“Fatores determinantes da evolução institucional e econômica do porto digital“ / "Determining factors of the institutional and economic evolution of porto digital"

José Thales da Silva Nascimento, José Alexandre Ferreira Filho

Abstract


Em 2019, o faturamento das empresas embarcadas no Porto Digital chegou a R$ 2,3 bilhões - valor 23,94% maior do que o registrado no ano anterior, de R$ 1,8 bilhão. Sendo assim, o porto Digital impulsionou a Economia Pernambucana e Impacta diretamente o PIB do País. Seguindo o modelo Triple Helix, governo, academia e estado, o Porto Digital tornou-se um dos principais representantes da nova economia de Pernambuco, e é considerado o maior Parque Tecnológico do Brasil. O Porto Digital é um parque urbano instalado no centro histórico do Bairro do Recife e nos bairros de Santo Amaro, Santo Antônio e São José, totalizando 171 hectares, conta com cinco aceleradoras de negócios que tem por objetivo exponenciar seus resultados. O parque tecnológico hoje reúne mais de 9.000 profissionais altamente qualificados, sendo 800 deles empreendedores.


Keywords


1 - porto digital, 2- economia criativa, 3- políticas públicas, 4 – instituições, 5 - desenvolvimento econômico.

References


ACEMOGLU, Daron; ROBINSON, James. Por que as nações fracassam: as origens do poder, da

prosperidade e da pobreza. Rio de Janeiro: Elseiver, 2012. Acesso em: 31 Mar. 2020.

BENDASSOLLI, Pedro. Estudo exploratório sobre indústrias criativas no Brasil e no Estado

de São Paulo. Fundação Getúlio Vargas: FGv-EAESP, 2007. Disponível em:

<http://www.pedrobendassolli.com/npp.pdf>. Acesso em: 26 Mar. 2020.

FAUSTINO, Paulo (coord.). Indústrias criativas, media e clisteres: políticas, desenvolvimento,

mercado regiões, produções, estratégias. Lisboa, Portugal: Editora Media XXI, 2013. Acesso em: 11 Nov. 2019.

HOWKINS, John. Economia Criativa: Como ganhar dinheiro com ideias criativas. São Paulo,

Brasil: Editora: M.Books. 2013. Acesso em: 11 Nov. 2019.

BEACH, Derek; PEDERSEN, Ramus Brun. Process-tracing methods: foundations and guidelines.

Ann Arbor: University of Michigan Press, 2013. Acesso em: 09 jan. 2020

BENNETT, Andrew. Process tracing: a bayesian perspective. In: BOX-STEFFENSMEIER, Janet M.;

BRADY, Henry E.; COLLIER, David (eds.). The Oxford Handbook of Political Methodology.

Oxford: Oxford University Press, 2008. Acesso em: 28 Jun. 2020

GOERTZ, Gary; MAHONEY, James. A tale of two cultures: qualitative and quantitative research

in the Social Sciences. Princeton: Princeton University Press, 2012. Acesso em: 14 Nov. 2019

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C.R.. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova,

São Paulo, n. 58, 2003. Acesso em: 12 Out. 2019

IMMERGUT, Ellen. The theoretical core of the new institutionalism. Politics & Society, vol. 26, n.

, p. 5-34, mar. 1998. Acesso em: 28 Out. 2019

MAHONEY, James; KIMBALL, Erin; KOIVU, Kendra. The Logic of Historical Explanation in the Social Sciences, Comparative Political Studies, 42:1, jan. 2009, pp. 114-146. Acesso em: 13 julho 2020

NORTH, Douglas. Institutions, institutional change, and economic performance. New York:

Cambridge University Press, 1990. Acesso em: 12 Mar. 2020

NORTH, Douglas, WALLIS, John Joseph e WEINGAST, Barry. Violence and Social Orders.

Cambridge: Cambridge University Press, 2009. Acesso em: 13 Mar. 2020

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos 2010. Acesso em: 12 Mar. 2020

PETERS, G.B. El nuevo institucionalismo. Barcelona: Editorial Gedisa, 1999. Acesso em: 24

Abril. 2020

STEINMO, Sven. Historical institutionalism. In: DELLA PORTA, Donatella; KEATING, Michael (orgs.). Approaches and Methodologies in the Social Sciences. Cambridge: Cambridge

University Press, 2008. Acesso em: 15 Maio. 2020

THELEN, Kathleen. Historical institutionalism in comparative politics. Annual Reviews Political

Science. v. 2, p. 369-404, 1999. Acesso em: 11 Jun. 2020




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-435