e as instituições de apoio à causa, de modo sistêmico, possam buscar soluções e desenvolver estratégias ao promover o processo desta modalidade de comportamento disfuncional, mesmo diante de um quadro apreensivo.


Keywords


brasil, gestalt terapia, políticas públicas, psicologia.

References


BERTOLOTE, J. M. O suicídio e sua prevenção. São Paulo: Ed. Unesp, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm: Acesso: 05 out. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.819, de 26 de abril de 2019. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil 03/ ato2019-2022/2019/lei/l13819.htm Acesso: 05 out. 2021.

BRASIL. Lei nº 13.968, de 26 de dezembro de 2019. Brasília, DF. Disponível: http://www. planalto.gov.br/civil 03/Ato 20192022/2019/Lei/L13968.htm#art2 Acesso em: 05 out. 2021.

BRASIL. Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal Brasileiro. Brasília, DF. Centro Gráfico, 2008.

DURKHEIM, E. O suicídio. Tradução: Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 4 ed. Curitiba: Positivo, 2001.

FUKUMITSU K.O. Sobreviventes enlutados por suicídio. São Paulo: Summus; 2019.

FUKUMITSU, K. O. Suicídio e Gestalt-terapia. São Paulo: Digital Publish & Print, 2012.

KIRAN.GORKI. carta de ottawa para a promoção da saúde, janeiro 21, 2013 Bra. Disponível em: http://www.senescenciaativa.wordpress.com/2013/01/21/a-carta-de-ottawa

LANZA, Pedro. Direito Constitucional Esquematizado. São Paulo: Saraiva, 2011.

MELEIRO, A. M. A., Fensterseifer, L.; Werlang, B. S. G. Esforços para prevenção.

São Paulo: Abril Cultural, 2004.

MERIGHI, M. A. B. Cuidado: enfermagem e fenomenologia. In: (org.), Existência e saúde. São Bernardo do Campo, SP: UMESP, 2002. (pp. 153-161).

MONTEIRO W de B, Curso de direito civil. Direito das obrigações - 1ª Parte. 4 32 ed. São Paulo: Saraiva 2012. Disponível em: https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex: br: . acesso em: 22 out. 2021

Nixon & N. L. Heath (Eds.), Self-injury in youth: The essential guide to assessment and intervention (pp. 1–6). New York: Routledge. 2009

Rogers, C. R. & Kinget, M. Psicoterapia e Relações Humanas. Belo Horizonte: Interlivros. (1977).

Shneidman, E. S. Comprehending suicide. American Psychological Association, Washington. . 2001. Disponível em: https://www.seculodiario.com.br/colunas/o-pai-da-suicidologia acesso em: 26 nov. 2021

VOLTAIRE, F. M. A. Tratado sobre a tolerância. São Paulo: Escala, 2009.

WERLANG, B. G.; BOTEGA, N. J. (orgs.), Comportamento suicida. Porto Alegre, RS: Artmed, 2004. (pp. 141- 152).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-408