A importância do apoio institucional na implementação de protocolos e fluxos assistenciais na atenção primária em saúde de municípios do estado do amapá: relato de experiência / The importance of institutional support in the implementation of protocols and care flows in primary health care in municipalities in the state of amapa: experience report

Cintia do Socorro Matos Pantoja, Weslley Lieverson Nogueira do Carmo, Nilma da Silva Pureza, Donato Farias da Costa, Doriane Nunes dos Santos, Juvanete Amoras Tavora

Abstract


Os Protocolos e Fluxos Assistenciais na rotina de trabalho são importantes para o enfrentamento de problemas na assistência e na gestão dos serviços. Esses instrumentos são orientados por diretrizes de natureza clínica e organizacional e são fundamentados e validados por estudos e evidencias científicas, além de incorporarem novas tecnologias nos serviços. Neste aspecto, visando a organização das Redes de Atenção à Saúde no Estado do Amapá, especificamente neste momento a Rede de Atenção Materno-Infantil, Rede de Atenção ás Pessoas com Doenças Crônicas Não-Transmissíveis e Rede de Urgência e Emergência, observou-se durante a realização de um Diagnóstico Situacional a necessidade de se implentar Protocolos e Fluxos Assistenciais, bem como a realização de treinamentos em serviço para os profissionais de saúde dos municípios de Laranjal do Jari, Vitória do Jari, Oiapoque, Cutias do Araguari e Amapá, objetivando assim qualificação na assistência prestada aos usuários do Sistema Único de Saúde e o fortalecimentos das referidas Redes no Estado. A pesquisa é descritiva com abordagem qualitativa do tipo Relato de Experiência. O período de realização das atividades nos municípios ocorreram no decorrer do ano de 2021, nos meses de Março à Dezembro e início do ano de 2022 nos meses de março à abril. É importante destacar que o processo de apoio institucional estadual estabeleceu-se com o desenvolvimento das ações e atividades por meio da utilização de metodologias ativas, entrega de documentos norteadores, apresentação das propostas de Fluxos e Protocolos assistenciais e treinamentos realísticos em serviço, objetivando a otimização e qualificação na gestão da clínica e do cuidado, além da melhoria dos indicadores de saúde e fortalecimento das Redes de Atenção à Saúde.


Keywords


apoio institucional, protocolos, fluxos, treinamentos, redes de atenção à saúde.

References


ADA. American Diabetes Association. Standards of Medical Care in Diabetes – 2015: summary of Revisions. Diabetes Care. v. 38, suppl. 1, p. 54-94, 2015.

ANDRADE, M. A. C., et al. Apoio institucional: estratégia democrática na prática cotidiana do Sistema Único de Saúde (SUS). Interface (Botucatu). 2014; 18 Supl 1:833-44.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4a ed. Brasília (DF): MS; 2010a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, 2010b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. Diário Oficial da União, Brasília, 2011a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atençãoàs Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, 2011b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, 2011c.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 793, de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 2012a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012b. 318 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 483, de 1º de abril de 2014. Redefine a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e estabelece diretrizes para a organização das suas linhas de cuidado. Diário Oficial da União, Brasília, 2014a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 715, de 4 de abril de 2022. Altera a Portaria de Consolidação GM/MS nº 3, de 28 de setembro de 2017, para instituir a Rede de Atenção Materna e Infantil (RAMI). Diário Oficial da União, Brasília, 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Protocolos de Atenção Básica. Versão Preliminar. Condições Crônicas Não Transmissíveis Risco Cardiovascular. Brasília: DF, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 128 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. CAB 23. Brasília : Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta de Saúde da Criança. 9 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.130, de 5 de agosto de 2015. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, 2015.

COLOMBO. Prefeitura Municipal. Manual de consulta de enfermagem para o acompanhamento da saúde da criança. Programa Nascer Colombo. Colombo-PR, 2012.

CÓRDULA, E. B. L.; NASCIMENTO, G. C. C. A produção do conhecimento na construção do saber sociocultural e científico. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 18, p. 1-10, 2018.

E-GESTOR. Atenção Básica. 2021. Informação e Gestão da Atenção Básica. Disponível em: https://egestorab.saude.gov.br/

HEARTS. Pacote de medidas técnicas para manejo da doença cardiovascular na atenção primária à saúde. Guia de implementação. OMS/OPAS, 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2021. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ap/panorama

MENDES, E. V. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte, MG: ESP, 2009.

PANTOJA, C. S. M.; CARMO, W. L. N. Diagnóstico Situacional das Redes de Atenção à Saúde dos municípios do Estado do Amapá - Rede de Atenção à Saúde das pessoas com doenças crônicas não-transmissíveis e Rede Materno-Infantil. Amapá, 2021. Disponível em: https://saude.portal.ap.gov.br/publicacoes

PIAUÍ. Governo do Estado. Linhas gerais para qualificação do cuidado pré-natal. PARENTE, J. V.; FÉ, M. A. M. Teresina, PI. 2019.

SBC. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – 2020. BARROSO, W. K. S., et al. Arq Bras Cardiol., v. 116, n. 3, p. 516-658, 2021.

UFMA. Universidade Federal do Maranhão. UNA-SUS/UFMA. Redes de Atenção à Saúde: a atenção à saúde organizada em redes. Nerícia Regina de Carvalho Oliveira. - São Luís, 2016. 54f.

WERNECK, M. A. F.; FARIA, H. P.; CAMPOS, K. F. C. Protocolos de cuidado à saúde e de organização do serviço. Belo Horizonte, Nescon UFMG, Editora: Coopmed. 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-434